Depois de Makukula, Jorge Ribeiro! | Relvado

Depois de Makukula, Jorge Ribeiro!

 

Não seria melhor para Jorge Ribeiro que o Benfica ficasse em 2º lugar, e assim o jogador ficaria com a possibilidade de disputar a Champions na próxima época?Não estamos apenas a falar do penálti falhado, mas de muitos maus passes e erros comprometedores.Allen Iverson

Benfica:

Comentários [118]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Coleccionando...

- A grande contratação do ano ser a colocação de um director do Benfica na Direcção da Liga - José Veiga ameaça de despedir o Litos do Estoril, na altura em que o Benfica vai lá jogar. - Lá jogar, salvo seja, porque mudaram o jogo para um campo neutro. Vá lá, não foi para a Luz... - Situação Moretto (onde anda ele agora?) - Jantar no Sapo do Veiga - Situação Marcel. - Makukula a insistir em... falhar o penalti ao Benfica, para poucas semanas depois assinar pelo mesmo clube. - Jorge Ribeiro "o aliciado" a falhar displicentemente um penalti, virando costas ao lance visivelmente abalado.. coitado. - Lucílio Batista, só faltou perguntar: "Rui Costa? quem é o Rui Costa? Não, não o vi por aqui a tentar forçar a entrada, sendo impedido pelo delegado da liga de entrar no meu balneário... nomes e exaltações na saida do campo e no tunel? Não, não vi nem ouvi nada..

Re: Coleccionando...

Situação Moretto? quando no jogo com o Benfica ele foi um dos melhores, como era normal na altura... só ganhámos graças a um excelente golo do Nuno Gomes (quer acredites ou não... LOL)já no fim... enfim!

Depois de Makukula

O Jorge Ribeiro só deixava de marcar o penalty se Fosse o Polga a Marcar. Era o único em que ele confiava mais que ele Próprio.

Re: Depois de Makukula

Não se está a esquecer do Moutinho, Liedson, Romagnoli....?

Não percebo!!!

Em primeiro nem me acredito que ele vá para o Benfica. Em segundo, não percebo esta suspeição. Ainda se ele tivesse batido para fora. Agora assim como é que foi? Disse ao Quim que ia atirar para aquele lado rasteiro??!!! E mesmo que o tivesse dito não era certo que o Quim defendesse. Se ele quisesse mesmo falhar teria com certeza atirado para fora.

Ridiculo/Memória Selectiva

Esta História é ridicula. É estúpido colocar em causa o profissionalismo de um jogador quando nada nos faz sequer pensar no contrário. Se houvesse algo mais do que suspeitas ridiculas vindas de rivais ainda era uma coisa, mas não há, nem quero acreditar que exista. O que mais lamento nesta história (aliás, nem lamento, acabo por achar piada) é as reacções dos rivais, quando ao longo das últimas épocas colocavam em causa o profissionalismo de todas as equipas que eram derrotadas contra o Porto, assim como muitos jogadores. Pegando no comentário do fjorge que fala de uma oportunidade criada pelo Jorge Ribeiro no jogo de Domingo, eu relembro que já vi "vocês" a colocar em causa o profissionalismo de vários jogadores, quando estes ainda por cima foram os melhores em campo da equipa adversária - recentemente recordo-me de Vieirinha no Leixões-Porto. Agora eu pergunto: Gostam que vos façam o mesmo? Cumprimentos.

Comentário: Ridiculo/Memória Selectiva

Moderado com Bem Escrito. Com os meus cumprimentos, JPS

não me parece

sinceramente que alguém falhe um penalti de propósito, mas penso que se devia facilmente evitar uma polémica. Bastava alguém escolher outra pessoa para marcar. Aliás como os emprestados que alguém referiu, lembro me de o F Couto ou o j Costa ter marcado um golo na própri contra o fcp e caiu o carmo e a trindade. foi tb a partir daí que o fcp não deixou jogar contra si os emprestados....

Re: não me parece

acho que foi o j.costa quando estava no maritimo.

Especular? Porque não? afinal eles fazem o mesmo!

E como já não é a 1ª vez que isto acontece (caso do Makukula, que falhou um penalti contra a sua actual equipa, muito mal marcado e depois de insistir em marcá-lo, à revelia do seu colega de equipa que nos treinos já tinha sido escolhido pelo técnico Maritimista para cobrar um penalti caso ele surgisse, e do próprio treinador, quando o treinador aos gritos do banco lhe berrava para não ser ele a cobrar esse penalti), um gajo também se põe a questionar as coisas...

Re: Especular? Porque não? afinal eles fazem o mes

Desculpa lá Sartor, faz-me lembrar a merda de um gajo festejar as derrotas dos clubes Portugueses lá fora porque os outros também já festejaram...

Ò curva-sul...

adoras falar do Benfica! Como verdadeiro parolo que és fazes sempre jus à tua condição inata de pateta.

Re: Ò curva-sul...

as melhoras. festa da espuma!

Re: Especular? Porque não? afinal eles fazem o mesmo!

Pois... o Makukula combinou com o Butt o lado que ia chutar... Haja pachorra para ler merdas de artigos deste, de repente é só especialistas de penalties, ele é o posicionamento antes da gp, é o olhar, é o resperirar,...é tudo denunciador do lado para que vai chutar... foda-se vocês se fossem gr defendiam os penalties todos!! É um chuto pra canto e o desviar das atenções para o que se tem passado...

Re: Especular? Porque não? afinal eles fazem o mesmo!

"Especular? Porque não? afinal eles fazem o mesmo!"

Makukula a insistir em falhar e J.Ribeiro triste..

são apenas coincidências. Mas como o Luís Filipe Vieira prometeu que ia revelar jogos que eram viciados no futebol português, pode ser que calhe algum destes. Mas aposto mais no jogo do Estoril, ou aquele dos 3 penaltis ao Gondomar, ou do golo do Luisão ao Sporting, ou do Benfica só marcar de bola parada nas últimas 9 jornadas quando foi campeão a última vez.

Re: Makukula a insistir em falhar e J.Ribeiro triste..

3 penaltys ao gondomar? Golo do Luisão? Lol! Se o golo do Luisão é na época em que estou a pensar, que tal relembrarmos o golo do Liedson na primeira volta, em Alvalade? Lembram-se como o marcaram.

Ele falhou

Ou foi o Quim que defendeu?

Re: Ele falhou

Foi ele que disse ao Quim para se mandar naquela direcção,se reparerem no video dá para ver que ele faz o gesto com os olhos de forma que o Quim percebesse para onde ia a bola

Re: Ele falhou

Are you Serious ? :-)

Re: Ele falhou

xD não

Re: Ele falhou

xiu, isso não interessa !! :-P

acho que, quem acredita nisto.....

só merece uma coisa...isto! http://br.youtube.com/watch?v=g_ybcTBuIGU&feature=related

Não alinho nisso

Nunca devia ter sido o Jorge ribeiro a marca o penálti,depois do que foi falado sobre um possivel interesse do benfica.Foi um penálti bastante condicionado,basta ver a forma como ele correu,parecia que estava numa corrida de 100 metros. Na minha opinião devia ter sido Marcelão,aliás até tenho ideia, de ja o ter visto a marcar.

Julgo que não...

foi o 1º penalty a favor do Boavista esta época e quando estava a ver o jogo confesso ter comentado que quem devia bater era o central do Boavista! Assim não aconteceu, e a polémica está lançada!

Re: Julgo que não...

Como é óbvio.

Susana Valente

Por favor este assunto já está mais que debatido. Já sabemos que é mesmo assim os que nunca jogaram a bola e são ignorantes e como senão bastasse não gostam do Benfica dizem isto só pra chatear...

LOOOOOOL

E os jogadores do Sporting vão para o etúbal no final desta época e os do Leixões para o Belenenses! Isto é uma alegria! Para o Porto é que não vai ninguém! Ah, mas o Porto "nunca faz" penaltis esqueci-me....

Re: LOOOOOOL

Moderação corrigida. Cumps

VINTE ANOS DE MENTIRA DE A a Z , 4

O de OLIVEIRAS – Juntamente com o irmão António, Joaquim Oliveira foi elemento determinante na consolidação do poder portista. Ainda hoje o clube da Luz tem as suas transmissões televisivas extremamente sub-avaliadas, face à popularidade e audiências de que desfruta. Faz-me alguma confusão Joaquim Oliveira ser accionista de referência da SAD benfiquista, e ninguém se preocupar com isso. Já o irmão António (o do caso Paula, dos carimbos falsificados no caso N’Dinga, e das polémicas do Coreia-Japão), ex jogador e treinador do clube portista, protagonizou em 1992 um episódio curioso e revelador. Treinava o Gil Vicente e na primeira volta, nas Antas, fez entrar um tal de Remko Boere a um minuto do fim com o resultado em branco. Esse jogador, que quase nunca havia jogado na equipa, nesse minuto apenas, fez um penálti caricato e recebeu ordem de expulsão. O F.C.Porto venceu 1-0. Na segunda volta, em Barcelos, com o F.C.Porto já campeão, o Gil venceu por 2-1 e salvou-se da descida à segunda divisão. Tudo em família portanto… P de PROSTITUTAS – Já muito antes de rebentar o Apito Dourado se ouvia falar de orgias de prostitutas com árbitros. Até na segunda divisão isso acontecia, e quem conheça pessoalmente alguém ligado à arbitragem facilmente perceberá do que estou a falar. Marinho Neves também já havia falado dessa realidade, muitos anos antes de António Araújo entrar no mundo do futebol, e de se ouvir falar em Apito Dourado. O envolvimento com prostitutas é uma forma de pressão extremamente eficaz. Se por um lado premeia e vicia, por outro permite sempre chantagear, mantendo nas mãos, quais marionetas, quem por uma vez cai nessa rede, nomeadamente através de câmaras de filmar ocultas. Estando muitas das casas de alterne da zona do grande Porto ligadas a Reinaldo Teles, é fácil perceber a potencialidade deste esquema. Q de QUINHENTINHOS – Por falar nele, Reinaldo Teles tem passado estranhamente pelo meio dos pingos da chuva do processo Apito Dourado. Mas foi ele que apareceu ligado ao célebre caso dos “quinhentinhos”, em finais dos anos noventa, numa conversa no âmbito do caso Guímaro, que nunca foi devidamente esclarecida. Outro dos casos que se perderam na impunidade com que toda esta temática se debateu ao longo dos anos. Sobre ele, há também quem diga que parte do dinheiro da venda de Ricardo Carvalho e Paulo Ferreira foi para pagar dívidas suas no casino de Espinho. Mas isso são contas de outro rosário e pouco interessam ao caso. R de RAÇA – A equipa do F.C.Porto sempre foi admirada pela sua raça, mas algumas foram as vozes que, à boca pequena, se referiram à natureza dessa “raça”. Luciano d’Onofrio, o bruxo “brasileirinho” e sobretudo o Dr.Domingos Gomes, talvez saibam mais do que a generalidade dos adeptos acerca da capacidade competitiva com que os jogadores do F.C.Porto sempre se apresentaram em campo, mesmo quando muitos deles não apresentavam os mesmos índices, nem pela selecção, nem quando saíam para outros clubes. O Dr. Domingos Gomes era, e é, um dos grandes especialistas europeus em (anti)dopagem, e os jogadores portistas tinham, nos anos noventa, fama de levar frascos dentro dos bolsos do roupão já cheios para o controlo anti-doping. S de SPORTING – Sempre me pareceu incompreensível o posicionamento do Sporting em toda esta história. O clube de Alvalade sempre se queixou, e muito, mas nunca percebendo, ou não querendo perceber, onde estava realmente a origem do problema. Apenas Dias da Cunha pareceu a dado passo ter entendido tudo, mas acabou escorraçado da presidência do clube, muito fruto de um pacto que estabelecera com o Benfica a este propósito, e que foi muito mal aceite em Alvalade pelos ortodoxos da rivalidade lisboeta. O Sporting, seus adeptos, e muitos dos seus dirigentes, na cegueira de uma fratricida rivalidade com o Benfica, sempre olharam de lado tudo o que se pudesse parecer com corrupção, mas não envolvesse o clube da Luz. Se o Apito Dourado tem atingido o Benfica, outro galo certamente cantaria, pois ferir o Benfica era tudo o que muitos sportinguistas mais quereriam, mesmo não tendo o clube da Luz vencido mais que um campeonato nos últimos catorze anos. Sendo com o Porto, pouco lhes parece interessar. Aliás, parece-me que cada vez mais as vitórias portistas vão sendo compartilhadas pelos leões – só pelo prazer de ver o odiado Benfica perder -, bastando ver o que se passou e Lisboa nas comemorações do tri. Compreende-se de algum modo a questão emocional, mas esta postura não encerra qualquer tipo de racionalidade, acabando por ser responsável, por omissão, por muito do que tem sido o futebol português. Exemplo disto foi a época 2004-05, em que com Pinto da Costa no banco dos réus, o Sporting e as suas vozes, ao invés de aproveitarem a ocasião para, juntamente com o Benfica, varrerem de vez toda a porcaria do futebol português, viraram agulhas para um rol de acusações ao Benfica, a Vieira e a Veiga, que acabou por beneficiar objectivamente o F.C.Porto, num momento em que este estava verdadeiramente de gatas, e em risco de tão depressa se não levantar. Resultado: o Benfica foi à mesma campeão, e o F.C.Porto reergueu-se, conquistando este tri, não sobrando nada para Alvalade. Os sportinguistas deveriam reflectir sobre isto: Em 1982 o Sporting era claramente o segundo maior clube português, agora é claramente o terceiro… T de TÍTULOS – Se o título de 2003-04, com Mourinho, foi de justiça indiscutível, mau grado as investigações terem incidido sobre essa época, outros houve em que as coisas não foram assim tão cristalinas. 85-86, 89-90, 91-92 e 92-93 foram temporadas em que a verdade desportiva foi completamente adulterada, e em que o campeão deveria ter sido, tem que se dizer, o Benfica. No final dos anos 90, já com o poder sedimentado, e fruto da desorganização interna do Benfica, a facilidade com que o F.C.Porto chegou ao penta não permite afirmar que, sem sistema, não fosse igualmente campeão. Mas a embalagem já era grande. Neste século as coisas melhoraram ligeiramente. Ainda assim, as épocas de 2001-02 e 2002-03, talvez por haver um maior temor do Benfica pós-Vale e Azevedo, foram épocas de mentira Lembram-se do Benfica-Sporting 2-2 apitado por Duarte Gomes (o afilhado de Guilherme Aguiar, então director executivo da Liga), ou do Boavista-Benfica 1-0 da semana seguinte apitado por Pedro Proença, em que Simão foi abalroado dentro da área sem que nada acontecesse ?. A estratégia foi nesta fase sempre a mesma: beneficiar o F.C.Porto e prejudicar o Benfica nas primeiras dez jornadas (em que com menos dramatismo as coisas passavam melhor…), ganhar vantagem, e assim desmobilizar adversários e galvanizar acólitos. U de ÚLTIMOS TEMPOS – A partir de 2004, fruto das vicissitudes do Apito Dourado, a situação melhorou consideravelmente. A incompetência dos árbitros naturalmente não desapareceu por magia, mas passou a haver a sensação de errarem para todos os lados de forma menos discriminada. Contudo, na época de 2004-05, a pressão anti-benfiquista e a respectiva tentativa de condicionamento foi tanta que por pouco não tinha retirado o título aos encarnados, na época de Benquerença, da roubalheira de Penafiel (Pedro Proença não quis ver quatro grandes penalidades !!), do penalti por marcar em Coimbra sobre Sokota, do golo limpo anulado a Nuno Gomes frente ao Marítimo com o resultado em 3-3, do agarrão pelas costas a Nuno Gomes com o Belenenses, do golo sofrido directamente de livre indirecto contra o Nacional, do penálti fantasma marcado por Jorge Sousa em Guimarães num salto de Romeu com Luisão, do penálti sobre Geovanni em Setúbal não assinalado com o resultado ainda em branco, e por outro lado, nos jogos dos dragões, de uma expulsão surrealista de Juninho Petrolina num jogo contra o Belenenses, do golo de Fabiano nos Barreiros dois metros fora-de-jogo, do golo também off-side de McCarthy ao Penafiel em casa, do golo validado após falta de Jorge Costa sobre Ricardo no Porto-Sporting, das agressões impunes de McCarthy, Fabiano, Costinha e Jorge Costa, do penálti escamoteado a Lourenço no Restelo, do domínio com a mão de McCarthy no golo ao Rio Ave, etc etc. Em 2006-07 o campeão podia ter sido o Sporting, não fosse o golo com a mão do Paços de Ferreira em Alvalade, e em 2007-08, caso os seis pontos tivessem sido retirados em tempo útil aos portistas, o campeonato poderia ter sido outro. Isto no pressuposto que o clube de Pinto da Costa não tinha descido à segunda divisão na época 2005-06, como teria acontecido se estivéssemos em Itália, França, Espanha, Alemanha ou Inglaterra, e a nossa justiça não tivesse um “quê” de tanzaniana. Destaque nestas últimas épocas para as arbitragens do portuense Paulo Costa. Uma na Amadora há dois anos, e uma na Luz recentemente com o Leixões, em que ficou demonstrado existirem ainda resquícios de um tempo que se julgava já passado. Lucílio Baptista nos dois últimos domingos também mostrou algum zelo em deixar essa ideia bem vincada. V de VERY-LIGHT – O termo entrou na história na sequência da final da Taça de 1995-96, em que um irresponsável qualquer atirou um para a bancada oposta matando um adepto do Sporting. Sem a mesma gravidade humana, mas com influência desportiva acrescida, houve um caso nas Antas (pois claro), pouco tempo depois, que raia o surrealismo. No momento da marcação de um penálti contra o Farense, com o resultado a zero, cai um very-light sobre a cabeça do guarda-redes nigeriano Peter Rufai. Com ele total e naturalmente desconcentrado, Jardel atirou para o fundo da baliza e o árbitro validou inacreditavelmente o golo, perante os protestos dos atónitos jogadores algarvios. Este caso simboliza o motivo porque técnicos estrangeiros respeitados como Camacho, Koeman ou Trapattoni, sempre disseram ser o F.C.Porto muito “respeitado” nos estádios portugueses. Nas Antas aliás passava-se de tudo. Em 1991 no jogo decisivo para o título, os jogadores do Benfica foram obrigados a equipar-se nos corredores, pois o balneário tinha sido empestado de um estranho cheiro tóxico. Nesse dia o presidente João Santos e Gaspar Ramos foram ameaçados de morte pelo guarda-Abel, e a comitiva benfiquista foi apedrejada logo desde a saída do hotel, o que aliás era comum sempre que se deslocava ao Porto – ao contrário, diga-se, do que acontece em Lisboa, onde os jogadores do F.C.Porto se passeiam a pé livremente nas imediações do hotel Altis onde costumam pernoitar. X de XISTRA – É um dos artistas da nova vaga. Nas últimas épocas realizou na Luz uma das arbitragens mais escandalosas de que me lembro ultimamente, em jogo do Benfica frente ao Beira Mar no qual expulsou de forma alarve Miccoli, impedindo-o de jogar no Estádio do Dragão na jornada seguinte. Na época anterior viu e assinalou de forma anedótica um penálti a favor do F.C.Porto, quando um jogador do Marítimo cortou com a cabeça uma bola que ia para a baliza. O lance seria corrigido pelo árbitro auxiliar, mas mostrou bem porque é que Xistra começa por X. Z de ZÉ PRATAS – Zé Pratas é da minha terra e é bom rapaz. Não creio que tenha estado alguma vez directa e decididamente ligado a corrupção, e talvez por isso nunca chegou a internacional. Chamo-o para aqui por me recordar de uma Supertaça disputada em Coimbra, na qual após assinalar um penálti, Fernando Couto correu metade do campo atrás dele, e ele sempre a recuar, a recuar, sem que sentisse força para tomar a atitude que se exigia: expulsar o irmão da actual directora executiva da Liga de Clubes. Essa imagem, define bem o ambiente que se vivia no futebol português da altura. Como uma imagem vale mais que mil palavras (foto no início do post), essa espelhou bem o que era o medo e o poder. O medo terá entretanto desaparecido, mas o poder ainda prevalece. Até quando ? http://vedetadabola.blogspot.com/