Queiroz e as bruxarias | Relvado

Queiroz e as bruxarias

 

Além de Cristiano e Pedro Mendes temos Danny, que está a recuperar, mas não pode competir, Hugo Almeida, Tiago e Boa Morte. Até Bosingwa, que na última concentração conseguiu recuperar para jogar, está entre os indisponíveis no seu clube.As pergunta que deixo aos Relvas são três:- Quem destes lesionados acreditam que vai recuperar até aos playoffs?- Quem dos indisponíveis vai fazer mais falta?- Dos habituais titulares, qual é que não convinha mesmo nada que se lesionasse (não deixem nenhum bruxo ler as respostas...)?ee95104

Seleção:

Comentários [103]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Re: on.topic: alguem me prova q não existem..

É curioso que algures em 2000 ou coisa parecida, lá pras bandas de algés quando eu estudava em lx, bateram-me à porta dois gajos desses e eu com a minha compreensão e paciência da altura deixei-os entrar. 15 minutos depois eu fazia que rezava em noome da "benção à nossa casa" enquanto fazia um esforço enorme para não me partir a rir. É daqueles filmes que entraram para história, literalmente falando, da minha vida. Eu, um outro gajo que vivia comigo e 2 caramelos dos states a rezar / fazer de conta numa moradia de algés de cima.. lolllllllllll Foi a loucura!

on.topic: eu condeno Estaline, Hitler, Bush, etc.

Será que assim já tenho moral para criticar a Igreja?..

Re: Saramago, os tabus e a hipocrisia!

"É incrível como em pleno século XXI ainda se acredite num "ser" que NÃO EXISTE" E quem és tu, meu caríssimo Zefil, para vir do alto da tua sapiência definir a não existência de Deus? Quanto ao personagem Saramago, um ser completamente execrável, um gajo que no PREC só causou mal a este País, não é nada que nos surpreenda.

Re: Saramago, os tabus e a hipocrisia!

"É incrível como em pleno século XXI a igreja e a religião continuem a estar a cima de qq discussão séria que coloque em causa os dogmas e os tabus milenares desta instituição!" A igreja e as religiões não estão acima das discussões, mas há quem ache que os crentes não têm o direito a defender-se a e se pronunciar. "É incrível como em pleno século XXI ainda se acredite num "ser" que NÃO EXISTE e se siga uma doutrina que actualmente não tem qualquer fundamento e é plena de mentiras e inverdades!" E quem te disse que não existe? e que mentiras são essas, é so porque tu não tens Fé que achas que os outros não podem crer? E já agora, que tem a século XXI a ver com isso tudo? a religião existe desde sempre e é intemporal. "É incrível como nos querem obrigar a respeitar um chorrilho de falsidades que continua a perpétuar-se no tempo!" Idem aspas, e posso dizer o mesmo de quem acha que Deus não existe. Se se perpetua é porque há alguma razão para isso. "É incrível como falta coragem nesta sociedade para enfrentar a igreja!" Muito pelo contrário! Por toda a parte se diz mal da igreja e se insulta os crentes com grande à vontade, aliás é moda, em nome do "século XXI" e da modernidade. Em relação a ideologias e a outros credos é que fica tudo calado. "Será que não está tanta gente incomodada com Saramago por este simplestemente ter ousado pôr o dedo na ferida?.." Eu incomodo-me é como é que uma criatura que fala do que nã sabe e renegou o seu país continua a receber dinheiros públicos e concessões como a Casa dos Bicos. "Será que aquilo que ele disse não é a pura das verdades?.. Será que os ditos católicos que se ofenderam com o prémio Nobel ainda se lembram do que está escrito na bíblia?..." Eu sou desses "ditos católicos" e ofendi-me por alguém misturar tudo e insultar as crenças alheias para fazer publicidade. O Antigo Testamento deve ser entendido como lingugagem mito-simbólica , e quanto ao Novo Testamento, contém as mais belas págimas e ensinamentos sobre o Amor e Humanismo. "Será que esta gente se lembra do que é a formação católica (catequese, crisma, etc.) e o que é dito nas igrejas pelos padres?.." Eu lembro-me bem, por isso não percebo a pergunta. e tu, andaste na catequese? Não costumas ir à Missa, pois não? então que sabes tu do que dizem os padres? "Porque persistir o tabu de questionar a religião?.. Porquê tanta hipocrisia?.." E porquê a hipocrisia de se pregar a liberdade de expressão e de não a reconhecer a quem tem Fé? Porque é que os crentes não se podem defender de quem os insulta e exprimir a sua opinião religiosa, tão válida como qualquer outra? Os ateus, que estão sempre a falar de "fundamentalismo2, bem podia olhar para o seu fanatismo anti-religioso, que provocou milhões de mortos nos últimos cem anos. E já que falamos de hipocrisia, Que tal falar da ideologia e dos regimes de que Saramago tanto gosta, tipo URSS, e do seu papel no DN durante o PREC? aí é que se vê o seu grande "amor pela liberdade"!

Re: Saramago, os tabus e a hipocrisia!

Em primeiro lugar não aceito esse categórico "NÃO EXISTE". Nada me mostrou que existe. Nada me demonstrou que não existe. Pode ser a tua opinião que respeito mas aprende a respeitar a dos outros. Quanto à Igreja Católica, enfias tudo no mesmo saco. Se a opolência de um Vaticano me dá um certo asco e detesto o ortodoxismo dogmático dessa "instituição", fazes tábua rasa do papel que a Igreja Católica, a par de outras igrejas, desenvolve junto das comunidades, como p.ex. em angariação de fundos para determinados objectivos sociais, o apoio que dá a gente mais desfavorecida e o conforto espiritual que dá aos crentes. É de menosprezar este papel?! A mim o que me irrita sinceramente são as posições do tudo ou nada, do branco ou preto, a tua e a do catota. Um é de fdp para cima porque o Saramago tem as suas convicções, que ele não gosta, e exprime-as. E como não gosta é fdp. Nada de novo. A tua é a desancar na Igreja de cima abaixo esquecendo o papel relevante que tem na sociedade e o conforto espiritual que dá aqueles que têm "o mau gosto" de crer em "qualquer coisa superior a isto tudo" de acordo com a fé Cristã Católica. Respeitem. É engraçado como o comentário do catota vem tão de encontro ao que o Saramago diz: As religiões não servem para aproximar as pessoas nem nunca serviram. Também não é preciso ser um génio para constatar isto.

Re: Ao Zefil e ao Catota

Como são pessoas que me merecem consideração, vou aqui responder aos dois! 1 - O post do Zefil é um off-topic que serve para lançar um tema completamente fora dos propósitos deste fórum! Fá-lo, ainda por cima, de uma forma tão ou mais dogmática do que aquela que vem criticar! Apesar de não ter sido eu a dar, acho a moderação "despropositado" cheia de a propósito e muito bem aplicada. 2 - Ao Catota, com quem estou de acordo no essencial do conteúdo, acho que a forma como criticas, cheia de insultos, não é uma crítica séria e perde eficácia por isso! 3 - Importa perceber, já que o assunto vem á baila, que o que Saramago fez não é uma crítica séria e muito menos uma tentativa de abrir uma discussão, mas uma crítica tão pouco séria e tão dogmática e, pior ainda, tão insultuosa para todos os cristãos que não pode servir de base para coisa nenhuma! 4 - José Saramago, quando abre a boca para falar da sociedade, fala segundo as "verdades" do partido a que pertence. E não há nada mais retrógrado, mais conservador e mais sectário e dogmático que o Partido Comunista, agravado por um tempo em que os regimes comunistas se desfizeram no ar! 5 - É para mim claro que alguns elementos da Igreja, sempre prontos a "escandalizar-se" com qualquer coisa que seja dita ou escrita, até beneficiariam a dita Igreja se fizessem menos barulho e não fossem tão farisaicamente intervenientes! Mas também é verdade que se não falassem ninguém sabia que existiam! 6 - Desta polémica, resultará que o Saramago venderá mais alguns livros e que a Igreja vai ficar exactamente na mesma! Não vale a pena perder muito tempo com estes ruins defuntos! E muito menos chamar tantos "filhos da p." como os meus amigos Catota e Zefil fizeram!

Ó António, a questão é outra!

Não é uma questão de liberdade de expressão. A liberdade de expressão não é liberdade de achincalhar. Ele mistura textos dogmáticos e filosóficos com história! E Saramago faz isso por uma razão simples: no capítulo dos dogmas levava uma abada de qualquer padre minimamente formado! Então ele mistura para poder atacar. É como retirar frases do contexto para determinar linhas de pensamento! Era como se eu dissesse que o ministro Mário Lino quer ser francês porque utilizou a palavra "jamais" no seu discurso! E irrita-me de sobremaneira outra coisa: os católicos estão sossegadinhos no seu canto mas há sempre alguém disposto a vir provocar! Mas a Igreja mete-se com alguém ou anda por aí a atacar ideologias? Só falta começar a criticar o ecumenismo da Igreja Católica! A Igreja Católica na pessoa de muitos dos seus bispos e prelados só levantam a voz contra a guerra e contra a pobreza ao contrário de tipos como o Saramago que calam os horrores de regimes ditatoriais!

Re: Ó António, a questão é outra!

Estás a brincar? Então quando se fala de aborto, casamentos entre homossexuais, uso do preservativo e coisas do género não aparecem logo os bispos todos a dizer que nosso senhor não gosta disso? Por vontade da igreja católica ainda estávamos todos na idade média, onde as pessoas andavam tão assustadas e eram tão ignorantes que acreditavam em tudo o que lhes impingiam. Felizmente que nos países mais avançados a religião é cada vez mais uma coisa para tontinhos... por exemplo na Holanda as igrejas já são praticamente vistas como museus. O que me consola no meio a tantas críticas do Saramago é saber que há 20 anos teriam sido muito mais. E daqui a 20 anos há-de haver ainda menos gente a acreditar em deuses. À medida que o pessoal vai ficando mais instruído, deixa de precisar de amigos imaginários. Ah, e mais acima escreveste que o Saramago não tem o direito de chamar burras a um bilião de pessoas. Não é um bilião mas sim mil milhões (1.000.000.000), mas isso não é o importante. O importante é que a igreja católica faz exactamente o mesmo ao resto da população mundial (uns 5 mil milhões), e diz que quem não for baptizado e quem não seguir os seus mandamentos vai arder no inferno para toda a eternidade. Já agora, o pessoal que viveu e morreu antes do JC nascer, foi para o céu ou para o inferno? E o Hitler e Mussolini, que eram católicos, onde andam agora?

Re: Ó António, a questão é outra!

Não fazes a menor ideia do que estás a falar, pois não? Para já não são "deuses", mas Deus. e depois, muitas vezes pensou-se que a religião estaria a acabar...e ela voltou sempre; mesma na tua querida Holanda fala-se no regresso aos valores cristãos, que caso não saibas, são os que mais norteiam a civilização ocidental, à parte a herança greco-romana (que o cristianismo protegeu) e do iluminismo. Quanto à última frase, é pura tonteria: Se conhecesses alguma coisa sobre a Boa Nova não perguntarias qual o destino dessas almas. e mussulini e Hitler eram católicos onde, na tua cabecinha? O primeiro ainda andou por lá, mas limitou-se a aproveitar-se da igreja para reforçar o seu poder. Hitler queria construír o Super homem e tinha uma ideia pagã da "raça ariana", ou seja, era o oposto da universalidade do cristianismo, e contra quem o Papa publicou encíclicas e saiu de roma quando o austríaco visitou Mussolini. Não sabias disto, pois não? ainda vamos ouvir dizer que cunhal também era católico. Apre!

Re: Ó António, a questão é outra!

Vamos por partes... longe de mim dizer que a religião está a acabar, que não sou assim tão optimista, mas acredito que está progressivamente a perder importância. Há alguns séculos praticamente 100% da população portuguesa deviam ser religiosos e praticantes, hoje quantos há que ainda vão à igreja? Aliás conheço muitos ateus com pais católicos, mas não conheço nenhum católico com pais ateus. Não tenhas dúvidas que hoje a religião tem uma implantação muito menos forte em Portugal do que já teve, e daqui a 20 anos ainda terá menos. Com o passar das gerações a coisa vai ao sítio. Quanto à Holanda, andei num daqueles autocarros turísticos em Amesterdão no ano passado e o próprio guia disse (em três línguas) que há lá igrejas bonitas mas que já praticamente ninguém lá entra para rezar. Ah, e tenho mesmo de perguntar: que aconteceu afinal ao pessoal que morreu antes do JC nascer? Já para não falar do pessoal que morava longe e que não fazia a mais pequena ideia que o JC tinha nascido. Não seria mais prático, dado que deus é omnipotente, ter aparecido ao pessoal todo ao mesmo tempo? Mas não quero estar a fazer muitas perguntas, senão também tinha de te perguntar qual era a moral daquela história em que deus manda Abraão ou Isaac (nunca sei qual) matar o seu filho para provar a sua fé.

Re: Ó António, a questão é outra!

há muitas coisas que não posso responder, porque nem sou teólogo, mas mesmo que fosse são assuntos demasiado complexos para uma mente humana. O que sei é que a crucificação constitui o momento de redenção e expiação dos pecados da Humanidade, e que a partir daí, aqueles que morreram antes alcançariam a Salvação (ou não, o que não significa que fossem para um lugar de chamas e demónios, que isso sim, é demasiado ficcionado). Quanto à dimunição da religião, isso acontece ciclicamente, antes de voltar a crescer. Nos países sob jugo totalitário, como o pacto de Varsóvia, a religião voltou em força após 1989: é ver a Polónia, rússia ou Roménia, em que as igrejas antes fechadas voltaram a abrir-se e as taxas de religiosidade andam perto dos 100% (exclui-se a Rep. Checa por motivos particulares e anteriores). Há vinte anos, eram países nominalmente ateus... Quanto a Portugal, voltamos aos ciclos: Há cem anos, com a 1ª república, havia menos frequência de missas do que há hoje em dia, no Séc. XXI. O homem precisa da sua religiosidade e de valores imaterais e espitiruais, e a eles volta sempre, seja há mil anos ou no Se´c. XXI, que Malraux previa como o do regresso em força das religiões...e do ecumenismo, espero eu.

Re: Ó António, a questão é outra!

Desculpa, mas isso não faz sentido nenhum. Pelo que percebi, todo o pessoal que morreu antes da crucificação foi para o céu. Podem ter cometido as maiores monstruosidades imagináveis, com todos os requintes de crueldade possíveis, que mesmo assim foram salvos. Já o pessoal que nasceu depois da crucificação mas em partes distantes do mundo, e que por isso nunca morreu sem sequer ter ouvido falar do JC, não é salvo. Isto tem alguma lógica? Pois, já sei, a religião não precisa de ter lógica, aliás nem convém que o pessoal pense muito em todas estas incongruências. Quanto a isso dos ciclos, não concordo. Os meus avós e bisavós eram católicos praticantes, mas os meus pais e eu e os meus irmãos somos 100% ateus. Achas que os meus filhos ou os meus netos vão voltar a ser católicos? Hoje em dia mesmo que o pessoal não leia vê sempre televisão e anda na internet, por isso sabe que o mundo é bem mais vasto do que a igreja católica nos gostaria de fazer crer. É que se os católicos estão certos, então há milhares de milhões de pessoas em todo o mundo que estão a desperdiçar as suas vidas a adorar o deus ou os deus (acho que os hindus têm vários) errado. Deste modo admito perfeitamente que em países onde a religião esteve proibida haja um surto de religiosidade quando as pessoas passam a ter mais liberdade, mas também aí quero acreditar que a coisa acabará por ir ao sítio. É como eu digo, na geração dos meus avós era tudo religioso, na dos meus pais nem por isso, e na minha ainda menos. E hoje em dia estou convencido que se um puto na escola diz que acredita em deus e que reza todas as noites, os outros ficam a olhar para ele e perguntam-lhe se está a falar a sério. O comum para os putos já é NÃO se acreditar em deus. Quanto à dimunição da religião, isso acontece ciclicamente, antes de voltar a crescer. Nos países sob jugo totalitário, como o pacto de Varsóvia, a religião voltou em força após 1989: é ver a Polónia, rússia ou Roménia, em que as igrejas antes fechadas voltaram a abrir-se e as taxas de religiosidade andam perto dos 100% (exclui-se a Rep. Checa por motivos particulares e anteriores). Há vinte anos, eram países nominalmente ateus... Quanto a Portugal, voltamos aos ciclos: Há cem anos, com a 1ª república, havia menos frequência de missas do que há hoje em dia, no Séc. XXI. O homem precisa da sua religiosidade e de valores imaterais e espitiruais, e a eles volta sempre, seja há mil anos ou no Se´c. XXI, que Malraux previa como o do regresso em força das religiões...e do ecumenismo, espero eu.

Errata

Desculpa, mas isso não faz sentido nenhum. Pelo que percebi, todo o pessoal que morreu antes da crucificação foi para o céu. Podem ter cometido as maiores monstruosidades imagináveis, com todos os requintes de crueldade possíveis, que mesmo assim foram salvos. Já o pessoal que nasceu depois da crucificação mas em partes distantes do mundo, e que por isso morreu sem sequer ter ouvido falar do JC, não é salvo. Isto tem alguma lógica? Pois, já sei, a religião não precisa de ter lógica, aliás nem convém que o pessoal pense muito em todas estas incongruências. Quanto a isso dos ciclos, não concordo. Os meus avós e bisavós eram católicos praticantes, mas os meus pais e eu e os meus irmãos somos 100% ateus. Achas que os meus filhos ou os meus netos vão voltar a ser católicos? Hoje em dia mesmo que o pessoal não leia vê sempre televisão e anda na internet, por isso sabe que o mundo é bem mais vasto do que a igreja católica nos gostaria de fazer crer. É que se os católicos estão certos, então há milhares de milhões de pessoas em todo o mundo que estão a desperdiçar as suas vidas a adorar o deus ou os deus (acho que os hindus têm vários) errado. Deste modo admito perfeitamente que em países onde a religião esteve proibida haja um surto de religiosidade quando as pessoas passam a ter mais liberdade, mas também aí quero acreditar que a coisa acabará por ir ao sítio. É como eu digo, na geração dos meus avós era tudo religioso, na dos meus pais nem por isso, e na minha ainda menos. E hoje em dia estou convencido que se um puto na escola diz que acredita em deus e que reza todas as noites, os outros ficam a olhar para ele e perguntam-lhe se está a falar a sério. O comum para os putos já é NÃO se acreditar em deus.

Re: Ó António, a questão é outra!

Não faz sentido? Quem nunca teve acesso à palavra de Cristo não pode ser culpado de não o seguir; basta que tenha uma vida que siga os seus propósitos, e daí que se tenha dado tanto ênfase à evangelização na época dos descobrimentos. Quanto aoa ciclos, acredita que vai voltar em força. E se uma geração é descrente, não significa que a seguinte não o seja: o meu bisvô era laico, as gerações que se seguiram eram católicas. Não faltam aí, e eu conheço, pessoas que se baptizaram sem que os país lhes tivessem dado qualquer educação religiosa. Quando as pessoas se cansarem do materialismo excessivo e se voltarem para os valores basilares da civilização, perceberão isso.

Re: Ó António, a questão é outra!

Não faz sentido? Quem nunca teve acesso à palavra de Cristo não pode ser culpado de não o seguir; basta que tenha uma vida que siga os seus propósitos Mas como é que hão-de seguir os seus propósitos se nunca sequer ouviram falar dele? Por exemplo, ainda hoje deve haver pessoal em recantos esquecidos do mundo que nunca ouviu falar de catolicismo ou de Jesus Cristo, e que nunca teve ninguém a dizer-lhe o que está certo ou errado. Não devia deus mandar alguém para falar com eles? e daí que se tenha dado tanto ênfase à evangelização na época dos descobrimentos. Sempre achei que era mais uma forma de controlar os nativos. Quanto aoa ciclos, acredita que vai voltar em força. E se uma geração é descrente, não significa que a seguinte não o seja: o meu bisvô era laico, as gerações que se seguiram eram católicas. Não faltam aí, e eu conheço, pessoas que se baptizaram sem que os país lhes tivessem dado qualquer educação religiosa. Não concordo contigo. O teu bisavô podia ser laico, mas se calhar a tua bisavó não era, bem como as respectivas famílias e amigos. Nessa altura ser laico era uma coisa estranha, sobretudo nas aldeias. Mas concordarás comigo que actualmente há muitíssimo mais casos de filhos ateus com pais católicos do que o contrário. E então se fizermos a coisa com avós e netos nota-se ainda uma diferença maior. Quando as pessoas se cansarem do materialismo excessivo e se voltarem para os valores basilares da civilização, perceberão isso. Já cá não estaremos para ver, mas tenho sérias dúvidas.

Re: Ó António, a questão é outra!

O meu bisvavê era laico numa altura em que isso estava na moda, e vivia na cidade (Porto). Sobre as pessoas que não conhcem a palavra de Deus, a resposta está mais uma vez na evangelização universal, em especial nas obras dos jesuítas, que estabeleceram missões, escolas e aldeias nos vários continentes, andaram pelo Brasil (como o padre António Vieira)e que foram dos primeiros ocidentais a chegar ao tibete e ao Japão. Podes ver isso no filme A Missão. Martin Scorcese também está a preparar filmes sobre essa temática. Quanto ao resto são opiniões, e julgo que não sairíamos muito daqui.

II

Não tenho a tua visão, a minha lógica não me permite ser crente, pelo menos nos moldes em que põem a questão neste pequeno debate. Numa outra envolvência e abordagem ao assunto de Deus, admito-o, não como Ser, mas como a Natureza. Deus é a Natureza. Um corpo Vivo que existe num infinito Universo que nos esmaga de noite, quando olhamos para o céu e que faz deste vasto Nada (que é um Tudo), um mega-organismo Vivo, pulsante, harmonioso. No entanto, tenho que te dar os parabéns por defenderes o teu ponto de vista com trabalho de casa/pesquisa feito. Nota-se que é algo que te desperta interesse e que aperfeiçoas, a questão da crença, ao longo das oportunidades que tens de pesquisar, estudar e debater com os outros. Mas não partilho da tua opinião. Cais num erro: justificas ou procuras justificar a existência Dele em estórias, História e escritos feitos pelo Homem.

III

Aconselho-te a leitura de "A fórmula de Deus", de José Rodrigues dos Santos. Uma outra perspectiva. http://1.bp.blogspot.com/_2LCNrFVsxQo/SpgBmkkwXQI/AAAAAAAAFN8/CoFr9SKuBrk/s320/28082009_032-766867.jpg

Re: III

Ok, obrigado pela sugestão.

Re: Saramago, os tabus e a hipocrisia!

A mim o que o Saramago escreveu não admira nada, como comunista que é, naturalmente que o seu trabalho assenta numa propaganda anticlerical, com o objectivo de dividir e desintegrar a religião católica.

Re: Saramago, os tabus e a hipocrisia!

Qual Saramago ,o espanhol?! Ele que se foda!!!

Re: Saramago, os tabus e a hipocrisia!

Desintegrar a Igreja Católica?! lol Estás a dar um valor ao Saramago que nem ele julga ter. A Igreja Católica ou qualquer religião nunca será desintegrada enquanto houver crentes e eles continuarão a existir porque a maioria da humanidade precisa de uma explicação para andarem aqui. Essa teoria do comunismo era válida sim mas antes de 1988, em que mundo vives hoje?! Por vezes penso que vêm aqui parar pessoas de um mundo que já não existe, parecem zombies a falar de um passado que não volta e que já nem existe. As teorias do marxismo leninismo aplicadas à URSS e à China já deram o que deram e não existem mais se bem que na China ainda se persigam os crentes. A religião deve ser questionada mas em liberdade, não está acima de ninguém e se é tão inquestionável porque se preocupam?

Re: Saramago, os tabus e a hipocrisia!

É pá, ainda não tinha lido este manifesto anti-clerical do Zéfil e nem sabia que o Catota era o sacristão lá da terra. Mas é giro o contraste de opiniões de fanáticos religiosos e dos ateus radicais que ultrapassa claramente a clubite desportiva de cada um. A comédia! :) Eu por mim, só sou defensor da bíblia e do Avante no dia em que forem folha tripla e almofadada. Entretanto vou-me alimentando bem e bebendo umas pingas bem melhores do que aquelas que os analfabetos dos padrecos lá paróquia bebem do corpo de deus.

Re: Saramago, os tabus e a hipocrisia!

Meu caro Zefil, sinceramente um gajo que renunciou à sua nacionalidade, chamou de burras milhões de pessoas...e que para mais alguém lhe disse que sabia escrever (e ele ainda acreditou)...tem tanta legitimidade para afirmar algo desse género quanto uma bilha de gás. Para comunas de braço no ar...e que acham que tudo está mal se não for ao encontro da sua deturpada visão da sociedade...já nos chegou o Estaline. Tenho que respeitar um prémio Nobel da Literatura (apesar de achar que foi mal entregue)...mas não sou obrigado a aceitar tudo o que vem daquela mente. Esta é uma delas!

Re: Saramago, os tabus e a hipocrisia!

O Saramago, tal como muitos outros artistas Portugueses, teve de deixar Portugal para se distinguir de alguma forma, porque em Portugal só sobrevivem cantores pimba e actores de telenovelas. Também podes perguntar à Maria João Pires porque é que foi para o Brasil... A verdade é que ele nunca deixou por essa razão de escrever sobre Portugal, como o fez bem recentemente. Gostar ou não da literatura do dito é completamente irrelevante e nem percebo o que tem a ver para o caso, a verdade é que o livro que escreveu "Ensaio sobre a cegueira" é aclamado em todo mundo como uma excelente obra. Doi um bocado ver uma pessoa como Saramago, um escritor de uma excelente craveira ser insultado por "dogmáticos", estes sim no meu entender os ignorantes, visto que nem são autorizados a questionar, a indagar, como tal não obterão respostas pelos seus próprios méritos, mas pelo que os pastores(este termo mais que apropriado) lhes dizem que é verdade. Quanto ao "comunas", mais uma vez apesar da Igreja se ter sempre tentado imiscuir na politica, não consigo perceber as opiniões políticas com esta opinião religiosa. No entanto posso desde já referir que na minha opinião apesar de encontrar lacunas graves no Comunismo, o Capitalismo em que vivemos é bem pior. São dois modelos falhados que devem ser substituidos, mas que ninguém pode sequer ousar questionar, o Capitalismo entenda-se, porque na mentalidade dogmática de muitos quem questiona o Capitalismo, é Comunista e como os Comunistas comiam criancinhas ao pequeno almoço, vou concerteza parar ao Inferno...Inferno este no qual não acredito, no entanto se estiver enganado, não estarei muito mal, visto que se o arcanjo Lucifer gosta de castigar quem se porta mal, no meu entender só pode ser um gajo porreiro e com principios... Como última achega, ainda está para surgir o modelo político que vá de encontro aquilo em que acredito e tardará a surgir, porque o Dólar/Euro/Libra São Rei, Principe e Condessa e ameaçam reinar durante muitos anos, isto é, até à queda inevitável do Capitalismo... Podes não aceitar a opinião, mas tens o dever de não insultar o homem, só porque defende uma posição oposta à Igreja.

Re: Saramago, os tabus e a hipocrisia!

Epá, insultar?! Peço desculpa, mas não insultei ninguém. E se as minhas palavras foram percebidas nesse sentido, que fique aqui esclarecido que não era essa a minha intenção. De qualquer das formas, e tentanto responder ao que apontaste, não reconheço crédito na escrita do senhor, nem tampouco nas estórias que já nos legou. O Ensaio sobre a Cegueira escapará eventualmente da monotonia que é o Memorial do Convento, ou o manifesto político-intelectual em que consiste o Evangelho segundo Jesus Cristo. Depois, não lhe reconheço qualquer tipo de brilhantismo em termos do dom da palavra propriamente dito. Passei 15 anos da minha vida a estudar para conseguir honrar a língua que é o português (cometo as minhas gralhas, como qualquer outro), plasmando-o numa escrita escorreita e, acima de tudo, compreensível. Dizer que José Saramago sabe escrever é um insulto para com homens e mulheres como Júlio Diniz, Eça de Queirós, Antero de Quental, Vergílio Ferreira, Miguel Torga, António Lobo Antunes, Sofia de Mello Breyner, Florbela Espanca...entre muitos outros que poderia apontar. Como é óbvio, o que acabei de enunciar é uma opinião pessoal e será certamente refutado pelas razões que melhor aprouverem. De seguida, recuso-me a creditar a mente de um homem que, para todos os efeitos, acha viável seguir uma doutrina partidária que, para todos os efeitos, nunca foi devidamente percebida, nem tampouco bem implantada. Os dois eixos paradoxais que indicaste - Capitalismo/Comunismo - sempre estiveram sujeitos a cedências de parte a parte, e tentaram recair em extremismos. José Saramago é um fiel seguidor de um comunismo extremista, ao ponto de numa entrevista nos anos 90 ter citado o Manifesto de Marx e Engels de forma completamente deturpada. (não me peças links. A única coisa que eu me recordo é que passou na RTP2). Por fim, denominar a Bíblia de um "manual de maus costumes" é uma acção de facciocismo, pois maus costumes acompanharam a nossa sociedade desde que o homem é homem, e as primeiras obras que poderão eventualmente ser denominadas como tal até sairam da mente e da pena de escritores. Atacar livremente um livro que é sinónimo de fé (e apesar de não me considerar uma pessoa religiosa, sou uma pessoa de fé) e que tanta esperança traz a tantas pessoas, sem qualquer tipo de visão auto-crítica ou fundamentação é, perdoem-e, burrice!! Antes de cantar aos 4 ventos que é anti-religião (o que não faz dele necessariamente um homem laico) tente perceber qual é o verdadeiro papel de um escritor. Faça a devida introspecção daquilo que também foi a sua classe profissional e releia as obras, por exemplo, de Bocage. Depois passe para Baudelaire (por acaso, dois escritores que aprecio particularmente) e venha dizer-me onde é que param os maus costumes. E sim, confirmo...se há gajo que acho ser sobrevalorizado na cultura portuguesa é José Saramago. Meu rico Alexandre Herculano...tanta volta que o homem deve de dar naquela sepultura...

Re: Saramago, os tabus e a hipocrisia!

"Podes não aceitar a opinião, mas tens o dever de não insultar o homem, só porque defende uma posição oposta à Igreja." Aqui refiro-me mais de uma forma geral...estava a enquadrar a resposta da Igreja com a opinião dos "opositores" a Saramago. No valor do dito, só posso dizer que é como tudo na vida...na minha opinião a pintura e escultura tiveram o seu pináculo no Renascimento, mais porque é um período que aprecio, no entanto a arte plástica contemporânea tem qualidade embora não seja a minha preferência. Compreendo o que queres dizer, no entanto de nos agarrarmos demasiado à regras, deixa de ser arte, para passar a ser meramente um produto. O objectivo da arte é exultar e/ou transmitir sentimentos e/ou emoções e a forma desde que perceptível(aqui mais na escrita), deixa de ser tão relevante, desde que a ideia seja passada. Uma caixa muito bonita, mas sem nada lá dentro, perde sempre para a pérola embrulhada num papel sujo. :) O problema é as pessoas depositarem demasiada fé num livro e não tanto na mensagem que deveria ser passada... A bíblia deve ser encarada apenas e só como um livro de contos e não deve ser objecto de fé, a fé deve existir em valores. Histórias da bíblia há muitas e todas escritas por homens e alteradas por outros homens... Cumps. ;)

Liberdade de Expressão.

Ja ouviste falar?

Re: Liberdade de Expressão.

Já! Daí ter dito que o respeito enquanto Nobel da Literatura...mas não sou obrigado a concordar com ele em termos de considerações pseudo-intelectuais! Cumprimentos.

Re: Liberdade de Expressão.

Podes não concordar com ele é o teu direito. Eu também não concordo com muitas das ideias de Saramago mas ele tem o direito de exprimir-se! A isso chama-se democracia caro amigo. Não concordo quando dizes que ele desrespeita a religião católica. Ele da a sua opinião e se é uma opinião favorável a essa religião não quer dizer que é uma falta de respeito. Eu sou contra portista mas sou contra certas ideias e acções da direcção portista ... e não é por isso que estou a desrespeitar o meu clube! Essa maneira de pensar é digna de um estado fascista que obriga todos a pensar da mesma maneira e quem pensar de maneira diferente será categorizado como perigo. Este argumento também faz lembrar-me os extremistas muçulmanos que dizem que não podem ser alvos de caricaturas que isso é uma falta de respeito ... não é apenas liberdade de expressão. A religião católica tem tudo a ganhar em ser mais aberta, aceitar as criticas. Afinal não é a Bíblia que nos ensina a ser tolerantes?