7 Anos depois da "Tragédia Grega" como vai Portugal? | Relvado

7 Anos depois da "Tragédia Grega" como vai Portugal?

Portugal tem capacidade para dar o salto necessário para crescer?
 
Grécia conquistou Euro 2004

4 de Julho de 2004, um dia que nós portugueses queremos esquecer. O dia em que, como um jornalista disse, Portugal acordou em euforia e adormeceu a chorar. Este foi o dia em que o país parou para ver a nossa seleção jogar uma final de uma grande competição, em casa e com todo o favoritismo para vencer essa final frente a Grécia, contudo a seleção helénica voltou a surpreender, como no jogo de abertura do Euro 2004 no Dragão, e levou outra vez de vencida a seleção portuguesa e conquistou o seu único europeu em Futebol.

Sete anos depois desse trágico dia, o nível do nosso futebol não apresenta muitas diferenças em relação a 2004. A nível dos clubes, Portugal tem-se destacado por ter tido sempre equipas nas fases a eliminar das competições europeias, até 2010 Portugal já teve uma equipa na final da Taça UEFA (Sporting); por cinco ocasiões equipas portuguesas nos quartos de final das competições europeias (Benfica e FC Porto em 2006 e 2009 respetivamente na Liga dos Campeões; Benfica em 2007 e 2010 e Sporting em 2008) e por duas vezes os três grandes estiveram na fase de grupos da liga dos campeões (2006/07 - 2007/08) e em 2009 FC Porto e Sporting passaram para os oitavos de final da Liga dos Campeões.

Contudo, o momento alto do futebol português a nível de clubes aconteceu este ano, onde pela primeira vez tivemos três equipas portuguesas numa meia-final de uma competição europeia, neste caso Liga Europa, e em Dublin assistiu-se a uma final portuguesa. Como consequência, Portugal esta época alcançou o 1º lugar no ranking da UEFA.

Ao nível da seleção, Portugal tem tido durante estes 7 anos uma performance irregular. O pico mais alto durante este período aconteceu no Mundial 2006 na Alemanha, em que alcançámos as meias-finais e ficamos em 4º lugar no Mundial. Mas a partir de 2006 o desempenho da nossa seleção tem diminuído tendo, ainda na era Scolari, tido dificuldades em se apurar para o Euro 2008. Neste Europeu o desempenho dos jogadores nos últimos jogos (contra a Suíça e Alemanha nos quartos-de-final) ficaram aquém das expectativas.

Após o Euro 2008 e a saída de Luís Filipe Scolari para o Chelsea, Carlos Queiroz assumiu o controlo da seleção nacional. O seu regresso ao comando da seleção portuguesa voltou a correr mal e Portugal necessitou de ir ao play-off para garantir o apuramento para o Mundial 2010 na África do Sul. Se as coisas antes do Mundial já não estavam bem, durante e depois deste ficaram piores que péssimas. Embora Portugal tenha alcançado os oitavos de final e sido eliminado pela Espanha, futura campeã do Mundo, este Mundial ficou marcado por polémicas (caso do Nani e o controlo anti-doping) e por comentários infelizes e desnecessários de jogadores e dirigentes. Como consequência destes factos abriram-se inquéritos e nasceram guerras entre Carlos Queiroz e jogadores/dirigentes que teve como resultado final o despedimento de Carlos Queiroz.

A seleção começou a fase de apuramento para o Euro 2012 em "piloto automático" e teve como resultado um empate em casa frente ao Chipre e uma derrota. Em Setembro de 2010 é anunciado o novo treinador de Portugal, Paulo Bento. Desde de que este assumiu o controlo da seleção Portugal venceu os três jogos oficiais para a fase de apuramento do Euro 2012 e subiu a liderança do grupo H.

Assim a questão que se coloca é: Portugal para o ano tem capacidade para dar o salto necessário para crescer?

Seleção:

Comentários [10]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Ó user Marselhês, isso já é passado e enterrado, no presente

pôe-te a pau lá por Marselha..., já são uns dez jogadores que foram roubados e alguns ainda levaram no lombo umas bordoaditas, ou não fossem os Marselheses mais uns descendentes de piratas, terra malvada, só Máfia!

Agora quanto ao futuro, não se me apresentam expectativas muito risonhas, não dá mesmo para TRETALOLAR, pelo que alguns pacóvios cá no condado portucalense tem deixado fazer ao nosso futebol, carradas/contentores de jogadores (alguns a maioria, pior que os nacionais, mas...), assim o quiseram assim o fazem, não tarda estamos no limbo, no que diz respeito às Selecções Nacionais de todos os escalões!!!

eu não sou de Marselha, nem

eu não sou de Marselha, nem nunca fui a Marselha apenas sou simpatizante do Olympique de Marselha mas pelo que sei da cidade de Marselha, concordo contigo é uma cidade muito problemática

"a selecção helénica voltou a surpreender"

Só houve uma pessoa que ficou surpreendida pela maneira de jogar da Grécia na final... não digo nomes, mas começa em S e acaba em I. E no meio tem o verbo colar.

tragedia são os elefantes brancos..

..causados pela construção de alguns estádios, em particular o de aveiro e leiria.

Por mim a solução era colocá-los em leilão e se ninguém os quisesse, era demoli-los e vender os terrenos.

Qt à selecção vai andando e fazendo o seu caminho. Apesar das críticas consegue estar melhor que a pseudo-geração de ouro da década 90.

Comparativamente a 2004 e 2006, é dificil de voltar a alcançar sucesso identico, enquanto não voltarmos a ter um núcleo duro de portugueses de alto nivel a jogar na mesma equipa, como acontecia com Deco, Costinha, Maniche, P.Ferreira, Nuno Valente e R.Carvalho, a que se juntavam outros talentos.

Aquilo que já foi dito tb no post anterior pelo LG tb não ajuda a antever um futuro de excelência a curto prazo.

Já os clubes penso que vão bastante bem, tendo em conta a dimensão do nosso campeonato.

Eu sei que é parcialidade,

Eu sei que é parcialidade, mas o grande trunfo da selecção entre 2004 e 2008, foi ter a possibilidade de contar com Deco...

Como é que tu consegues dar

Como é que tu consegues dar pontos positivos? A mim só me permite dar negativos. Não entendo.
E já que se fala em tragédia Grega, aqui fica um documentário disponível on-line que passou no outro dia na SIC NOTÍCIAS a respeito da divída Grega:
http://www.archive.org/details/Dividocraciadebtocracy-LegendasPortugues-br

Eu consigo dar pontos, porque

Eu consigo dar pontos, porque me aparece uma mão à-la-facebook para dar pontos. Nunca dei penalidades, dou um gajo muito positivo.

A mim não aparece senão para

A mim não aparece senão para dar negativos. Não entendo.
Hei-de ler.

Vêm tempos de "fome" para a selecção

Não no curto prazo, mas no médio-longo, principalmente se não se alterar a regulamentação que actualmente permite a invasão de estrangeiros.

Quanto aos clubes, andaremos sempre nesta bitola, entre o 5.º e o 10.º lugar, muito fazemos com os recursos que temos. Seria importante continuar a haver um quarto clube a fazer bons resultados na Europa, tivemos durante muitos anos o Boavista, agora anda por lá o Braga.

Quanto à selecção, o panorama será mais negro. E a FPF é simultaneamente vilã e vítima.

Vítima porque, reconheçamos, o grande trabalho é feito pelos clubes, os seleccionadores nacionais pouco podem fazer para além de aproveitar o trabalho dos seus colegas de clube. Curiosamente, o Queirós foi um grande inovador neste aspecto, porque, no seu primeiro período na FPF, criou estágios muito longos, e esse trabalho serviu, e muito, para construir as bases das equipas campeãs em 89 e 91.

Vilã porque é também a FPF que abriu completamente as portas à invasão dos estrangeiros. Se nada pode fazer em relação aos cidadãos da UE ou dos muitos países com quem a UE tem acordos de circulação de trabalhadores, a verdade é que a FPF, no que pode fazer, se pôs do lado dos estrangeiros.

Só assim se justifica não haver actualmente qualquer limite a estrangeiros nas camadas jovens.
Só assim se justifica a "fraude" perpetrada pela Liga, que desvirtuou a regra UEFEIRA do jogador formado localmente para que uma equipa da primeira divisão possa ter, se quiser, 27 (até 42, num total de 50) jogadores estrangeiros sem qualquer ligação ao clube no ano anterior.

Posto isto, e como os resultados das camadas jovens dos últimos anos vêm mostrando, os próximos anos serão bem mais fracos. Afinal, e com duas excepções (campeonato europeu de sub16 em 2000 e campeonato europeu de sub17 em 2003), desde 95 que Portugal pouco consegue em termos de resultados relevantes em camadas jovens.

E esse decréscimo de qualidade vai sentir-se na selecção principal, mais cedo ou mais tarde. Assim como as gerações jovens vencedoras de 80 e 90 deram origem a selecções vencedoras nas décadas de 90 e 00, também as gerações "perdedoras" dos anos 90 e 00 darão origem a selecções AA mais fracas na próxima década. É inevitável.

Por isso a pergunta não deve ser se Portugal tem capacidade de crescer para o ano. É PARA A PRÓXIMA DÉCADA

+1

.