Onde está a magia do futebol? | Relvado

Onde está a magia do futebol?

 

Um destes dias, falava com um amigo sobre as míticas idas ao futebol e do que era característico. Ele, portista, lembra com saudade o homem da corneta no antigo Estádio das Antas, que todos conhecíamos, e que se ouvia mesmo nas transmissões televisivas.Para mim, sportinguista, era incrível ver um jogo em Alvalade com uma larguíssima curva onde a Juve Leo dava cartas.Para os benfiquistas, penso que a antiga Luz com capacidade para 120.000 pessoas e a alegria constante do Terceiro Anel serão uma memória irrepetível.
pois

I Liga:

Comentários [63]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Futebol à moda antiga.. a verdadeira magia!

Eu há 3 atrás anitos em pleno mundial escrevi uma crónica onde relembro parte da magia perdida do futebol. Aqui fica um excerto: by zefil O futebol caminha a passos largos para a podridão com as festas no estádio do politicamente correcto, com a censura, com as regras e regrinhas que vão aparecendo. Quem gosta de futebol à maneira antiga, como eu, só se pode sentir indignado. Observemos o que desapareceu do futebol e que lhe dava algum brilho. - Mensagens políticas nas bancadas, fossem elas de extrema direita ou de outra tendência qualquer. Actualmente é proibida sua exibição. Reflectiam algumas vezes a preocupação de um povo perante os problemas da sociedade. Na maior parte dos casos reflectia a sede de sangue e porrada de alguns skins que por aí andavam. Foi daí que nasceram as claques de futebol que tanto prezamos  Em último caso as faixas de carácter racista e xenófobo serviam para as pessoas se entreterem a lê-las quando o jogo estava a ser um seca... - Verylights e tochas de várias cores. Proibidos. Se bem que o verylight fosse um objecto perigoso, já as tochas sempre deram uma grande espectacularidade às bancadas, em especial quando se conjugava várias cores, como o azul e o amarelo, ou o vermelho, ou o branco e o verde, etc. As tochas também serviam para atear os rolos de papel higiénico que eram lançados para cima dos guarda-redes adversários e para incendiar os cachecóis das equipas contrárias. Bonito! - Treinadores de bigode farfalhudo a fumar no banco dos suplentes. Em desuso. A imagem de marca dos treinadores portugueses vai desaparecendo aos poucos. Felizmente ainda temos o grande Toni, a quem infelizmente ninguém lhe dá emprego. Neste Mundial, o treinador do México foi visto a fumar junto ao relvado e logo o acusaram de ser um mau exemplo para os jovens. Mau exemplo é o Bibi e o Carlos Cruz que tiram a virgindade rectal às crianças de tenra idade! ... Esta crónica foi entretanto interrompida pois eu fui até ao café ver a segunda parte do Portugal – Holanda e à boa maneira da festa do futebol que eu defendi à uns parágrafos atrás, rebentou-me um petardo na mão (que por acaso não era meu) e que me impossibilita de continuar a teclar a uma velocidade que permita acompanhar o ritmo dos pensamentos. Logo, e depois de rever a trampa que escrevi dou por concluída esta crónica. God save the Queen!

O homem do trombete esteve no ultimo fds..

..no Dragão, no jogo frente ao Nacional! Já recuperou dos problemas de saúde e volta a marcar presença nos jogos do FCP na companhia da esposa. Faz-se ouvir menos que no passado mas não deixa de lá estar. É um dos grandes símbolos do FCP!!!

Re: O homem do trombete esteve no ultimo fds..

É um cabrão com todas as letras. Um anti-social, um escaravelho no estado puro, uma pessoa que não dignifica em nada o FC Porto nem os seus adeptos, independentemente do jeito para tocar trompete. Tive o infortúnio de o conhecer, no único momento da minha vida em que perdi a calma. Cumps

Re: O homem do trombete esteve no ultimo fds..

errata: t - r - o m - p - e - t - e

Re: O homem do trombete esteve no ultimo fds..

o Sr. Lourenço.... um clássico das Antas

Re: O homem do trombete esteve no ultimo fds..

ah serio? ainda bem,espero que ele continue a apoiar o fcp com o seu trombete,ja tinha saudades dos canticos do gajo eu cresci a ouvir o trombete do gajo nos jogos do fcporto

Re: O homem do trombete esteve no ultimo fds..

Os Cânticos do Trompete. És muita burro animal.

Trompete, e não trombete...

...ai, ai... Eu sei que o lapso não foi teu originalmente, mas tu repetiste-o e não foi só uma vez...

Re: Onde está a magia do futebol?

Não me digam que os jogadores eram melhores , porque não eram! Aí estás redondamente errado. Eu gostava de ver estes meninos de hoje jogarem em pelados todos lamacentos e fazerem o que fazem hoje.Se calhar nem podiam com a bola. Eu gostava de ver um guarda-redes ou mesmo um jogador de campo actual,fazerem o que o Azevedo fez num Sporting-Benfica. E fico-me por aqui senão há muito pano para mangas para se fazer a diferença. Não me digam que os bilhetes eram mais baratos , porque éramos mais pobres. Não sei se eramos mais pobres do que hoje,pelo menos naquela altura o dinheiro dava até ao fim do mês e ainda sobrava uns trocos.Hoje cega-se a meio do mê e praticamente não se tem dinheiro já.É preciso lembrar que o custo de vida era muito mais barato e só para te dar um exemplo,ias à praça ou à ribeira e trazias os chixarros de borla,hoje custam uma fortuna. Quanto aos bilhetes é outro erro teu porque antigamente só se pagava para o campeonato em 3 jogos os outros eram todos à borliú e como é lógico mais baratos. O que pagas hoje só num jogo dava-te para durante 10 anos veres em casa todos os jogos de futebol e das modalidades amadoras. Outro dos contras é a transmissão dos jogos na televisão.Enquanto hoje dá-te os jogos quase todos da jornada,antes raramente vias 1.Ou davam em diferido quando eram os jogos grandes,ou só davam em circuito fechado para a zona onde se jogava e um raio de 50 km da mesma.

Re: Onde está a magia do futebol?

Não me digam que os jogadores eram melhores , porque não eram! Aí estás redondamente errado." Em Portugal, o nível era substancialmente inferior. Basta lembrar que grande parte dos apuramentos para mundiais e afins, por esta altura já nem na matemática resultavam. Tínhamos jogadores para consumo interno que ninguém sabia quem eram no estrangeiro. Foi estudado e comprovado: um jogador hoje corre mais 3km em média por jogo do que corriam nos anos 70, mais 2km que nos anos 80. Resumindo, esses grandes jogadores, dificilmente tocariam na bola. "Eu gostava de ver estes meninos de hoje jogarem em pelados todos lamacentos e fazerem o que fazem hoje.Se calhar nem podiam com a bola." Não há comparação. Tudo era diferente. Falhava-se mais tacticamente, havia mais goleadas, se íamos jogar ao estrangeiro, perdíamos sistematicamente porque éramos inferiores fisicamente, resumindo: éramos piores. "Eu gostava de ver um guarda-redes ou mesmo um jogador de campo actual,fazerem o que o Azevedo fez num Sporting-Benfica. E fico-me por aqui senão há muito pano para mangas para se fazer a diferença." Os jogadores tinham tão poucas aspirações a jogar no estrangeiro que o topo da sua carreira era jogar nos 3 grandes, e chegar à selecção. Hoje poucos se contentam com isso. Tinham muito mais espírito de sacrifício e nisso nem há discussão. Não me digam que os bilhetes eram mais baratos , porque éramos mais pobres. Não sei se eramos mais pobres do que hoje,pelo menos naquela altura o dinheiro dava até ao fim do mês e ainda sobrava uns trocos.Hoje cega-se a meio do mê e praticamente não se tem dinheiro já.É preciso lembrar que o custo de vida era muito mais barato e só para te dar um exemplo,ias à praça ou à ribeira e trazias os chixarros de borla,hoje custam uma fortuna." Éramos de facto mais pobres. Eu era pelo menos. E também tínhamos muito menos que fazer. Ir ver um jogo, significava ir a Lisboa, para mim, que sou alentejano. Hoje vou a Lisboa, sempre que quero, nem que seja para ir ao teatro, de forma normal. Na altura, não dormia na véspera de nervoso. "Quanto aos bilhetes é outro erro teu porque antigamente só se pagava para o campeonato em 3 jogos os outros eram todos à borliú e como é lógico mais baratos." Estás a falar de sócios. Mas quem podia ser sócio? as cotas não eram propriamente dadas para um sócio efectivo. "Outro dos contras é a transmissão dos jogos na televisão.Enquanto hoje dá-te os jogos quase todos da jornada,antes raramente vias 1.Ou davam em diferido quando eram os jogos grandes,ou só davam em circuito fechado para a zona onde se jogava e um raio de 50 km da mesma." Possivelmente o maior dos contras. E aqui os clubes, que ganham fortunas de direitos televisivos, não se acautelaram, e não bastam umas cheerleaders e uns gajos a contar anedotas para melhorar o espectáculo.

TV

Atenção que, embora possa ir menos gente aos estádios, nunca houve tanta gente a ver jogos pela televisão

Eu penso que

não ir ao estádios revela o preço elevado dos bilhetes em relação ao ordenado que é mais comum na população portuguesa. Das últimas vezes que fui à "nova" Luz, reparei que o ambiente não é o mesmo, parece que estamos a assistir a um espectáculo de música erudita tal a atitude das pessoas. As pessoas não se divertem e com a diferença de preços nos bilhetes entre a bancada central e o topo do estádio, sectariza-se cada vez mais o "antigo espectáculo do povo". Isso impossibilita a muitos adeptos de calsses mais baixas assistir a um jogo e irem assistir pessoas que se preocupam mais com o que parecem do que com o jogo. Recentemente lembro-me de ver uma senhora mui nobre muitíssimo aperaltada para assistir a um jogo de futebol. Muitos jogos que fui em criança e não era essa a mentalidade. Actualmente as pessoas não cantam, n-ao vibram, apenas assistem a um espectáculo que tanto podia ser este como outro qualquer. Assim desaparece a mística que existia. Não é por haver melhores ou piores jogadores, mas melhores ou piores adeptos. Outra coisa que era comum era todo o ritual de: "ir petiscar à cervejaria, comer uma bifana e beber umas cervejas ou um penálti tinto e ir com os amigos ver o jogo." Então na final da Taça de Portugal era algo que sempre existia... Agora nem assados se pode fazer. Cumprimentos, Not_me

Acho que tocaste em grande parte dos pontos

O futebol era uma festa, agora é algo que se vê sentado. Se tirassem as cadeiras "a coisa" melhorava substancialmente quase no imediato.

Re: Acho que tocaste em grande parte dos pontos

Pois, mas não acho que passe exclusivamente por aí... Aliás grande parte das cadeira podiam ser mantidas. Talvez com campanhas como antigamente era comum, das crianças não pagarem bilhete. Actualmente um puto com 5 anos paga o mesmo bilhete que eu. É triste mas é verdade. Bilhetes mais baratos, mais liberdade nos lugares e menor diferença de preços entre bilhetes eram medidas que também se podiam aplicar. Cumprimentos, Not_me

Re: Eu penso que

" Actualmente as pessoas não cantam, n-ao vibram, apenas assistem a um espectáculo que tanto podia ser este como outro qualquer. " Concordo totalmente. É triste ouvir, em vários momentos do jogo, silencio no estádio e se não fossem as claques, seria quase no jogo inteiro. (Pelo menos uma cena que as claques têm de bom) Cumps

Re: Eu penso que

É a única qualidade que valorizo nas claques... Cumprimentos, Not_me

Re: Eu penso que

se tivesses sob efeito k a maioria estão tambem cantavas e fazias barulho os 90 min...lol a ultima vez que fui ver o SCP foi em coimbra...comecei pa la a cantar...e as pessoas ao meu lado lançavam-me uns olhares do genero "epa ta calado que kero ver o jogo sossegado"...ahahah sao outros tempos amigo... cumps

Re: Eu penso que

Epa eu fumo um charro e não fico naquele estado... lol Acho que tem a ver com um comportamento de afirmação. Mas enquanto apenas se manifestar dessa forma não é mau. Só que normalmente a violência é o estado seguinte. Agora, também acho que não é necessário estar sobre o efeito de algo para sentir o clube de uma forma mais "exaltada". Cumprimentos, Not_me

Re: Eu penso que

Bem Escrito......... CUMPS.........

Re: Eu penso que

Obrigado caro user. Cumprimentos, Not_me

Apitos Dourados nao ajudaram....

A Tv é uma das maiores causas para ver o fut em casa....e sozinho em casa perde-se grande parte da emoção.... e hoje em dia com a cultura dos media a empurrar "a crise" para a mente do publico ao mesmo tempo que empurram a informação que o Cristiano custou 100 milioes de euros....isto conjugado passa um grande mau estar...isto principalmente em Portugal....as pessoas cada vez mais se revoltam por os enormes ordenados usufruidos pelos "craques"...e acabam por se afastar mais da bola... antes nao havia tanta informação sobre essas coisas...ganhassem muito ou pouco....agora ate sabemos que o Cristiano gastou 5000 euros em champagne numa noite... cumps

Re: Apitos Dourados nao ajudaram....

Bem Escrito CUMPS.........

Sobre a primeira pergunta

"Porque não vamos tanto ao futebol como íamos?" vou responder por mim. - agora todos os jogos do meu clube dão na tv. - muitas vezes a horas impróprias. - o dar na tv cria um hábito e criado um hábito sair dele é difícil. - criei o vício de estar mais tempo em casa e a internet...vocês sabem como eu! - o ambiente do Dragão não é o das Antas. Não sou saudosista por natureza mas neste caso sou, aquele ambiente das pipocas e o de em vez de estarem a ver o jogo andarem a tirar fotos não me agradou quando lá fui. Para além disso nas Antas mudava de lugar na 2ª parte e agora é difícil porque os lugares são marcados e estão quase sempre preenchidos. Se eu deixei de ir outros foram e não faço falta nenhuma - talvez um dia volte a ser mais assíduo.

Eu acho que é mesmo o dinheiro...

... Porque se antigamente as pessoas ganhavam mil escudos, mas para ir ao futebol a época toda se calhar gastavam dez tostões, agora ganham (infelizmente talvez a maioria) menos de 1000 euros e para ir ao futebol no mesmo período de tempo têm que pagar talvez uns duzentos euros (valor pelo lugar+cota mensal de sócio). Provavelmente os valores que eu apresentei estão desfasados da realidade, contudo, se alguém souber fazer as contas certas, não tenho a mínima dúvida que chegarão à mesma conclusão. Se depois juntarmos a isto as claques, que, ao contrário do previsto, só nasceram para gerar mau ambiente, então estamos perante as condições ideais para a desvirtuação do espírito de família. Sim, porque os próprios clubes de hoje com a entrada e saída constante de jogadores têm tudo para que o comum venenoso os chame de "bórrrdéus". Felizmente que longe vão os tempos em que os pais levavam os filhos às meretrizes para estes se estrearem... Se duvidarem do que eu digo, espreitem a selecção... BLARGH! É só missionários.

Re: Eu acho que é mesmo o dinheiro...

"... Porque se antigamente as pessoas ganhavam mil escudos, mas para ir ao futebol a época toda se calhar gastavam dez tostões, agora ganham (infelizmente talvez a maioria) menos de 1000 euros e para ir ao futebol no mesmo período de tempo têm que pagar talvez uns duzentos euros (valor pelo lugar+cota mensal de sócio)." Epá, de todo... os bilhetes de época eram um privilégio de classe média/alta. A proporção não era de todo essa. Para ir ver um jogo, tinha de ir buscar dinheiro das prendas de natal e anos e agora um miúdo com dinheiro da mesada vai ao futebol.

Nem me fales da "nossa" selecção...

... aquilo mais parece a selecção do Jorge Mendes! Estou mesmo triste com a forma como estão a tratar a nossa selecção... ai se eu fosse o 1º ministro ou o presidente, já teria dado numa de Berllusconi (com a diferença de eu perceber mais de bola do que o italiano... modéstia à parte!) Lol! ;D

Perdeu-se o amor à camisola e o bairrismo

Quanta gente chorava pelo seu clube e agora já não o faz? E não me venham com histórias de que chorávamos quando éramos putos, porque isso não cola. Eu chorava pelo meu clube quando era puto, porque ainda não tinha noção de que o futebol de hoje é uma indústria. Ora, os meus tios, mesmo adultos, eram capazes de chorar pelo seu clube, porque na altura, o futebol ainda não era uma indústria. É isto que faz falta ao futebol: paixão! A paixão dos adeptos, motivada também pelo bairrismo, sem fanatismos, que anteriormente existia e agora deixou de existir. E a paixão dos jogadores, que deixavam tudo em campo e ao fim do dia ainda iam trabalhar na faina ou na fábrica lá da terra. Há alguns episódios que me recordo, dos meus tempos de miúdo e que hoje o meu puto não vai poder assisitir.
  • Estádio Dr. Magalhães Pessoa (Leiria) cheio Recordo-me do meu pai me levar a ver jogos do União, na primeira vez em que estiveram na primeira divisão e aquilo estava cheio. Eu não liguei nenhuma ao jogo, porque passei o tempo todo na parte de baixo da bancada, a jogar à bola com outros putos. Alguém hoje em dia vê o estádio em Leiria cheio? E alguém deixa o seu filho hoje em dia, afastar-se de si, no meio de um estádio cheio de adeptos? No mesmo estádio, uns anos mais tarde e com o União na 2ª Zona Centro, recordo-me de sair da escola a meio da tarde, numa quarta feira, para ver um jogo da Taça de Portugal. Na altura a Taça jogava-se à quarta-feira muitas vezes (mesmo os grandes) e não havia trasmissão televisiva. Recordo-me de ver o jogo no peão, e do pessoal mijar atrás das árvores, porque não havia WC. Ou seja, não era pelas condições do estádio, que eles estavam mais cheios...
  • Estádio de São Luís sempre cheio Este estádio em breve vai ser demolido, mas durante anos a fio, foi um autêntico tormento para as equipas visitantes. Estava smepre cheio ou quase, fosse contra quem fosse. Duvido que alguma vez o Farense se consiga reerguer e o mesmo digo do Estádio.
  • Derbies regionais Recordo-me da enorme rivalidade que existia num Farense-Olhanense e numa imensidão de derbies regionais, que fizeram a história do futebol português. Hoje em dia só existe um derby praticamente, que é o Sporting-Benfica, porque até o Boavista e o Salgueiros se afundaram, deixando o Porto sem rival citadino. Se eu quiser mostrar um derby ao meu puto, só se o levar a passear na blogosfera, porque é o único sítio onde as rivalidades ainda existem.
  • Benfica-Sporting com 140 mil às 4 da tarde de um domingo E isto quando era o jogo que decidida o título! Ou seja, transmissão televisiva, só à noite, depois do Domingo Desportivo e com comentários do Gabriel Alves. Eram outros tempos, em que o público até invadia o terreno de jogo e permanecia atrás das linhas laterais e finais, à espera que o árbitro apitasse, para invadir aí sim, o terreno de jogo e roubar as camisolas aos jogadores. Há quanto tempo, é que não existe uma invasão de campo saudável? Hoje em dia, nem quando um clube é campeão. Ou seja, comemora-se um título, da mesma forma que uma empresa quando apresenta um resultado líquido positivo, faz-se uma conferência de imprensa, dão-se umas entrevistas na TV, mas o resto, a paixão, já não está lá. O que falta ao futebol é a paixão! Vão a África ou à América do Sul (eu nunca fui), desconfio que lá, ainda existe essa paixão e o futebol é a alegria do povo.
  • Re: Perdeu-se o amor à camisola e o bairrismo

    Desculpa mas não concordo contigo.Eu ainda recentemente no golo do Costinha em Old Trafford chorei a bom chorar,lol. Cumps

    Re: Perdeu-se o amor à camisola e o bairrismo

    e em Sevilha??? meu deus, parecia a minha mulher a ver o titanic ;)

    Re: Perdeu-se o amor à camisola e o bairrismo

    Tu deixas a tua mulher ver jogos do Sporting?