21 de Maio de 2003: lembram-se desta data inesquecível? | Relvado

21 de Maio de 2003: lembram-se desta data inesquecível?

 

AMO-TE PORTO!SuperDragaoDeLisboa

FC Porto:

Comentários [62]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

So não gosto é do cabeçudo do Mourinho...

Estou agradecido pelo que fez,mas prefiro o Jesualdo...Curiosidade...A equipa do FC Porto que conquistou a Europa era mais baixa...Ricardo Carvalho/Rolando,Bruno Alves -Maniche,Deco/Lucho,Raul Meireles,Derlei,etc...E nota-se que alguma da magia do meio campo do Porto se foi com esses jogadores...

Há algo que me escapa e não é de agora...

Os portistas falam com mais emoção da conquista da Uefa do que da Champions no ano seguinte. Já tinha reparado nisso há algum tempo! Sei bem que a Uefa foi o regresso às conquistas europeias, mas porra, uma Champions é o troféu máximo do futebol mundial (aquela merda a que chamam Campeonato Mundial de Clubes é zero ao pé da taça do velho continente). Será que a forma como Mourinho abordou as conquistas influenciou, indirectamente, as memórias guardadas por vós após essas duas conquistas?

Re: Há algo que me escapa e não é de agora...

Claro que a Champions é muito mais importante mas a verdade é que aquele jogo de Sevilha, pelo dramatismo, pelo ambiente inacreditável que vivemos em Sevilha, pela emoção que o jogo teve ainda por cima disputado sob um calor infernal, tornou-se verdadeiramente mítico e deu um brilho enorme áquela vitória! A vitória na Champions, e que saborosa foi, era de alguma forma esperada! Depois do tremendo empate em Old Trafford e da vitória arrancada a ferros na Corunha, para nós, adeptos do Porto que fomos a Gelsenkirchen, era a etapa de consagração! Podia lá o Monaco comparar-se com o FC Porto? Até nas bancadas o nosso domínio era evidente!

Re: Há algo que me escapa e não é de agora...

o "algo que te escapa", é um sentimento que não compreendes, não sabes, não conheces.

Re: Há algo que me escapa e não é de agora...

A resposta é muito simples; A final de Sevilha foi sofrida enquanto a vitória de Gelsenkirchen começou a desenhar-se cedo e a partir do 2-0 deixou de haver pressão. A questão Mourinho que levantas é "intelectualoide" e não faz o mínimo sentido e provo-te; Eu estive em Gelsenkirchen. Julgas que eu lá reparei que o Mourinho pouco ou nada comemorou? Eu queria lá saber do Mourinho ou de outra pessoa qualquer, a festa foi feita na bancada e com os olhos nos jogadores. Só soube do assunto no dia seguinte pelos jornais. A questão das Taças Intercontinentais nem devias tocar nela porque o que existe é ressabiamento. Vai à biblioteca e consulta os jornais da época em que o Benfica as disputou e diz-me depois se eram assim tão pouco importantes...

Re: Há algo que me escapa e não é de agora...

Eu vou escrever dando a minha opinião pessoal. É óbvio que em termos de prestígio e importância, a Liga dos Campeões bate aos pontos a Taça Uefa. E tenho obviamente mais orgulho em ter no palmarés do clube a taça da Liga dos Campeões, mas aquela final da taça Uefa é algo de mítico. Primeiro, porque foi o nosso regresso às vitórias internacionais. Depois porque ninguém nos seus melhores sonhos acreditava que o Porto pudesse ganhar a competição. E depois aquela final será para sempre recordada entre todos os portistas. A atmosfera do jogo entre escoceses e portugueses. O clima tórrido daquele dia numa cidade fantástica. A final emocionante imprópria para cardíacos. Para mim, será sempre aquele jogo que recordarei com muito carinho durante toda a minha vida. Na Champions, passado o adversário Man Utd, creio que entre os adeptos portistas todos acreditavam que iríamos ganhar a competição. Tinhamos uma equipa quase imbatível, e na final eramos claramente favoritos, final a qual não teve muita emoção. E também o factor surpresa não foi tão elevado como na taça Uefa. Concluindo, claramente a vitória na Liga dos Campeões foi um acontecimento único, mas aquela final de Sevilha é algo verdadeiramente inesquecível.

Re: Há algo que me escapa e não é de agora...

Só li o teu comentário depois de escrever o meu e reparo que foste mais um verdadeiramente tocado pelas sevilhanas de 2003! Parabéns! É algo que nunca vai desaparecer de dentro de mim, e penso que de todos os que viveram aquele jogo em Sevilha! Abraço!

Re: Há algo que me escapa e não é de agora...

Subscrevo inteiramente =)!!!!!

Re: Há algo que me escapa e não é de agora...

Mourinho??? Mas será que o nosso sentimento é de alguma forma condicionado pelo que Mourinho fez ou deixou de fazer após as conquistas de Sevilha e Gelsenkirchen?.. O futebol é feito de emoções e não há qq comparação entre a alegria & sofrimento vivido pelos portistas na final de Sevilha naquela que é considerada pela Uefa como umas das melhores finais de toda a história, com a tranquilidade com defrontamos e derrotamos o Monaco no ano seguinte. Não trocaria de forma alguma a champions de 2004 pela uefa de 2003 mas como final propriamente dita os 3 - 2 frente ao Celtic foram absolutamente fantásticos. Aliás a nossa "final" de 2004 foi realizada em Old Trafford onde protagonizamos o momento mais emocionante e inesquecível dos últimos 20 anos do futebol!

Foi uma directa a festejar

Tal como um ano depois.

Mosquitos por cordas

... foi como me senti em certas, ou antes, quase todas as partes do jogo! E os mosquitos reais também não faltaram, pois eram centenas de milhares os que ululavam em volta dos poderosos holofotes do estádio, naquele final de tarde/noite na isla de la Cartuxa, em Sevilha, num dos muitos retratos que para sempre guardarei daquele que será, muito certamente, o melhor jogo a que jamais assisti e assistirei! Tive o privilégio de poder realizar um óptimo estágio antes do jogo, tendo ido para Andaluzia, mais precisamente para Cadiz, três dias antes do mesmo. O meu crescer de expectativas foi, dessa forma, mais intenso, dado que as crescentes conversas que ia tendo com espanhóis e irlandeses (escoceses, pouco estranhamente, quase nenhuns) e os picanços que educadamente trocávamos, numa cidade literalmente engolida por uma mancha verde de adeptos do Celtic (eram cerca de 80.000, quase todos sem bilhetes), levou-me a sentir uma espécie de... epifania! Sim, pois todos nós, portistas sentíamos que aquela equipa era especial, que praticava um futebol magistral, rectilíneo, inebriante e que a reviravolta que Mourinho profetizara na eliminatória contra o Panathinaikos era um sinal inequívoco que algo de milagroso se aproximava! A devolução da marca FCP à alta-roda do futebol europeu. Sentia que a equipa era à prova de tudo e todos, e que o Celtic seria apenas um actor secundário e desconhecido num filme inteiramente dedicado à nossa equipa! Contudo, aquela manifestação de fé e crença positiva dos seus adeptos acabou por ser a alavanca à qual o clube de Glasgow se apoiou para se manter vivo durante aquela inesquecível partida. Isso e as várias lesões de ultima hora que dizimaram o onze portista! Assim de repente, lembro-me do Hélder Postiga, castigado, do Jankauskas, lesionado antes do jogo e do Costinha e Jorge Costa, lesionados durante a própria partida! Durante o jogo, tive que gramar com (mais um!) adepto do Celtic sentado ao meu lado! Ainda fui tendo uma conversa mais ou menos desinteressada com ele e, ao intervalo, eu era só sorrisos e paleio sobre o Deco e o Derlei, e os mágicos que eram....... Amargos me souberam esses comentários quando, no início da 2.ª parte eles empataram e, o animal que em mim reside, se soltou! Não voltei a falar mais e tudo em mim era taquicardias e convulsões permanentes! O jogo foi intoxicante, por vezes impossível de ver, pois cada ataque deles era uma adaga que me trespassava, e cada ataque nosso um incontrolado cavalgar do coração! O intervalo para prolongamento já nem me lembro, fui aos lavados, se calhar não... Só sei que já estava (aterrorizado) a pensar nos pénaltis que se seguiriam quando, a meio da sua segunda metade, de repente, e ainda não sabendo como é que aquele remate passou o guarda-redes e o defesa na linha de baliza GGGGGGGGGOOOOOOOOOOOLLLLLLLLLLLLLLLLLLLOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! DERLEY, MANICHE, MARCO FERREIRA, quem marcou?! não interessa, só sei que fui parar 20 filas acima, mesmo no fecho da bancada com a pala, e, olhos nos olhos, gritei e abracei-me a um tipo que nunca antes tinha visto, abraço completado por mais dois ou três pares de braços que, muito seguramente, nunca antes se tinham encontrado... Foi lindo, e quando a descarga de adrenalina passou, sentei-me e chorei! Não sou, nem nunca fui, pessoa de chorar, mas não evitei derramar duas ou três lágrimas, as mesmas que outros não terão evitado derramar quando prostrados perante autênticos milagres! Fiquei quase mais uma hora dentro do estádio, a gritar, a cantar, alguém da organização do jogo teve a feliz ideia de colocar o CD dos Super a tocar e foi o combustível suficiente para alimentar a festa! Termino dizendo que não fui à festa na Alemanha um ano mais tarde por estar nos Açores a trabalhar, mas pelos relatos que ouvi e opiniões de amigos que recolhi, as sevilhanas de 22 de Maio de 2003 não se repetiram, longe disso... E o coração da nação azul e branca agradeceu!!!

Re: Mosquitos por cordas

Tenho estado a ler os comentários, em blogs e fóruns, de Portistas que se deslocaram a Sevilha e presenciaram o jogo ao vivo. Todos se unem num ponto: na emoção brutal que aquele jogo foi para os nossos sentidos. A ansiedade, a expectativa, o sufoco, a electricidade, a adrenalina, a EXPLOSÃO de sentimentos aquando do golo de Derlei. Foi utópico, foi inesquecível, foi um dos sentimentos mais fortes que tive em toda a minha vida. Parabéns pelo comentário.

Re: Mosquitos por cordas

Sim, de facto, a palavra certa é brutal! Foi uma autêntica brutalidade, uma interminável montanha-russa aquela a que o jogo fez os adeptos portistas passar! Não me esquecerei nunca daquele jogo, nem com Alzheimer! Emoções assim ficam gravadas a fogo, foi uma autêntica alquimia dos sentidos aquela que vivi, por isso me sai assim, fácil, o meu comentário! Obrigado pelas palavras simpáticas, agora vou dormir que aquelas duas ou três lágrimas marotas parecem que, 6 anos depois, encontraram novamente o caminho... Abraço!

21 de Maio de 2003

Era eu uma adolescente de 17 anos e esse dia foi sem dúvida um dia absolutamente inesquecível!!! Minuto 115 de jogo Derlei marca o 3ºgolo e uma sensação inexplicavél invadiu me...um turbilhão de emoções..atiro-me de joelhos para o chão e simplesmente as lágrimas corriam pela cara abaixo e grito golo com todas as minhas forças!!!!Momento único e inexplicável mesmo!!!! Seis anos se passaram, mas o orgulho permanecerá para sempre naquela equipa que deu tudo o que tinha!! OBRIGADA MEU PORTO!!!! Cumprimentos a todos.

Re: 21 de Maio de 2003

Ainda hoje quando revejo o jogo me arrepio, me emociono e fico com um sorriso enorme :)!!!

Re: 21 de Maio de 2003: lembram-se desta data inesquecível?

Vale a pena ir ao link do relvado que o Sartor colocou aí em que estão os comentários dos users de então sobre o jogo, se li na época já não recordo até porque como fui a Sevilha a essa hora andava eu a comemorar aquela vitória inesquecível. Referi-me ao link do Relvado sobre o jogo em questão, estive uns 20m a ler aquilo, porque os tempos eram outros e só passaram 6 anos o que para alguns pode ser muito tempo mas para mim é pouco - que diferença para hoje em dia...que azia vivemos actualmente, será da crise económica e financeira apenas? talvez sim ou talvez não, não estou a insinuar nada até porque não tenho respostas e isto que escrevo está a sair-me de improviso como quase sempre.

coisas sérias

vamos falar de coisas sérias. o site do jornal ojogo, esse jornal apelidado como o único imparcial, refere que o site oficial do benfica há um comunicado onde se pode ler que o benfica não negociou o jogador ramires. desafio qualquer um a encontrar esse comunicado e a postar um link do mesmo. Vale tudo para destabilizar o garndioso SLB. espectáculo

Re: coisas sérias

Para juntar há "confusao" aqui está o comunicado do cruzeiro: A diretoria celeste e os representantes do atleta concluíram nesta quinta-feira a venda de 100% dos direitos econômicos do volante Ramires ao Benfica por 7,5 milhões de euros. O Cruzeiro acertou com o Joinville, detentor de 30%, o repasse de 1,5 milhão de euros, e firmará com o clube catarinense uma parceria para a cessão de jogadores. Os valores foram fechados na noite de terça-feira. O que impedia o anúncio da venda era o acerto dos salários de Ramires com o clube português, em negociação concluída apenas na noite de quarta-feira. Ele assinou contrato de cinco anos com o Benfica. Nos últimos dias, o Cruzeiro foi procurado por diversos clubes que fizeram sondagens, entre eles o CSKA Moscou, representado por um ex-jogador e empresário português, Dionísio Castro. Zico, técnico do clube russo, chegou a entrar em contato com os dirigentes celestes, mas, após cinco dias de espera, a proposta oficial não chegou à Toca da Raposa II. A transferência para o futebol europeu chegou no mesmo dia em que Ramires foi convocado pela primeira vez para a Seleção Principal. A quinta-feira não podia ter sido melhor. "É felicidade em dobro. O trabalho está sendo reconhecido. A gente trabalha almejando alguma coisa na frente e hoje é um dia feliz para mim, para minha família, todos aqueles que me acompanham e gostam de mim. Estou esperando para chegar em casa e comemorar com o pessoal, eles estão ansiosos também. É isso aí, continuar trabalhando", disse à TV Cruzeiro. O volante que deixou de ser negociado há um ano ficou satisfeito com o desfecho do negócio. "Foi a única proposta que teve na mesa do presidente e ele achou interessante também. Se está bom para o Clube e para mim, está ótimo", comentou. Ramires só lamenta por ter de se despedir do Clube que defendeu por pouco mais de dois anos e aprendeu a gostar. "Não tem jeito de falar que não vou ficar com saudade. Com certeza. A maneira que me acolheram aqui, o carinho, isso aí eu não tive em clube nenhum. Foi muito importante para eu crescer. Estou jogando esse futebol graças ao Cruzeiro e à torcida, que tem um carinho imenso por mim", destacou. O carioca Ramires Santos do Nascimento, de 22 anos, chegou ao Cruzeiro em abril de 2007, contratado do Joinville. Em pouco mais de dois anos, disputou 105 jogos com a camisa celeste, marcou 27 gols e conquistou a torcida com um futebol dinâmico, de muito vigor físico e versatilidade que o permite atuar nas quatro posições do meio-campo. Pelo Cruzeiro, Ramires conquistou o bicampeonato Mineiro, em 2008 e 2009, e chegou à Seleção Brasileira. Ganhou a medalha de bronze com a equipe sub-23 nos Jogos Olímpicos de Pequim recebeu nesta quinta-feira a primeira convocação para a equipe principal, para jogos das Eliminatórias da Copa do Mundo de 2010 e a Copa das Confederações.

Re: coisas sérias - K importa isso??

Ainda, para mais neste artigo??

Re: coisas sérias

que qualidade jornalística do jornal conotado com os fdp. pelos vistos o comunicado saiu na cmvm e não no site oficial do benfica a anormalidade de quem quer e não sabe como.

lol

perdeste uma boa oportunidade para estares calado! :p

Re: lol

estar calado? não, é verdade, a notícia do jornal ojogo faz lembrar aqueles boatos tipo "simão na torre das antas" ou o "pinto da costa vai ser culpado". tudo notícias sem fundamento.

Re: lol

"Vale tudo para destabilizar o garndioso SLB." LOL

Re: 21 de Maio de 2003: lembram-se desta data inesquecível?

Eu lembro-me: nesse dia prenderam alguém ligado à Casa Pia, mas não me lembro quem.

Foi, sem dúvida...

Uma grande festa, mas não teve comparação com os míticos festejos do 2º lugar em 2005!

Só escrever Sevilha arrepia!!

As memórias são muitas,lindo demais. O hit do momento: Mais e mais amor...Que amor tão louco...Cada dia eu te quero mais...Meu Grande PORTO

"Inesquecível!

...mas que ninguém nos diga irrepetível". Dizia Mourinho em 2003. Relvado, 21 de Maio de 2003

Re:

ainda não estava no relvado nessa altura , e pelo que li, muitos dixaram de estar desde então... mas foi bom relembrar, obrigado pelo link

Re:

Nessa altura nao frequentava este site, estive a ler agora os comentários e fiquei emocionado, pois senti exatamente o que todos os relvas sentiram, aquela alegria inesplicavel. Lembro-me que naquela noite apanhei semelhante jarda, que no outro dia só me lembrava apenas do jogo. P.S.: Dá-me a sensacao que este forum era bem mais saudavel naquele tempo. Abraco

foi o jogo da minha vida....

... começou pela odiseia dos bilhetes, a deslocação e o jogo em si... tudo foi especial. a emoção daquele jogo , com o calor que estava, bebidas esgotadas, milhares de escoceses na rua.... enfim.... foi o jogo! a emoção, o que vibrei não é comparavel com qualquer outro jogo. a quantidade de pessoas que vi a chorar no estádio! foi especial, sem duvida