Empresário diz que Hélton está preparado para regresso de Baía | Relvado

Empresário diz que Hélton está preparado para regresso de Baía

 

DA CANARINHA E COMO O BLACKOUT LEMBRA OVOS DE PATA E DE GALINHA
Marival Gomes considera mesmo saudável esta competitividade pela baliza
portista. «O FC Porto deve estar muito feliz por ter dois grandes
guarda-redes, é motivo de muita felicidade», salienta também na Antena 1. Na
mesma Rádio o empresário de Hélton, e em ano de Mundial, considera que o
guarda-redes «merecia uma chance» na Selecção brasileira, referindo que
«não iria decepcionar o Parreira».
Também o Assessor de comunicação de Hélton, Flávio Dias, destaca na Antena 1 que
«a presença [do guarda-redes] no Mundial seria muito importante para o Porto
e para Portugal». Mas este representante considera que o blackout que
impera no Porto está a prejudicar o guardião «em termos de
evolução, de aparecer, até para um técnico da Selecção brasileira», realça.
Sublinhando que «a imprensa brasileira tem tido muita vontade de falar com
ele», Flávio Dias destaca que se trata de um «problema seríssimo»
para o guarda-redes, embora note que Hélton «respeita a posição do
Porto». Mas «é como aquela história... Você sabe o porquê do ovo da
galinha vender mais do que o ovo da pata? É que a galinha quando põe o ovo grita, a pata não e por isso não vende o ovo», conta o assessor de Hélton
para ilustrar a sua ideia.

Primeira Página:

Comentários [5]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

avô grita, a pata não

Ó patrão!!Aqui em Portugal se diz :

Quem não chora, não mama !!!

Marcel e outros negócios investigados pela PJ

Académica - Buscas no clube, autarquia e casa do presidente

  Marcel e outros negócios investigados pela PJ

A Polícia Judiciária (PJ) está a investigar as “relações perigosas” entre promotores imobiliários, a Académica e a Câmara Municipal de Coimbra. Foram já realizadas buscas na residência de José Eduardo Simões, presidente do clube e ex-director municipal de urbanismo da autarquia, na sede do ‘Briosa’ e até na edilidade local.

Um dos assuntos a aclarar diz respeito à forma com a ‘Briosa’ conseguiu adquirir o passe do futebolista Marcel (actualmente emprestado ao Benfica até final da época) ao Suwon Samsung Bluewings, da Coreia do Sul, por uma verba (1,8 milhões de euros) fora do alcance dos cofres da ‘Briosa’.

Recorde-se que o negócio, na altura, demorou algum tempo a concretizar-se e só foi possível fechar com o recurso a um grupo de investidores que disponibilizou o dinheiro. Para analisar este caso, os investigadores ouviram José Eduardo Simões sobre a empreitada da Urbanização Jardins do Mondego, cujo proprietário é Emídio Mendes, empresário ligado à construção civil e também apontado como detentor de parte do passe de Marcel.

E porque os negócios entre Simões e Mendes geram suspeitas, o CM sabe que as buscas não se circunscreveram a Coimbra. Na região de Lisboa, inspectores tentaram interrogar Emídio Mendes sobre os mesmos processos – Marcel e Urbanização Jardins do Mondego – mas o empresário está ausente do País.

Simões acompanhou as buscas, ladeando os investigadores da área do combate à corrupção e criminalidade económica e financeira da PJ de Coimbra.

Estes tinham ainda como objectivo procurar documentos relacionados com interesses cruzados entre a política, o sector imobiliário e o futebol, sem esquecer as transferências de jogadores. Segundo fonte policial, uma carta anónima remetida, em Abril de 2005, para a PJ, Procuradoria-Geral da República e Inspecção-Geral do Território desencadeou as investigações.

Para já, o presidente da Académica apenas confirmou a visita da PJ à sede do clube: “Face às notícias veiculadas aquando do período eleitoral das autárquicas, esta visita peca por tardia. Viver com a sombra de uma suspeição é o pior que pode acontecer a quem está inocente. A Académica está bem, vai melhorar e eu continuarei, como até aqui, de cabeça erguida.”

O exercício simultâneo da actividade de Simões como director do urbanismo e presidente de clube, que terminou no final de Dezembro de 2005, e a ligação entre alguns empreendimentos imobiliários licenciados pela autarquia e o financiamento do futebol profissional da ‘Briosa’ são o alvo da investigação. Entre as obras referenciadas na carta anónima estavam, entre outras, a remodelação do Estádio Cidade de Coimbra e da Urbanização Jardins do Mondego.

As suspeitas são claras e versam o alegado favorecimento de Simões, então responsável pela Direcção Municipal de Administração do Território, a promotores imobiliários para, desta forma, angariar dinheiro para o clube. Recorde-se que a acumulação de funções sempre mereceram a reprovação da oposição ao executivo de Carlos Encarnação. As irregularidades detectadas na Urbanização Jardins do Mondego – construção de um piso a mais – originaram a saída de quadros da Câmara, levando ao embargo da obra.

  Num artigo relacionado com o caso Marcel, um dirigente da Academica foi apanhado com uma mala cheia de dinheiro no seu carro em flagrante.

De quem é o dinheiro? quem lho deu? porquê? para quê?

Casos de polícia: Mantorras visitado pela policia

O treino do Benfica ficou ontem marcado por um episódio insólito. Minutos antes de Ronald Koeman dar início à sessão de trabalho, no Jamor, Pedro Mantorras foi intimado por dois elementos das autoridades portuguesas, que se deslocaram ao treino com o propósito de falar com o jogador angolano.

O avançado dos ‘encarnados’ tinha acabado de se juntar aos demais companheiros para ouvir a palestra do técnico holandês, quando foi chamado à parte pelo secretário técnico Shéu e dirigiu-se rapidamente ao encontro dos dois indivíduos. Após uma curta conversa, que não durou mais de cinco minutos, o jogador regressou aos trabalhos.

Contactado pelo CM, o internacional angolano escusou-se a comentar o caso, enquanto fonte do Benfica garantiu ao nosso jornal que se trata de um assunto relacionado com a vida particular do jogador.

Recorde-se que em Julho de 2004, Mantorras regressava de um estágio na Suíça quando foi detido, em Lisboa, alegadamente por ter apresentado um passaporte rasurado, podendo a notificação de que ontem foi alvo estar relacionada com este caso. Outra possibilidade é a de as autoridades quererem ouvi-lo acerca dos sucessivos detentores do seu passe, entre os quais se encontravam algumas ‘off-shore’.

O caso do passaporte falso de Pedro Mantorras aconteceu em julho de 2004

Mantorras constituído arguido por falsificação de documentos

O avançado do Benfica, Pedro Mantorras, foi constituído arguido por indícios da prática de falsificação de documentos, crime cuja moldura penal prevê uma pena de prisão entre os seis meses e os cinco anos, ou uma multa entre os 60 e os 600 dias. A informação foi avançada ao Diário Digital por uma fonte do Serviço Estrangeiros e Fronteiras (SEF), que desmentiu ainda que o jogador tivesse um segundo passaporte, válido, nas suas malas.

Segundo o Diário Digital conseguiu apurar, terá sido a mulher do jogador que, numa altura em que Mantorras já estava a ser ouvido pela procuradora do Ministério Público (MP), apresentou um segundo documento, que o avançado teria deixado em casa.
Pedro Mantorras foi, de resto e ao contrário do que habitualmente acontece, ouvido pelo MP ainda nas instalações do Aeroporto da Portela, em Lisboa, durante a madrugada, após o qual a delegada do Ministério Público terá confirmado, logo ali, a validade da detenção pelos agentes do SEF.

A representante do Ministério Público decidiu ainda aplicar ao futebolista do Benfica a medida de coacção mais leve do Código Penal português, a de termo de identidade e residência, após ter sido constituído arguido por indícios da prática de falsificação de documentos.

Ainda segundo a fonte contactada pelo Diário Digital, o processo seguirá agora para o Departamento de Investigação e Acção Penal (DIAP) já na próxima segunda-feira, dia 26 de Julho, ao qual caberá avaliar se existe ou não material para dedução de acusação e consequente ida a julgamento.

Estas declarações do empresário de Helton são

Uma chapada de «Luva Branca» para algumas pessoas que insistem dizer que Vitor Baia não pode ficar no banco de suplentes, porque é perigoso no ambiente do grupo de trabalho.

Parafraseando do treinador-agricultor de palmela, «Vocês sabem do que eu estou a falar»

ahn?

O que tem o avô da galinha a ver prá história?!?!?!?

Risota!

Para Scolari e os seus seguidores lerem

«tem em Vítor Baía talvez o melhor amigo em termos de receptividade».

Eu sei que vou levar despropositado, mas...

não resisto:

Ele tem em Baía um grande amigo, porque o rapaz está carente, é que não bastava ser suplente, agora o Peixoto além de se lesionar, casou-se... :D