Coentrão marca mais ao FC Porto que Hulk ao Benfica | Relvado

Coentrão marca mais ao FC Porto que Hulk ao Benfica

É um duelo interessante, entre as duas estrelas maiores dos rivais. O benfiquista tem mais apetência
 

Hulk e Fábio Coentrão, os mais cotados futebolistas do clássico de domingo, já defrontaram sete vezes o respetivo adversário, com o português a marcar quatro golos contra o FC Porto, enquanto o brasileiro assinou apenas dois ao Benfica.

O defesa benfiquista, nascido em Vila do Conde há 23 anos, marcou quatro vezes no Estádio do Dragão vestindo três camisolas diferentes (Nacional, Rio Ave e Benfica) e foi decisivo nas duas vitórias aí conseguidas por madeirenses e benfiquistas.

Ao serviço do Nacional, Coentrão contribuiu com dois golos para a vitória dos madeirenses no Estádio do Dragão, a 3 de maio de 2008, no seu primeiro jogo frente ao FC Porto como profissional.

Voltou a fazê-lo, a 15 de fevereiro de 2009, já com a camisola do Rio Ave, clube em que cresceu como jogador e que o promoveu à equipa principal pela mão do “histórico” treinador dos vila-condenses Carlos Brito.

O quarto golo de Coentrão à formação “azul e branca” ocorreu a 2 de fevereiro de 2011, quando abriu caminho ao triunfo do Benfica (2-0), na primeira mão das meias-finais da Taça de Portugal.

Hulk marcou dois 

Com os mesmos sete jogos, o brasileiro Hulk marcou apenas dois golos ao Benfica, ambos na goleada (5-0) infligida no Estádio do Dragão na 10.ª jornada da Liga, a 7 de novembro de 2010.

Givanildo de Souza, batizado para o futebol como Hulk e com 24 anos de idade, chega ao clássico de domingo a liderar os goleadores do campeonato, com 20 golos em 24 jornadas (sete de grande penalidade), naquela que é a sua melhor época como artilheiro ao serviço dos Dragões.

E quando, na mesma prova, se fala de golos decisivos (os que “selam” vitórias por si só), é o avançado brasileiro que tem vantagem na presente temporada: quatro contra dois de Fábio Coentrão, os únicos que assinou esta época na principal competição interna.

Observadores atentos

Atendendo às constantes avaliações de emissários de campeonatos estrangeiros aos dois jogadores, pode afirmar-se com alguma segurança que se prevê um “choque de titãs” numa das alas do relvado da Luz, no domingo.

Ambos são as “pérolas” mais brilhantes em cada um dos plantéis pela quantidade e importância dos golos obtidos, mas também pelo empenho, velocidade, raça e outra mão cheia de adjetivos.

As duas cláusulas de rescisão estão separadas por cerca de 70 milhões de euros: a de Hulk vale 100 milhões (contrato até junho de 2014) e a de Fábio Coentrão está fixada em 30 milhões (até junho de 2016).

Porém, estes são valores que apenas impedem a saída dos jogadores sem negociar os seus vínculos com os próprios clubes, pelo que será o mercado a ditar o derradeiro preço em caso de transferência já no próximo defeso.

Fábio Coentrão, por sua vez, tem valor acrescentado quando se fala de seleções nacionais, contando 14 internacionalizações, enquanto Hulk fez apenas três jogos pela seleção brasileira.

Até à 24.ª jornada, o avançado brasileiro já disputou 1.930 minutos, em 22 jogos, e o defesa 1.798 em 20 encontros.

Ambos já viram seis cartões amarelos cada, mas Coentrão já foi expulso duas vezes, sempre por acumulação.

* com Lusa

Benfica:

Comentários [1]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

O que é que isto interessa

E se interessar o Coentrão não está ainda legalizado, por isso não pode meter golos na casa dos outros......ops.............................