"Honestamente, empurrei-o ligeiramente", diz Benatia | Relvado

"Honestamente, empurrei-o ligeiramente", diz Benatia

Penálti que decidiu o último Real Madrid-Juventus continua a dar que falar.
 
Benatia derrubou Lucas Vázquez?

O marroquino Benatia, defesa central da Juventus, não escondeu o desagrado pela eliminação nos quartos de final da Liga dos Campeões. Comentando a grande penalidade assinalada pelo árbitro ao minuto 93, o central considera que o contacto com Lucas Vázquez não foi suficiente para a marcação do castigo máximo.

"Honestamente, empurrei-o ligeiramente nas costas, mas tive esperança de que o Lucas Vazquez não caísse. O futebol é um desporto de contacto", realçou Benatio.

Depois de há oito dias ter perdido em casa por 0-3 o jogo da primeira-mão dos quartos de final da Champions League 2018, poder-se-ia pensar que a Juventus tinha a eliminatória perdida. Mas, tal como nos sites de apostas (saiba mais em bônus Casino Época), no futebol tudo pode acontecer, e a surpresa esteve à vista no jogo da segunda-mão, esta quarta-feira: aos 90 minutos, a Juve estava a vencer por 3-0, e apenas perdeu a eliminatória com um golo marcado por Cristiano Ronaldo na tranformação de uma grande penalidade no segundo dos 3 minutos de desconto.

"Ser eliminado com um penálti destes aos 93 minutos é absurdo. Estou cada vez mais desgostoso com este mundo do futebol", acrescentou o central marroquino da Juve. "Joguei muitos jogos, vi muitos jogos na televisão e acho que não se pode apitar falta neste tipo de lances. É exasperante para nós, sobretudo depois do esforço que fizemos. O jogo deveria ter ido a prolongamento", acrescentou.

Na sequência do lance, o veterano guarda-redes transalpino Gianluigi Buffon viu o cartão vermelho por protestos e foi expulso, despedindo-se sem glória naquele que terá sido o último jogo da sua extraordinária carreira internacional. "Se é penalty? Creio que sim, que é falta. Acho que Buffon exagerou nos protestos, mas temos de entender que foi o último jogo dele na Champions e esperava ganhar a eliminatória. Eu também teria ficado louco", comentou Andrea Pirlo, seu antigo companheiro de equipa na Juve e na selecção italiana de futebol.

Stefano Tacconi, antigo guarda-redes italiano que representou a Juventus entre 1983 e 1992, foi muito mais longe do que Pirlo, e considera a reação de Buffon "comedida". "No lugar dele, tinha-lhe partido a cara. Teria sido um final de carreira maravilhoso", disse Tacconi, em declarações à RMC Sport. Mas Giorgio Chiellini, defesa da Juventus, não perdoa ao árbitro inglês, Michael Oliver, após a eliminação dos italianos aos pés do Real Madrid nos quartos de final da Champions. "Foi o maior roubo que sofri na minha carreira profissional, é descarada a forma como beneficiam sempre o Real Madrid na Champions e nunca aconteça o contrário. Os jogadores do Bayern Munique anda se lembram da época passada", reclamou o veterano jogador em declarações à RAI.

Apesar dos protestos, a decisão do árbitro foi soberana. Na marcação da grande penalidade, Cristiano Ronaldo não vacilou, convertendo o castigo com um remate forte e bem colocado ao canto superior direito da baliza da equipa adversária. Os 30 segundos que restavam de jogo não trouxeram qualquer oportunidade de golo, e o Real Madrid apurou-se pela oitava vez consecutiva para as meias-finais da Champions League, a sua competição talismã, que este ano, mais do que nunca, poderá salvar a época da equipa madrilena.

Internacional:

Comentários