"Atirei o Pau ao Gato": queixa arquivada, pai recorre | Relvado

"Atirei o Pau ao Gato": queixa arquivada, pai recorre

A Inspeção-Geral de Educação arquivou a queixa do pai revoltado, que fala ao Relvado em "absurdo" e
 
Criança vítima de bullying
Image Source/Getty Images

A Inspeção-Geral da Educação de Lisboa e Vale do Tejo (IGE-LVT) resolveu arquivar a queixa do pai que se revoltou contra a circunstância de se cantar uma versão benfiquista da canção "Atirei o pau ao gato" num jardim de infância público, em Mafra. "Um absurdo", constata o queixoso, Eduardo Mascarenhas, em declarações ao Relvado, realçando que o caso segue para o Provedor de Justiça.

A queixa foi arquivada sob a argumentação de que "a atuação da Direção da Escola" não merece "censura jurídico-disciplinar", constatando-se que a cantilena é "prática comum a outros jardins de Infância e surge, de forma espontânea, numa brincadeira de rimas tão frequente entre crianças desta idade".

Na resposta da IGE-LVT enviada ao pai considera-se ainda que "nunca esteve em causa o normal funcionamento das atividades ou existiu alguma perturbação nas relações e brincadeiras entre as crianças", afiançando-se também que, "em nenhum momento, no Jardim de Infância, se fala de futebol ou de algum clube em particular, nunca tendo a educadora assumido, perante os alunos, qualquer preferência clubística".

O pai rebate estas ideias, notando em declarações ao Relvado que "ignoram" a questão do "bullying", lamentando que um "rapaz batia" na sua filha "persistentemente" perante a consideração da educadora de que se trata de algo "normal entre as crianças". "É assim que zelam pelo bem-estar da minha filha que não queria ir à escola por ter medo", questiona ainda.

Eduardo Mascarenhas leva agora o caso ao Provedor de Justiça, esperando uma resposta favorável no sentido de pressionar as entidades competentes a tomarem outro tipo de decisão. Também já rebateu a posição da IGE-LVT, apresentando nova queixa.

"Eles assumem na resposta oficial que é cantado em vários sítios, argumento que não aceito, como se fosse tipo lei", considera o pai, concluindo que "o fundamento" apresentado "é absurdo". Eduardo Mascarenhas lamenta mais a forma como a questão está a ser tratada quando o "bullying" e a violência nas escolas são problemas tão vincados nos dias presentes.

Acompanhe os artigos do Relvado no Facebook e no Twitter.

diversos:

Comentários [49]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

UM DIA ATIREI UM LEÃO AO LUME

Á MUITOS ANOS , fui a moscavide comprei uma camisa de seda um cascól do sporting num indiano ,, fui para o estádio de alvalade levando comigo o meu leão que pesava ai uns bons 15 kilos , dando boleia a um primo de um futuro jogador quaresma do sporting, primo esse que por sinal éra meu jogador , , JÁ CHOVISCAVA , entro no estádio começa ainda a cair mais , começa o jogo chove ainda mais ,, , o meu sporting dá brilho ao espectaculo 1 , depois 1x1 depois fazemos o 2º está bom cái ainda mais chuva ,, e quando um maluco pensa em dár para ai uns 10-11- a 2 ao benfica e tira o torres depois do 2x2 , maluco mesmo ficou tambem um jogador que depois viria a brilhar no sporting na celebre equipa do ´pai e filho , começo a levar um banho de duas maneiras no relvado . e no meu lugar porque tendo eu lugar tapado não quis abandonar um jovem amigo só no estádio , fui para o meio da imensa massa de sofredores de verdade . é quando começo a ver a camisa de seda fodida da tinta do cascol do indiano com uma pedrada na cabeça pelo banho de bola que levei nesse dia ,,,, termina o jogo mas não a minha tristeza continuava a chover pego no meu leão e com o meu amigo ,, aproveitei para chorar com a chuva a bater na cara durante o caminho deu para esconder a minha mágua , pensava eu , dentro desta paralezia enorme que se apossou do meu cerebro , quando já estamos no prior velho , num largo onde se reunia as turmas do sporting e benfica para se falar do jogo como éra sempre habitual , é que o meu amigo diz para mim , com estas palavras ,, ((( mistér agora já está mais tranquilo vamos para alvalade agora )))) eu digo para ele estás maluco é , não voçe é que esqueceu~se do seu carro , foi quando acordei da pancada , fiz toda a 2ª circular a pé sem me aperceber da minha imensa tristeza , ,,,,,,, foi quando num acto de raiva ,, os meus amigos tinham uma fogueira e eu lancei o meu leão para a mesma ,,, logo nesse momento um benfiquista chamou a policia e fêz queixa de mim ,, eu queimei um leão .. não lhe atirei nenhum páu ,, foi para o fogo ,,,,,, por isso ainda hoje choro de vergonha por queimar o meu leão e de ter sido enganado pelo indiano com o cascol que debota por isso ainda gosto gosto muito da canção , gosto muito de voçe leãozinho é uma omenagem ao meu querido leão que perdi num dia máu ----------- ó srº eduardo ,,,,,,, por favor nós tambem temos as nossa s dores e máus dias , aquele foi um dia máu de mais para mim , já chega de tanta escola e gatos , eu escondi esta história até da familia , para não os entristecer , e o srº anda aqui todos os dias páre
http://www.youtube.com/watch?v=yDZb4DsKfkA

...

nem sei se ria ou se chore...bonita história que só mostra oquanto o futebol interfere no discernimento, sendo uma realidade de paixões exacerbadas nada apropriadas a um local de aprendizagem...faltou referir todos os problemas que normalmente advém das claques a maioria composta por jovens dos liceus... das pessoas que o vivem de uma forma tudo menos saudável...como tolerar isso na escolinha? na sala de aula? pago por todos nós no tempo que deviam ensinar? meu caro querem-me obrigar a mudar de distrito e aos meus filhos...enqunato assim for...lá terá que ter a paciência de aturar o problema...

rir é sempre melhor

se rir , porque considera o que escrevi um disparate só a si lhe sabe bem , se ri por satisfação da escrita sabe bem a si e á sua alma . mas olhe o futebol não interfere no descirnimento , pelo contrário só prova que quem perde deve ser respeitado , como o meu consciente sabia que isso não seria possivel , sabendo de antemão que seria uma forma para me atacarem , retardou o meu cerebro o facto de enfrentar quem me iria mal tratar porque fui nessa noite derrotado , as paixões do desporto , não são um mal , são uma forma de nos motivarmos para o dia a dia , não há guerras entre os povos como no antigo , mas estas lutas desportivas são como as guerras , por vezes é o que nos coloca com vida quando a vida não nos é farta , pode dizer que isto é infelizmente uma forma de nos motivarmos e dár alento aos filhos , não contamos histórias dos nossos antepassados guerreiros e conquistadiores , damos os desportistas , que as crianças vibram , querem ser generáis -- e gladiadores delculpe engeneiros e futebolistas no dia de hoje ,, agora criticar o desporto e os clubes e quem vibra com os clubes , não e´ sócio não quer nem admite que os seus filhos tambem colaborem ou partecipem na vida do desporto ,,,,,,,, ACHO ESTRANHO MAS MUITO ESTRANHO MESMO ,,,,, QUE USE ESTE MESMO DESPORTO E CLUBES PARA RESOLVER OS EU PROBLEMA DE CONSCIENCIA OU DE DE UMA VIDA FUTIL E ENCONTROU AQUI NISTO UMA ESCAPATÓRIA PARA O SEU PROBLEMA , JÁ O ANALIZEI E SEI QUE O QUE PODERIA DIZER DE SI NÃO SERIA AGRADÁVEL por isso repito páre homem não se marterize

desta vez foi rápido e igualmente "autista" a IGE

como veem não é um problema da ericeira nem do autismo de uma educadora ou de um presidente amigo..é em todas as instituições ligadas á DRELVT. Aqui têm a resposta, á minha apresentação, onde reitero e sublinho o problema da minha filha e observem a resposta...ela não existe pura e simplesmente...o lobbie benfiquista tomou a DRELVT de assalto? IGEC

NID: S/03605/RL/12

NUP: 10.09/00698/RL/12

10.09/00702/RL/12

Exmo. Senhor Eduardo Nuno Barros Mascarenhas

Analisadas as exposições apresentadas por V. Ex.ª, em 2012.04.23 e 24, constatando-se a inexistência no seu conteúdo de factos novos, reitera-se o despacho de arquivamento e o teor das nossas comunicações de 2012/04/23.

Com os melhores cumprimentos

O DELEGADO REGIONAL

PEDRO TEIXEIRA PINTO

De facto todo este caso é

De facto todo este caso é surreal...
Este senhor acusa os outros de "clubismo exacerbado" quando é o próprio a criar todo este problema ao implicar com uma simples cantiga pré-escolar ,afinal quem sucumbiu a um "clubismo exacerbado"?
E as consequências que isto teve para a pobre criança? de quem será a culpa?
Com esta atitude não só arranjou problemas para a criança (pelo que parece tudo corria bem até agora), como entra por caminhos perigosos. Como pode acusar de falta de pedagogia os outros quando o senhor como Pai (logo o primeiro e mais importante pedagogo desta criança) é o primeiro a não saber ter uma atitude pedagógica perante toda a situação?
por último acredita mesmo que esta cantiga iria afectar de tal maneira a sua filha que justificava todo este escândalo?
Espero bem que a sua filha consiga sair ilesa de todo este caso e que consiga perdoar o pai pelo seu "clubismo exacerbado".
Já agora e alinhando um pouco na sua cruzada quixotesca pelo sentido das cantigas infantis, porque não invocar os direitos dos animais , neste caso dos felinos? não será um incentivo à violência contra os animais?... Certamente que em Lisboa e Porto andam a fazê-lo , sempre seria uma causa mais digna e menos ridícula ...

pois..

realmente nota-se a abertura e disponibilidade dos acérrimos defensores disto, que se preocupam muito com os problemas que isso causa ás crianças...já agora o senhor veio comentar porpreocupação com as crianças ou com a música?

eu vim comentar o caso que o

eu vim comentar o caso que o senhor trouxe à praça pública, fez na quarta feira 38 anos que me permitem comentar ou mesmo discordar da sua opinião.
A minha preocupação centra-se na sua filha e nos problemas que lhe arranjaram com apenas 4 anos. Já agora e a bem da verdade pedia-lhe que comentasse como surgiu o caso , é que segundo o que foi publicado até agora tudo nasceu pela sua implicação com a cantiga, depois o senhor começa a introduzir o termo bullying... Baseio-me por exemplo nas suas declarações reproduzidas no CM : "O encarregado de educação, que se apresenta como um adepto não muito "ferrenho" do Futebol Clube do Porto, considera que se trata de uma "situação de lavagem e de indução ao comportamento" das crianças alimentada pela educadora e pelos responsáveis do agrupamento, todos benfiquistas.
"Compromete os valores fundamentais da escola, ou seja, o respeito pela diferença e pela individualidade, o fomento da pluralidade de gostos e o civismo", refere na queixa, lembrando que "a escola deve ser um espaço onde nem política, nem religião, nem clubismos desportivos devem ser alimentados".
Foi mesmo assim ou a imprensa desvirtuou o que disse? é que o termo bullying parece surgir apenas agora, corrija-me por favor se for o caso.

...

essa declarações, foram feitas assim como muitas outras e não foi ao correio da manhã, foram á agência lusa, o correio da manhã, como bom pasquim que é manipuou a informação toda de acordo com os seus interesses, não de quem queria saber realmente o assunto. se isso o surpreende só demonstra que apesar de todas as más práticas, há sempre espaço para prevaricadores no nosso país...

a queixa

Assunto: Ocorrência no JI de Santo Isidoro – Agrupamento de Escolas António Bento Franco (Ericeira)

Exmo. Senhor,

Considerando que a Lei de Bases do Sistema Educativo estabelece um conjunto de princípios gerais, reconhecendo o direito à liberdade de aprender e ensinar, com tolerância para com as escolhas possíveis, não podendo o Estado atribuir-se o direito de programar a educação e a cultura segundo quaisquer diretrizes filosóficas, estéticas, políticas, ideológicas ou religiosas;
Não posso deixar de reportar, enquanto encarregado de educação, uma ocorrência no JI de Santo Isidoro, pertencente ao Agrupamento de Escolas António Bento Franco – Ericeira, solicitando que essa Direção Regional de Educação apure a verdade dos factos e atue, com todos os meios ao seu alcance, no sentido de responsabilizar os intervenientes.
Assim, desde o início do presente ano letivo, diária e repetidamente, as crianças do referido estabelecimento de educação, entoam a cantiga popular “atirei o pau ao gato”, adicionando, no final, um slogan clubístico que consiste em “batata frita, viva o Benfica.” Perante isto, e em termos práticos, a minha Educanda, que simpatiza com o Porto, sente-se inibida e acossada, rejeitando até ir à escola pois os colegas, no recreio, chegavam a empurra-la por não ser simpatizante do mesmo clube.
Quando tentei explicar as razões pelas quais não se deveria fomentar este tipo de comportamentos num Jardim de Infância, a Sra. Educadora apelidou-me de “fanático” e convidou-me a tirar a minha Educanda daquilo a que chamou a “sua escola,” tendo argumentado que “a maioria é benfiquista”; “a música é assim” e “em todas as escolas em Mafra cantam a música desta forma.” A partir daquele momento, as crianças foram proibidas de cantar a referida cantiga, na sua totalidade, em vez de passarem a cantá-la devidamente. Mais, a Sra. Educadora referiu na sala de atividades que ‘não cantamos porque o pai da Nicole não deixa’.
Insatisfeito com tal argumentação, dirigi-me à sede do Agrupamento de Escolas para, em conjunto com a Direção, marcar uma reunião com os restantes Encarregados de Educação e a Sra. Educadora. Nesta sequência, a Sra. Subdiretora do Agrupamento de Escolas dirigiu-se ao JI de Santo Isidoro para me pressionar a aceitar e calar, fazendo crer de que quem estava mal era eu e, sem sentido ou justificação, foi inclusivamente chamada a Guarda Nacional Republicana (GNR), como forma de intimidação.
Sr. Diretor, concordará comigo que se deve promover o desenvolvimento do espírito democrático e pluralista, respeitador dos outros e das suas ideias, aberto ao diálogo e à livre troca de opiniões. O que se pretende quando se promove a intolerância, o desrespeito pelas instituições e pela livre opinião? Estas práticas são um incentivo ao bullying, algo que todos pretendemos abolir dos nossos estabelecimentos de ensino.
Nestes termos, e face à gravidade da ocorrência em si e da forma como a Sra. Educadora e a Direção do Agrupamento de Escolas diligenciaram no sentido, não da sua resolução mas da agudização da mesma, reveladora de um sentimento de impunidade e apropriação de espaço público, solicito a V. Exa. que providencie as diligências necessárias ao apuramento de responsabilidades, a fim de que situações semelhantes não se repitam.

3º paragrafo que é a queixa

como pode ver esta é a queixa, "em termos práticos a minha educanda, que simpatiza com o porto, sente-se inibida e acossada, REJEITANDO IR Á ESCOLA POIS OS COLEGAS NO RECREIO CHEGAVAM A EMPURRÁ-LA, POR NÃO SER SIMPATIZANTE DO MESMO CLUBE.
Depois é a descrição dos maus procedimentos e atitudes, e no último parágrafo, ESTAS PRÁTICAS SÃO UM INCENTIVO AO BULLYING, ALGO QUE TODOS PRETENDEMOS ABOLIR DOS NOSSOS ESTABELECIMENTOS DE ENSINO. é o problema deste país todos falam da forma, mas ninguem faz ideia do conteúdo...veja bem a manipulação feita pelos media, pelos opinion makers, que no fundo só serviram para escudar e agudizar o problema, e a "maioria" como o senhor cheios de si próprios a fazer juizos sobre mim em vez de irem ao óbvio, que como pai o mais importante são os filhos, não parvoices clubisticas que não me dão de comer nem a mim nem aos meus...no fundo cairam todos na esparrela de mandar bitaites, fazer juizos em interesse próprio sem pensar no problema real...sao todos donos da verdade...mas o que menos interessa é essa mesma verdade...

meu caro, aconselho-o mesmo a

meu caro, aconselho-o mesmo a difundir ao máximo a sua queixa original para que a sua versão (repito a sua) seja lida e apreendida por todos. Certamente que a Educadora se sente-se lesada, também irá expor a sua versão. Só assim poderemos ter dados para estabelecer uma opinião mais concreta, até lá seguimos o que é difundido nos jornais e até nas páginas principais de sites oficiais de clubes de futebol. Acima de tudo que a criança possa crescer sem problemas nem traumas por uma situação criada por adultos (seja o pai ou a educadora) , uma vez que conflitos/arrufos na escola sempre existiram e sempre existirão por maior ou menor supervisão dos educadores, já no meu e no seu tempo era assim.

...

ai é que está tudo errado, porque confrontar versões? foi a minha mulher que passava no infantário sempre que a nossa filha ia, uma hora pois ia mais cedo com o nosso filhos mais novo...depois os erros são tantos e tão graves, são assumidos na resposta que aqui lhe vou mostrar a oficial que já vê as versões...ignoram a minha filha e manipulam tudo o resto, com a treta das versões? a queixa foi apresentada a todos os meida dia 23 do mês passado, o que fizeram com o tema, foi o que a "maioria" quis fazer ignorando os direitos fundamentais das crianças. ainda teem o descaramento de me pedir explicações? voce paga ordenado a educadora não a mim, aquilo é um escola pública, não é a minha flilha ou eu que sou publico, portanto a ter que questionar alguem é uma educadora que cria este problema e responsáveis que decidem no interesse não se sabe de que, mas de tudo menos das preocupações reais dos miudos...depois o argumento apresentado para arquivar a queixa no seu todo, é um atentado á inteligencia até do mais fanático...ignorando a minha filha ea ostracização que é o nome portugues de bullying, veem dizer que é uma rima, que nao faz referencia a equipas de futebol, que é inocuo e sem sentido, mas depois e uma actividade de rimas e versos...que virou a miuda contra nós sem intenção, assumem tudo porque é a maioria mas não são todos e isto é gente que continuando a arrastar isso vai mesmo sentiro a diferença das decisões dos amigos dos gabinetes ou de um tribunal que atenta a letra da lei acima de tudo...ridiculo exigirem-me explicações so demonstra cegueira, parcialidade e clubismo

Meu caro a partir do momento

Meu caro a partir do momento em que acusa alguém (neste caso a Educadora) tem que estar sujeito ao direito de resposta e à respetiva defesa da pessoa que acusou. Vivemos num Estado de direito pelo que AMBAS as versões devem ser confrontadas e aí sim decidir se houve justa causa na sua reclamação. Porquê confrontar versões??? nem acredito que disse isso... Então agora eu resolvo escrever uma queixa sobre alguém e apenas a minha palavra é tida em conta?? Não existe direito de resposta por parte do acusado? não é treta , é um direito fundamental de qualquer democracia. No entanto vou ler a resposta deles que teve a bondade de publicar.

...

as versões não foram confrontadas...foi assumido de forma tenebrosa como poderá ver a "maioria", o argumento da "maioria" do "hábito", dos pura e simplesmente ignorar a minha filha e os seu beu estar, pois é fácil é IGE pedir a folha de presenças e querer então saber porque faltava tanto a menina. Vir então perguntar e aprofundar se havia problemas ou não com os miúdos, se de facto me estavam a impôr a música...o que aconteceu foi o que voce abomina, ignoraram e manipularam a nossa posição, ignoraram a minha mulher que ofi quem falou mais vezes com a educadora e tentou resolver MUITAS vezes antes, eu só assumi o discurso de nós para a queixa, porque sou o pai...a minha mulher nasceu em benfica e é professora de yoga. acha que ela quer saber sequer de futebol ou acha que o fanatismo me ia dar 7 meses depois de ouvir a musica a primeira vez e saber que a cantavam assim? tudo isto é doentio demonstra o quanto a nossa sociedade está doente e confusa e o que são capazes de fazer...uma educadora que a partida escala assim um problema destes devia ser no minimo investigada...mas como me disse o presidente quando lhe fui relatar o problema, a rir-se para mim, "eu confio nela cegamente, você está a mentir, ponha lá a sua filha por acaso sou benfiquista e não vejo mal nenhum...pois então comece a ver porque ando com isto nos media, será porque os direitos fundamentais da minha filha e nosso como familia estão a ser postos em causa por amigos de gabinete de uma causa sem sentido? vivo aqui trabalho aqui, tenho 2 filhos o que acha que pretendo? doentio não há outra designação e não tivesse eu a estrutura que tenho, os meios que tenho e a educação que tenho e bem nos tinham trucidado, ignorado e ostracizado...

desejo-lhe então boa sorte

desejo-lhe então boa sorte nessa cruzada, de facto quando acreditamos no que defendemos devemos ir até ao fim.

...

agradeço tambem o facto de mostrar que tendo a informação toda as pessoas percebem o que está em causa, mas demonstra que há pouco interesse em que dá a informação, que as pessoas a tenham toda, e quem paga somos todos nós com coisas que a afectar é mais negativa do que positivamente, depois escudam decisões surreais tomadas em gabinete escudadas muitas vezes na incapacidade de resposta...neste caso a resposta irá até onde tiver que ir, porque se forçarem a questão dos tribunais, vão ter muito que explicar porque ai a queixa reformula-se para crime publico de bullying, sendo facil de provar tanto o da criança como o dos adultos que se reflectiu como uma onda por toda a sociedade. os argumentos que se viram aqui ouviu a minha mulher e eu dos outros encarregados de educação, as posições roam exactamente as mesmas, como referi chegando ao abusrdo de armar ciladas, que não cai porque a minha educação me defende desse tipo de coisas, como calhou mal a chamada da guarda, deram-se ao ridiculo de ir tentar convencer os guardas a força que a musica era assim que eu e que nao ouvia..que os miudos eram assim...absurdo, gente que prefere dar estaladas aos filhos a corrigir e abordar a génese dos problemas? como referi tenho os filhos em casa, não tenho onde po-los porque não vou confiar em gente que nos ignora, por isso isto vai até os meus filhos verem os seus direitos atendidos e nós como pais tambem...

...

o correio da manha foi ao meu facebook roubar fotos de viagens para montar noticias de guerra norte sul, aos quais a minha advogada prontamente se dirigiu, mas o mal estava feito. o senhor nem leu a queixa. portanto não fale do que não sabe ainda para mais sustentado num pasquim, que roça o criminoso como o correio da manha...mas vou-lhe copiar as partes visto ser uma pessoa educada e parecer realmente interessado...

Meu caro , nesse caso

Meu caro , nesse caso aconselho a fazer queixa do CM e já agora do site do FCP que utilizou o seu caso em benefício próprio, ou conforme muito bem diz para alimentar a guerra norte-sul.
Todas as injustiças despertam o meu interesse e agradeço a transcrição da queixa .

e a minha resposta ao arquivamento e a sua base

‎1- "batata frita, viva o benfica" nem é verso nem rima, se assim o denominam mais preocupante se torna a avaliação da queixa. A sala de actividades, com meninos dos 3 aos 5 anos não é o espaço de brincadeiras mas sim o intervalo estranho ser eu a ter que apontar isso. O papel da educadora é regular essas actividades ocnferindo-lhes exactamente valos simnbólico e pedagógico. pergunto eu qual é esse valor no babata frita viva o benfica?
2- Aminha esposa ia com o nosso filho mais novo todos os dias mais cedo ao infantario para ele brincar enquanto esperava e assistia sempre á "brincadeira" imposta por meninos de quase 6 anos a todos os outros, com o apoio da educadora, dando persistentemente os tais" batata frita viva o benfica", uma alusão indutiva de valor, a um clube de futebol, e diz que não falavam de futebol?
3- sendo o nome que nao lhe vou divulgar mas foi enviado para a ige, o rapaz que batia na minha filha persistentemente, achanda a educadora normal entre as crianças, e a tia , que normalmente o ia buscar optava por lhe bater em frente a minha mulher para compensar. É assim que zelam pelo bem estar da minha filha que não queria ir a escola por ter medo, facilmente verificavel na folha de presenças? não interessa, ou a minha filha não tem a designação dada como criança a quem devem assegurar o bem estar. Ela não gosta da musica, nao quis cantar e o rapaz começou a bater-lhe. simples. aminha filha não tem direitos? psicologos infantis facilmente poderão dizer quem assusta quem se a isso essa instituição obrigar.
4-A sub directora apenas se dirigiu ao infantario, porque eu no dia anterior tinha ido para apresentar queixa da educadora marilia e dos seus procedimentos com a situação. Disseram-me que era estranho cantarem isso a dona Quaresma, por isso acedi a ir a reuniao para falar com a vice directora e ela explicar o que e um espaço de aprendizagem publico, coisa que pelos vistos tambem desconhece, pois foi-me convencer de que a musica é assim. sendo um dos agentes da discordia e da confusão que se gerou a seguir, com os outros encarregados de educação "indignados" mas não dizem com o que, nos insultaram, quase agrediram e tentaram intimidar, algo que a GNR poderá depois testemunhar caso seja necessário como ja foi requerido. Chegaram ao absurdo de tentar convencer a GNR a força que a musica era assim.
O ponto 1 nao justifica nada, porque não é rima, não e verso, tem sentido e conotação futebolistica e e constantemente praticado. mais nenhuma rima ou verso foi ensinado a minha filha. È uma actividade quenem essa designaçaõ merece pois ou tem sentido ou nao tem.
De resto assumem que fui impelido a tirar a minha fiulha da escola por não concordar com a falta de interesse pelos direitos dela, pelos seus gostos, e pelo sentido de apropriação de propriedade do estado demonstrado por todos os responsáveis e dos quais pelos vistos a IGE se comprometeu tambem, ao descurar por inteiro a deontologia, do espaço escola publico, os seus objectivos, aceitando que sejam praticadas activividades sem nenhum sentido ou conotação, brincadeiras alienatorias no fundo, de forma persistente e durante o horario de actividades com indiferença e até desprezo pelas preocupações de pais.
Assim volto a apresentar esta queixa e a exigir a sua reavaliação neste termos enquanto outras instancias analisarão todos os procedimentos, enquadramentos e argumentos apresentados e aceites.
Com a maior das preocupações com a educação em lisboa
Eduardo Mascarenhas

ja agora transcrevo a resposta que deu o arquivamento

Exmº Sr Inspetor

Relativamente ao exposto pelo sr. Eduardo Nuno Barros Carp Mascarenhas, temos a informar do seguinte:

1- O verso aposto no final da cantiga infantil “ Atirei o Pau ao Gato” , não foi da autoria da educadora sendo uma prática comum a outros jardins de Infância e surge, de forma espontânea, numa brincadeira de rimas tão frequente entre crianças desta idade, destituída de qualquer valor simbólico que os adultos lhe tenham querido atribuir.

2- Em nenhum momento, no Jardim de Infância, se fala de futebol ou de algum clube em particular, nunca tendo a educadora assumido, perante os alunos, qualquer preferência clubística.

3- O Jardim de Infância de Sto Isidoro é um espaço onde os seus profissionais se dedicam às crianças, à promoção do seu bem-estar, no respeito pelos princípios do rigor, da isenção, da justiça e equidade. Nunca esteve em causa o normal funcionamento das atividades ou existiu alguma perturbação nas relações e brincadeiras entre as crianças. No entanto, as várias intervenções do encarregado de educação, na sala de atividades, manifestando de forma alterada a sua opinião relativamente à cantiga, levou a que o grupo crianças se sentisse assustado.

A educadora não teve intenção de pôr a filha contra os pais, mas tentar que o assunto ficasse encerrado para que o encarregado de educação não continuasse a acusá-la de cantar várias vezes ao dia esta cantilena.

A Subdiretora, educadora Belmira Oliveira, quando se dirigiu ao Jardim de Infância no dia 20 de março para reunir com sr. Eduardo Mascarenhas, foi no sentido de ouvir e resolver este conflito antes da reunião de pais, para evitar confrontos verbais com os outros pais que se mostraram indignados com a atitude do sr. Eduardo Mascarenhas não tendo no entanto sido possível chegar a um entendimento, já que o encarregado de educação não aceita como justificação o já exposto no ponto 1.

Face às acusações por parte do encarregado de educação, sem fundamento, a docente terá dito ao pai que estando ele a valorizar uma cantilena como tantas outras que existem, que o melhor seria procurar um Jardim de Infância que fosse ao encontro das suas expetativas, como encarregado de educação, mostrando assim que quando o fizesse dificilmente o iria encontrar.

Com os melhores cumprimentos

O Diretor

de facto denoto um certo

de facto denoto um certo autismo nesta resposta do Director, em momento algum especifica o caso da violência contra a menina. Só duas questões não querendo abusar da sua paciência:
-O seu estado "alterado" corresponde à verdade ou foi manobrado por eles?
-O senhor manifesta preocupação pelo estado da educação em Lisboa por este episódio específico (neste jardim de infância) ou porque concorda que como eles dizem é uma prática comum em toda a região?

...

veja a minh aarticulação e capacidade de resposta, veja o que me motiva e o enquadramento e pense se ia entrar, alterado na sala das crianças...demonstro preocupação mais pela forma que a DRELVT e aIGE abordaram o caso remetendo-o para o juridico...é uma discussão deotnológica e de praticas...é uma questão de pedagogia e de didáctica. para pareceres juridicos ia logo para o tribunal não acha? então a inspecção inspeccionou o quÊ? e no fundo tambem por assumirem que é uma pratica instituida nos infantarios de todo o lisboa, ao ponto de me impleirem a mudá-la de escola com a certeza de que não encontrariamos nenhum a fazer de forma diferente. já viu bem o desplante? é que assim temos que discutir o artigo 43º da constituição, no ponto 2 onde o estaod não se pode outorgar a de forma programatica induzir a nada, gostos, estéticas, politicas, religiões nem sensibilidades, quanto mais a exaltação de um clube de forma instituida???? porque de ter ganho esta dimensão? por muitos saberem, muitos já se terem indigando e nunca ninguem ter tido uma resposta? porque muitos fazem demasiada força para isto ser assim? como ja referi de um caso de bulyiing na aldeola, virou um caso de bullying a todos os níveis, institucional, social, mediatico, e é dificil perceber os problemas que causa? autismo meu caro é dizer pouco, veja as barbaridades que usam como argumento de defesa...o ponto 1, isso serve para ignorar a minha filha? é alguma explicação deontologica, pedagogica ou didactica? o que é uma rima afinal? o que é um verso? escola publica a convidar o educando a sair por não concordar com algo que e imposto fora do programa? leia bem meu caro e paerceba-se do porque da indignação. a minha mulher quer mudar de país....porque nisto, nem cara nem coroa...ou se limpa em todo o lado de uma vez por todas ou adeus portugal enterra-te aos pontapes uns aos outros pela bola...é absurdo...

Articulação e capacidade de resposta...

Sr. Eduardo Mascarelhas, antes que diga algo sobre a data do meu registo, adianto que me registei hoje por outros motivos, e que por curiosidade, olhando o site do relvado.sapo.pt, vi uma notícia referente ao seu caso, e vim aqui parar. Mas o registo não foi feito só para comentar o seu caso, muito longe disso. Todavia não posso deixar passar em claro algumas coisas.
Quando o senhor acima, se refere à sua articulação e capacidade de resposta, deixe-me que lhe diga, que ao longo dos muitos comentários feitos por si, às diversas coisas que outros leitores foram escrevendo, olhando à sua queixa inicial, e olhando à sua resposta ao arquivamento da queixa, nota-se pela estrutura dos textos, pelos vários erros, pelos várias "saladas russas" que às vezes faz, que não foi tudo escrito pela mesma pessoa. Por isso, não tente atirar areia para os olhos dos outros, porque corre o risco de se descredibilizar perante os outros tirando algum poder à sua batalha pelo que julga ser o mais correcto.
Depois, este seu constante "contra-ataque", a tudo o que lhe escrevem e que vai contra o que é a sua opinião também não o favorece. Aceite que tenham opinião diversa da sua. Fica-lhe bem, e faz com que não haja mais animosidades contra si. Não lhe fica nada bem, só porque expressam opinião diferente da sua em relação a este assunto, que diga que estão errados, que não sabem o que dizem, ou que são isto ou aquilo, como já li algures neste site. Só perde com isso. Respeite para ser respeitado.
Depois em relação ao assunto em si mesmo, o senhor andou mal, quando no início, a comunicação social tratou o tema e nunca referiu o tema do bullying. O senhor deveria ter pedido logo a rectificação da notícia e a inclusão do termo na mesma. Porque assim, aparecendo mais tarde a referência ao bullying, todos ficam com a impressão que só juntou esse tema, por saber que lhe daria mais visibilidade e importância ao assunto. Isto é, como o tema apenas da música, não dava em nada, toca de juntar o bullying que está tão em voga falar agora, que assim já todos lá vão...
E sejamos muito sinceros, não tentemos tapar o sol com uma peneira... É claro que a sua motivação inicial foi pelo facto da música se referir a um clube, pelo qual o seu e o da sua filha, têm algum tipo de aversão. Imagine se todos ao longo da nossa vida, desatassemos a apresentar queixa de algo, só porque achamos que não é feito como pensamos... Passávamos a vida em tribunais. Até o senhor. Há que aceitar que podemos nos deparar com coisas que não são do nosso agrado, a única resposta que podemos dar a isso, e a mais inteligente é ignorar e seguir em frente. Ao fazer finca-pé com coisas que segundo nós não têm valor, é estar a atribuir-lhe precisamente algo que não queriamos atribuir. Está a acompanhar o meu raciocínio?
Agora eu pergunto... A queixa foi arquivada. O senhor pode continuar a fazer finca-pé, e recorrer... Vai prosseguir na cruzada, até que alguém lhe dê razão? E se não derem? E só para terminar, saiba que rima, é toda a uniformidade de som na terminação das palavras com que se acabam certos versos. O que no caso acontecia... O que é verso? É uma composição literária, sujeita em número e cadência a determinadas regras. Também acontece no caso da musiquinha...
Que tudo na sua vida lhe corra como deseja, mas não vá por caminhos ínvios, só perde o senhor, a sua família, e a sua filha que tanto deseja proteger. Às vezes, devemos saber quando parar, ou quando voltar atrás, para conseguirmos seguir a nossa "viagem"...

...

antes de mais uma correcção, nunca nomeei ninguém de isto ou aquilo como pretende fazer entender...quanto ao resto é mais do mesmo...muita divagaçõa, muitas conclusões, mas que infelizmente se denota que não tem informação para se esclarecer, procura usar a informação para advogar essa pretensa tese do arquivamento...se acompanhasse as noticias todas saberia que o arquivamento foi feito apenas pelas instancias que dizem respeito a lisboa e vale do tejo, mas no que diz respeito ao ministério da educação não é assim. E agora, que o governo da nação inquriu sobre o que se passa, acha que as conclusões serão as mesmas? De resto se se quiser informar sobre o assunto, os documentos teem datas, são assinado por e pela minha esposa, que infelizmente, por detestar futebol, por muito que tenha nascido em benfica e não queira aturar futebolices, há sempre uns iluminados que acham sempre que sabem tudo e impingem as suas tretas aos outros. fale mas é de quais são as suas motivações para vir aqui comentar, e o discurso que vem para aqui vender, primerio tenta por-me em causa, ao pensar que eu domino a comunicação social e que eles editam nas noticias o que e na realidade, saiba que a manipulação foi feita desde o inicio pela comunicação social, pois bastava ler a queixa inicial que ja aqui expus, para saber qual era o problema...a queixa inicial é de bullying, que teve origem no clubismo exacerbado que se vivia no infantario...que afinal não era só naquele afinal é em todos de lisboa...para terminar nem discuto parvoices como batata frita viva o benfica...chame-le os nomes que quiseres, insulte a sua inteligencia a vontade, que a minha e a dos meus tambem não o farão...então agora educar, nas escolas dos estado, é feito a gosto...estou esclarecido

ca esta...

excelente comentario...

...

como lhe disse com o correio da manha tratou imediatamente a minha advogada, sendo que como sabemos nos media mesmo que la esteja por uma hora ou duas chega para fazer o dano, quanto ao porto, o que fez foi denfeder o que lhe interessava , sabe é que eu nem sócio sou nem nunca fui nem tenho relação nenhuma com o Porto, e chamou a atenção para o problema se aproveitaram a posição do porto para tentar minimizar o impacto, tentaram, se manipularam a minha queixa com o comunicado do porto? manipularam., mas o porto saiu em defesa dos SEUS interesses, não dos meus, porque nem tinha nada que sair em defesa dos meu interesses como eu não sai dos deles, mais lhe digo os que melhor abordaram o problema foi aqui o relvado a jornalista Suzana Valente e no Porto Canal...Todos os orgãos de comunicação social entraram em contacto comigo, sic, tvi, rtp, lusa, todos manipularam o caso...e a decisão saida do presidente escuda-se nessa manipulação. ja vi que os enhor tem problemas com o porto...eu os que tenho trato-os não mando recados por causa alheia

Concordo consigo, todos

Concordo consigo, todos manipularam o caso, por acaso nem ligo ao futebol mas penso que devemos englobar todos os que manipularam a notícia, sejam eles pasquins ou clubes de futebol.
Problemas com o porto? apenas não gostei da forma como esse clube lidou com a situação fazendo inclusive referências muito tristes ao mundo muçulmano.

...

mas repare que sobre isso eu não consigo ter controle, foi a interpretação que o porto clube fez da queixa, porque eles tiveram conhecimento da queixa...e reagiram á queixa, apresentando a sua perspectiva...se foi a forma mais correcta de o fazer? eu não chamo assim a atenção para o problema e o meu problema é diferente do problema deles...

sem dúvida, serviram-se do

sem dúvida, serviram-se do seu caso para lançar farpas para outros destinatários. Evidente que a culpa não é sua, tal como não foi em relação ao que o CM fez. Ambos foram baixos na utilização que fizeram do caso.

Qual é a parte do bulyeing que não entende???

Quando um pai vê um filho com problemas na escola, por situações identicas às comentadas, qual é a parte da criança estar a ser discriminada que não lhe parece passivel do pai falar com a escola, pedindo que um comportamento que leva à intolerância seja alterado por parte da educadora??

Isto não se trata de futebol nem clubismo...

Pimenta no cu dos outros, não tem problema, não é??

Eu acho que ler sabemos todos, portanto se um pai vê um filho com problemas, receio de ir à escola, o normal é que pergunte ao filho a razão para tal.
O filho explica a situação.
O pai que acha que a mesma potencia o problema do filho, dirige-se à escola.
A escola ouve e corrige, pois isto é passivel de correção.
O assunto morre, e a vida segue.
Isto seria o normal, num pais normal, com pessoas com 2 dedos de testa.

Aqui, a escola tem uma reacçãode total intolerância para com esta familia, arma-se em intocavél, promove a segregação e acha que faz tudo de forma correcta.
Resultado, pessoas sem capacidade de aceitar a diferença, mentalidade de rebanho, e uma familia que tem que encontrar uma nova escola para a filha...

Se tivesse um filho a ser provocado e acossado fosse pelo que fosse, não tentava que o seu ambiente escolar alterasse tal situação???

Não se trata de futebol, entenda, trata-se de tolerância, de respeito, de educação.

Que miséria....