Escândalo do Apito à moda brasileira | Relvado

Escândalo do Apito à moda brasileira

 

ÁRBITRO JÁ ADMITIU MANIPULAÇÃO E COLABORA COM JUSTIÇA
A justiça brasileira já constituiu duas comissões, uma para investigar se há
outras pessoas envolvidas além dos ditos árbitros e do empresário, e outra para
avaliar as arbitragens do Campeonato Brasileiro. Até ao momento não há indícios
do envolvimento de dirigentes ou de entidades desportivas no esquema de
manipulação de resultados, sendo o árbitro Edílson Pereira de Carvalho a
peça-chave deste caso. O juíz está neste momento a colaborar com as autoridades
e já terá admitido, segundo revela a imprensa brasileira, interferências no jogo
da Taça Libertadores entre o Banfield da Argentina e o Alianza Lima do Perú
(argentinos ganharam por 3-2 e passaram para os oitavos-de-final da prova) e em
partidas do Campeonato Paulista de 2004 que terão sido decisivas para definir as
equipas que desceram de escalão. Em causa estão particularmente o
América-Palmeiras (4-1) e o Guarani-Corinthians (0-2), realçando a comunicação
social canarinha que Edílson Pereira de Carvalho recebia do empresário Nagib
Fayad 10 mil reais (cerca de 3700 euros) por cada jogo manipulado. Fayad seria o
responsável pela coordenação de apostas em vários sítios ilegais na Internet.

HÁ QUEM DEFENDA PARAGEM NO BRASILEIRÃO
As investigações vão prosseguir sob a tutela do Grupo de Actuação Especial e
Repressão ao Crime Organizado (Gaeco) que terá em mãos cerca de 20 mil horas de
gravações no seguimento de escutas telefónicas levadas a cabo durante cinco
meses.
E perante este "Escândalo no Apito", conforme os média canarinhos apelidam o
caso, já há quem defenda a paragem nos campeonatos enquanto decorrem as
investigações. O treinador do Palmeiras, Émerson Leão, salienta que é «a
favor [da paralisação], caso isso seja necessário», frisando que quer «o
bem do futebol» e que deseja que «todos os corruptos do Brasil estejam
presos, seja árbitro de futebol ou político», frisa. Mas o presidente do STJD
assegura que «o Brasileiro não pára de jeito nenhum» e ao encontro desta
ideia o promotor do Gaeco, José Reinaldo Carneiro, salienta que «a quadrilha
está desmantelada» e que «ninguém mais espera que o esquema interfira
no futebol brasileiro». «Pelo menos cinco pessoas participavam da
quadrilha, mas nós acreditamos que esse número possa ser maior», frisa ainda
José Reinaldo Carneiro.
Entretanto especula-se também sobre a possibilidade de os jogos comprovadamente
manipulados poderem vir a ser repetidos. Mas esta parece uma hipótese remota,
dadas as implicações demasiado onerosas que poderia vir a ter. De qualquer modo
este caso promete profundas consequências para o futebol brasileiro. Luiz
Zveiter acredita contudo que «a imagem da competição não ficará arranhada, só
ganhamos em credibilidade», salienta sobre as investigações levadas a
cabo.

Primeira Página:

Comentários [9]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Sera que os arbitros receberam uma viagem...

...para Portugal?

Como se diz Cosmos em "brasileiro"?

Re:Sera que os arbitros receberam uma viagem...

Varig
lol

Re:Sera que os arbitros receberam uma viagem...

Nao perguntei como se diz TAP em "brasileiro"?

Re:Sera que os arbitros receberam uma viagem...

E Portugal Telecom?
:)

No Brasil a justiça mas em Portugal ?

Pois em Portugal continua tudo na mesma.

Enquanto num pais do terceiro mundo ao menos ta tudo suspenso.

VERGONHA PARA PORTUGAL, este caso e nao me admira nada a FIFA a nao estar nada contente com o futebol em Portugal.

VERDADE DESPORTIVA, sera pedir demais.

Que inveja

.. um país do 3º Mundo onde a Justiça funciona melhor que em Portugal...

ao menos

os suspeitos já fora afastados dos cargos

em portugal ainda apitam dirigem clubes e desempenham funções na liga e na federação!

Mas o que é que não é manipulado no Brasil?

Sra.Susana diga-nos algo que nós não sabemos :)

A justiça

brasileira é bem pior que a portuguesa... logo se cá ninguém foi formalmente ainda acusado, no brasil na volta vem um pedido de desculpas público...