Taça da Liga: redefinição | Relvado

Taça da Liga: redefinição

Algumas sugestões para uma melhoria desta competição.
 
Mário Figueiredo, presidente da Liga, em conferência de imprensa
Lusa

Terminada a 7.ª edição da Taça da Liga, e após uma nova temporada cheia de peripécias, o único ponto positivo a retirar é a vitória do SC Braga, traduzindo finalmente em títulos o crescimento notório deste clube sob o comando de António Salvador. No entanto, e porque não é de méritos que pretendo falar (muito pelo contrário), apelo sinceramente ao bom senso dos dirigentes e clubes de futebol para que, em sintonia, redefinam (ou terminem) esta competição.

Deixo aqui o meu humilde e sincero contributo, esperando que todos os outros "companheiros de fórum" possam também acrescentar (ou retirar) algo.

1. Como na próxima temporada, a 1.ª Liga irá ser, como tudo indica, alargada, e como a 2.ª Liga é constituída por 22 equipas, sugiro uma redução no número de jogos desta competição.

2. No seguimento do ponto 1, sugiro que 34 equipas (18 da 1.ª Liga e 16 da 2.ª Liga - sem equipas B) entrem em competição, em jogos a eliminar e somente com uma fase de grupos mais adiante, obedecendo ao seguinte escalonamento: 1.ª Fase: 16 da 2.ª Liga, numa eliminatória onde se apurariam 8 para a 2.ª Fase. Esta teria os 8 anteriores mais os 8 últimos da 1.ª Liga. Seriam apurados também 8 para a 3.ª Fase, que se juntariam aos 10 primeiros da 1.ª Liga. Estes 18 defrontariam-se numa eliminatória onde se apurariam 9 para a 4.ª Fase: 3 grupos de 3 equipas, com 2 jogos apenas. Apuravam-se os 3 primeiros e o melhor segundo para as meias-finais, a que se seguiria a final. Desta forma, todos os clubes jogariam menos um jogo (pelo menos).

3. Obrigatoriedade de haver entre os convocados 5 jogadores portugueses e 5 jogadores da formação, sendo que a equipa titular deveria apresentar 3 jogadores portugueses e 3 jogadores da formação. Claro está que, por exemplo, se uma equipa apresentasse 3 jogadores portugueses formados no clube no 11 titular, aquele pressuposto estaria garantido, assim como se nos 18 fossem convocados 5 portugueses da formação.

4. Ao vencedor seria dado o direito de disputar uma eliminatória de acesso à Liga Europa contra o 5.º classificado do campeonato. Se o vencedor da Taça da Liga ficasse nos 5 primeiros lugares do campeonato ou se o vencedor/vencido da Taça de Portugal não constasse dos 5 primeiros, a ronda a eliminar seria contra o 6.º do campeonato (ou 7.º se o vencedor da Taça de Portugal fosse 6.º).

Desta forma deixo o meu contributo de melhoria, esperando que esta competição possa obter outro estatuto e respeito, aproveitando também para defender alguns valores algures relegados para segundo plano.

Taça da Liga:

Comentários [3]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

1º ponto

só clubes da 1ª e 2ª liga
---------------------------------------------------2º ponto prova de 16 grupos de 3 equipas fora e casa clubes da 1ª liga cabeça de série no inicio de época ------------- apurado 1º 2º lugares só eliminado o 3º -- apuradaos 32 clubes a eliminar até atingirem 2 finalistas .............. inicio de época deixa de as equipas andarem em torneios de merda , jogam logo a a sério e vencedor com lugar na uefa finalista vencido na uefa se o vencedor já tiver direito á uefa por outra prova , assim sim seria uma prova a sério

Bom, quanto ao ponto 1, não é

Bom, quanto ao ponto 1, não é ainda liquido que haja alargamento, aliás, o Porto "abortou" mesmo essa possibilidade numa AG da Liga, e ainda bem, acrescentaria eu, sem com isso retirar a possibilidade da reintegração do Boavista, porém, se o Boavista não apresentar os tais requisitos, o alargamento não terá efeitos, o Porto avançou com recurso, e justamente por isso o alargamento não irá acontecer. Aliás, a Liga deClubes "á boleia" do Boavista, tenta cumprir uma promessa eleitoralista que já data da temporada passada, isto é, o desajustado alargamento, quando todos constatamos o estado calamitoso do nosso Futebol, a quantidade de Clubes que não cumprem com as suas obrigações básicas, pagar salários aos seus atletas. Estranho é uma Entidade com responsabilidades no nosso Futebol, revelar uma total irresponsabilidade ao promover esse alargamento, com a devida ressalva Boavista, aliás, caso o Boavista seja reintegrado, só o deveria ser na temporada 14/15, como? A I Liga na próxima temporada teria os mesmos 16 Clubes, e desceriam 3 Clubes (e não os habituais 2), para que o Boavista tivesse espaço na época seguinte na I Liga. Porém, a Liga de Clubes, na época passada, e na presente, pretendia alterar as regras do jogo, durante o Campeonato, lesando mesmo a Verdade Desportiva!

No ponto 2, sempre advoguei sorteios puros, e não manipulados. E o que tem acontecido? Porto, Benfica, Sporting e Braga, os 4 Clubes mais poderosos, em grupos diferentes, com grandes probabilidades de se cruzarem nas Meias Finais, e consequentemente nas Finais, isto é, por questões de audiencias televisivas, e por interesses comerciais dos sponsors desta prova, não há equidade (há os Grandes e os outros) nesses mesmos sorteios e agrupamentos, é evidente que lesam inevitavelmente os principios básicos de qualquer competição desportiva.

Subscrevo também o ponto 3. Neste momento e nesta competição, as Equipas tem a obrigação de jogar com 2 jogadores Portugueses, ou formados localmente, porém, na minha opinião deveriam ampliar o numero de jogadores Portugueses, uma medida justamente para defender o jogador Português, e indirectamente obrigar os Clubes Portugueses a investirem mais no produto Nacional!

Finalmente, no ponto 4, esta prova iria ganhar mais visibilidade, maior importancia no calendário Nacional, caso o seu vencedor, ou finalista vencido (como acontece na Taça de Portugal) possa aceder directamente a uma Prova Europeia!

São boas soluções, mas com alargamento

na minha opinião a melhor solução é simplesmente a taça deixar de existir, porque ela só apareceu, por causa da redução de jogos, como agora vai haver um novo aumento de jogos do campeonato, a sua razão de existir desapareceu.