Scolari: iremos até onde nos deixarem | Relvado

Scolari: iremos até onde nos deixarem

 


Scolari: iremos até onde nos deixarem
Luiz Felipe Scolari define o triunfo por 2-0 de Portugal frente ao Irão como «histórico», pois permite às quinas passarem aos oitavos-de-final de um Mundial depois de apenas em 1966 o terem conseguido. «Há 40 anos que não nos qualificavamos», salienta o seleccionador da equipa portuguesa, realçando que agora «aumenta a esperança». Mas Scolari avisa que há em prova Selecções com «muito melhores condições do que a nossa» para triunfarem. Continuando a realçar que chegar entre os oito primeiros é a grande meta, o treinador diz que «iremos até onde nos deixarem».
Tendo em vista o encontro dos oitavos-de-final, Scolari recusa dizer se prefere defrontar a Argentina ou a Holanda, realçando que nessa fase do Mundial as equipas são todas
«muito iguais». Certo é que há Selecções que «têm muito melhores condições do que a nossa em termos de grupo», afiança o seleccionador, frisando que têm entre os 23 convocados uma maior homogeneidade de qualidade. Enquanto «nós temos que improvisar» nalguns sectores, evidencia.
Para o jogo com o México da última jornada da fase de Grupos Scolari constata que é uma partida «para vencer», mas o seleccionador realça que nos permite pensar já no encontro dos oitavos. Por isso o seleccionador refere que Portugal poderá ter «cuidados em relação a cartões» e a outros «detalhes», frisando que «temos tempo para pensar, para recuperar atletas». De resto o treinador nota que a equipa está «crescendo» e que temos «quase todos os jogadores nas suas melhores condições». Scolari explica a utilização de Costinha no onze titular frente ao Irão com o facto de ter vindo «a crescer nos treinamentos físicos e técnicos», salientando também que Maniche foi opção preferencial por ter vindo a adquirir «ritmo». O seleccionador aponta assim que voltamos «à equipa-base que jogou parte do Euro e grande parte da qualificação», deixando prever que continuará a ser a estrutura de eleição para os oitavos.

Quanto ao encontro com o Irão Scolari analisa que foi um jogo com um «índice técnico muito bom» e sublinha que Portugal teve «uma participação muito melhor do que no jogo com Angola».
Para os próximos embates, Scolari salienta que quem «cometer menos erros ou quem fizer com que o adversário mude a sua característica, tem maiores possibilidades» de triunfar.


Foto: Agência Lusa


Primeira Página:

Comentários [64]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Re: Re: O problema é que esses...

«Critiquem, mas com fundamentos.» Foste tu que o pediste. Eu acrescento: com fundamentos válidos e correctos. Por isso, vou fazer algumas correcções aos teus fundamentos, se me permites: 1 - O Baía não fez nenhum jogo de qualificação para o Mundial de 2002. Os primeiros 5 jogos dessa campanha foram feitos pelo Quim e os últimos 5 pelo Ricardo. O Baía, após o Euro 2000 e antes do Mundial de 2002 apenas participou no 1º jogo particular (contra a Lituânia a 16 de Agosto de 2000) e no último particular (contra a China a 25 de Maio de 2002). 2 - O Petit foi titular nos 3 jogos da fase final do mundial de 2002, enquanto que o Paulo Sousa nem um minuto jogou. Os teus restantes fundamentos são subjectividades: O frango que para uns é e para outros não.

Re: Re: Re: O problema é que esses...

Ok vmco, posso ter errado e aceito os teus fundamentos e acredito em ti, pois vês futebol á mais tempo que eu, em relação aos meus outros que chamas subsectividades, penso que são bem fundamentados. Frango é ou não é frango e ponto final e não há meio termo, e se vires os golos vais ver que tudo o que disse são factos e não subsectividades. Já chega de fazer do Baía de vaca sagrada, quando houve jogadores muito piores nesse mundial de 2002, e não foi na balzia que perdemos o Mundial. Abraço.

Oh meu amigo...

"Certo é que há Selecções que «têm muito melhores condições do que a nossa em termos de grupo», afiança o seleccionador, frisando que têm entre os 23 convocados uma maior homogeneidade de qualidade. Enquanto «nós temos que improvisar» nalguns sectores, evidencia." Se temos que improvisar em alguns sectores...então porque raio não convocaste gente para colmatar essas lacunas?! Já agora diz quais são esses sectores... a sério estou curioso... Lateral esquerdo? Trinco? Número 10? Ponta de lança? Bem, estes últimos dois nem é culpa tua pois o futebol português não tem produzido estes mas já se fica com uma ideia...

Re: Oh meu amigo...

Mesmo pra lateral esquerdo não havia gds alternativas, tirando o Miguelito que nunca tinha sido chamado. Central a mesma coisa. lateral direito a mesma coisa. Ponta-de-lança nem falar, tal como número 10. onde podia ter feito alterações era no meio-campo, ms creio que esse é mesmo o sector mais equilibrado, apesar de ser discutível a opção por Viana em vez de Moutinho. Ms tb n vamos por aí agora.