Menos equipas significa mais competitividade? | Relvado

Menos equipas significa mais competitividade?

 

mrtaz diz: "não posso deixar de reparar
que os 3 melhores campeonatos de futebol da Europa possuem 20 equipas,
enquanto o português está a reduzir o seu nº para 16 no final desta época. Acho
que esta opção é má para o futebol português, pois havendo menos equipas
a competir, as melhores conseguirão sobrepôr-se ainda mais às mais fracas dado
que podem fazer uma gestão do plantel mais folgada. Será que o nº mais
elevado de equipas não obriga a uma gestão mais rigorosa dos plantéis e aproxima
as equipas em termos de qualidade? Acham que a redução de equipas é a
solução?"

I Liga:

Comentários [24]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Metade chegava

Tudo o que seja mais que 12 equipas na super liga é uma multidão.
Não está em causa o aumento ou não da competitividade; está em causa, principalmente, a subsistência dos clubes.
Uma liga dos 12 melhores, uma liga de honra com 2 grupos Norte e Sul e por aí fora, fazendo zonas cada vez mais pequenas, principalmente no que toca aos escalões de formação. De notar que o meu filho, juvenil, tem jogos quase a 200 Km de distância, ainda há dias se levantou às 5 da manhã para estar às 9 horas no destino, tendo o clube que arcar com despesas enormes de transporte, almoço, etc.
Como é que querem que os clubes aguentem, principalmente aqueles que, nos seus jogos em casa, tem apenas algumas centenas de pessoas a assistir?
É preciso que as pessoas ganhem amor aos seus clubes, independentemente dos seus resultados desportivos, independentemente de jogarem na super liga, na liga de honra ou nas divisões secundárias.
Eu, sportinguista, não me importo nada que o meu clube não seja um Milão, um Manchester, um Real Madrid ou um Benfica, que são, sem qualquer sombra de dúvida, os 4 maiores clubes do mundo.

Beijinhos.

Re:Metade chegava

Pela tua ultima frase, deves ter tanto de Sportinguista como eu... ou seja nada!

A minha visão do assunto

O problema da competitividade não está relacionado com o número de equipas participantes, mas sim com o suporte económico das equipas e com o número de adeptos que arrastam (esse "arrastamento" tem reflexos, embora não imediatos, nos plafonds publicitários e televisivos).
O futuro do futebol profissional será condicionado por estas variantes acima mencionadas.
Assistiremos no futuro, não muito longínquo, a campeonatos disputados por equipas que não serão classificadas para a prova em função dos resultados desportivos na época anterior, mas sim em função dos seus orçamentos financeiros.
Uma equipa que foi campeã pode nem disputar a prova na época seguinte.
A exemplo do que se passa na NBA e também na Liga Profissional de Basquetebol em Portugal. Quem se lembra do Estrelas da Avenida campeão? E do Portugal Telecom?
Ganharam e desapareceram por falta de suporte financeiro (1ºcaso) e desinteresse em apostar mais no 2ºcaso.
Não quero deixar este comentário sem citar quais são as equipas competitivas em Portugal nas mais diversas vertentes.
F.C.Porto, Benfica e Sporting continuam a ser altamente competitivos.E não são mais, porque têm incompetentes na área do marketing. Todos eles sem excepção.
Braga, Guimarães (que duplicou em apenas um ano o número de sócios!), Boavista e Académica têm possibilidades de se aguentarem num futuro próximo.
Há um Leixões que se subir vai fazer crescer as assistências.
E agora vêm as más notícias...
Que andam a fazer na Superliga equipas como União de Leiria e Belenenses que não conseguem ter, quando têm, mais de 1000 assistentes?
A descida de divisão, por via desportiva ou desistência é uma questão de tempo.

Não há solução

enquanto não se imitarem os exemplos do VSC e do Leixões a nossa liga até pode ser reduzida para 10 clubes que vai continuar a dar prejuizo, e vai continuar a ser desiquilibrada e desinteressante.

Re:Não há solução

Esqueces-te da Académica, que também leva muita gente aos estádios

E se calhar

ainda podia levar mais.

Mas é uma verdade que é dos bons exemplos da liga.

Resposta simples e curta!

Eu bem queria responder mas aparece iso :|

O seu comentário foi rejeitado por um processo automático de validação de comentários.

Ascii art. Muito creativo,.. Mas aqui não, sff

Só uma pergunta !

Os países desses "3 melhores campeonatos", quantos habitantes têm e qual é a média de assistência por jogo ?

Portugal e a mania das Grandezas

Já com o aeroporto também está previsto gastarem 8 mil milhões de euros..

Meus amigos, vou vos expôr o caso da Suiça que está muito bem explanado neste site

Resumidamente:

"A Suíça está longe de ser um país populoso (possui pouco mais de 7 milhões de habitantes) e o mercado interno não é dos mais volumosos. Além disso, as diferenças culturais entre as regiões francesa, italiana e alemã são muito fortes, com cada região tendo pessoas de gostos e costumes próprios. O que ajuda a reduzir ainda mais o mercado potencial."

"A crise no patronato e a redução do poder de venda de atletas levou o futebol suíço à crise financeira, agravada pela crise técnica, já que os clubes helvéticos tinham poucos argumentos económicos para concorrer com os enriquecidos alemães ou franceses por um jogador de qualidade. Nos últimos anos, praticamente nenhum clube suíço termina a temporada com lucro."

"Para tornar o Campeonato Suíço mais atrativo, a liga local decidiu reduzir de 12 para 10 os clubes na Primeira Divisão a partir de 2003-04. Mesmo assim, era questão de tempo para surgirem os casos de crise financeira acentuada."

Ora bem, Portugal tem 10 milhões de habitantes, tem grandes diferenças inter-regionais, praticamente nenhum clube da I Divisão dá lucro, porque raio havemos de ter 20 equipas e os suiços equacionarem 10?!

É certo que existem GRANDES diferenças na qualidade do futebol suiço e do português.. ou não, por acaso já viram a prestação da selecção suiça na fase de qualificação para o Mundial? Não? Então vejam, vão ficar perplexos tanto nos resultados como nas exibições.

Mais competitividade sem dúvida porque as equipas serão mais homogéneas entre si, não irão haver tantas discrepâncias e terá de haver mais empenho nos seus gestores quanto à sustentabilidade económica dos clubes.

Cumps.

Re:Portugal e a mania das Grandezas

É um pau de 2 gumes.
O que é certo é que a nossa 2ª divisão de honra leva os clubes a se afundarem ainda mais, devido à pouca relevancia que os media dão a esta divisão e aos estádios sempre vazios por falta de interesse local.
Ao menos na 1ª ainda têm as vantagens das transmisões televisivas e os tais encontros com os grandes .
Por exemplo uma Naval por exemplo ao receber o Benfica amanha deve fazer mais receitas que toda a época desportiva na 2ª de honra o ano passado.
Depois claro desgraçam-se com alguns jogadores de 1ª linha na ansia de subirem rapidamente, o que muitas vezes acaba por não acontecer.

Acho que deste um exemplo mau , pois os suiços dão mais importancia por exemplo aos desportos de inverno que ao próprio futebol.
Já em Inglaterra por exemplo os estádios estão sempre cheios qualquer que seja o jogo.

Re:Portugal e a mania das Grandezas

Os suiços dão mais relevância aquilo em que são realmente bons, contrapondo, achas que Portugal daria hoje alguma importância (televisiva no mínimo) ao futsal se não tivessemos evoluido e nos tornado competitivos nesta modalidade? Além de que os suiços até dão algum destaque ao futebol..

É curioso que levantas uma questão interessante; se aquilo que a Natureza dá aos Suiços é neve e eles a aproveitam com os desportos de inverno, porque é que aqui em portugal que a Natureza nos deu este mar recheado de boas ondas, não havemos de dar mais destaque aos nossos surfistas? Ou se quisermos aos "desportos de verão"? Convinha ao invés da porcaria estrangeira que comemos, começarmos a importar o que de melhor se faz lá por fora (a começar pelas ideias) e aproveitar o que de melhor temos para dar, para nós.

Quanto à II Divisão ou Divisão de Honra (penso que te referias a esta última) só não se dá mais destaque porque temos uma I Divisão atolada de equipas.. com as 4 equipas de estaleca que irão descer da I Divisão com certeza que irão também crescer os índices de competitividade da Divisão de Honra e consequentemente também irá crescer o interesse pelo decorrer deste campeonato.

Cumps.

Re:Portugal e a mania das Grandezas

Quanto aos 2 primeiros pontos:
O FutSal só começou a dar nas vistas porque os 2 grandes começaram a competir nele a toda a força.
Quanto aos outros desportos, bem podiamos apostar mais em Atletismo;Natação e desportos de verâo, mas o que o povo e o estado gosta e ainda gasta algum dinheiro é mesmo o futebol.
De resto é um deserto mesmo, salvo alguns ( pouquissimos) exitos, tirando o quase extinto na Europa Hóquei Patins.

Em Portugal alias gira tudo infelizmente à volta de 3 clubes, por mais que não se queira.

Se a nossa cultura futebolistica fosse mais descentralizada, como nos melhores campeonatos ( Espanha;França;Inglaterra;Italia;Alemanha) onde a massa adepta se dispersa muito mais, talvez essa crise se notasse menos, uma vez que as pessoas vão ao estádio vêr a sua equipe e não esperam pela visita dos chamados grandes...resultando muito mais receitas de bilheteira.
É claro que também há clubes na Europa em crise financeira, mas esses é mais por investimentos desenfreados do que falta de apoios.

Acho que há clubes a mais neste pequeno Pais...em cada esquina há um clube.Havia de haver junções para tornar os clubes mais compativeis.

Enfim, tinhamos assunto para a noite toda :)) mas acredita que quantos mais clubes houver na 2ª de honra e abaixo, mais crise haverá para estes, uma vez que vivem com muitos parcos recursos.

Cumps

Re:Portugal e a mania das Grandezas

Olha que eu penso que pelo facto de se reduzirem equipas na Superliga, também vão reduzir o número de equipas na Divisão de Honra e seguintes, caso isso não suceda, no mínimo, mantêm o mesmo número e descem mais equipas no ano da transição para compensar..

Era realmente absurdo alargar o número de clubes na Div. de Honra, quanto a isso e ás suas repercussões concordo em absoluto contigo.

Em relação a não haver grandes assistências na maior parte dos clubes à excepção dos ditos grandes, eu acredito que seja apenas uma questão de desânimo.. tal como acontece também com os grandes quando os adeptos deixam de acreditar nas pessoas que representam esse clube (presidentes, jogadores, treinadores...) eu vejo pelo Estoril.. quando subiu para a I Divisão foi por aqui uma festa, estádio sempre cheio desde a II Div. até à Honra, agora vais lá.. quase vazio.. ou estou-me a lembrar da Oliveirense quando foi à Luz para a Taça, o jogo não foi transmitido pela televisão, mas aquela claque fez a verdadeira festa!

Os clubes têm de ser consistentes, apostar na continuidade, embora cientes das suas limitações têm de ser ambiciosos para progredir e isto só se consegue em ambientes competitivos segundo uma lei de Darwin adaptada.

Sabemos que algo correu mal quando se gastaram milhões de euros em estádios de futebol para o Euro sem qualquer retorno de utilidade para alguns deles, e, vemos por outro lado, modalidades promissoras com provas dadas capazes de encher Portugal de orgulho a queixarem-se de falta de verbas...

Enfim, Portugal ainda não percebeu que a quantidade não é qualidade e o que mais me assusta é que a mentalidade esbanjadora já vem do tempo dos Descobrimentos (com tanta riqueza o que é que os portugueses fizeram?) tanta bravura, tanto heroismo para acabar na miséria e no queixume. Mas eu acredito que a nossa História não acaba aqui.

Cumps.

Redução

Eu Acho que a medida de reduzir a nossa liga é boa, se acompanhada com mais uma competição... A taça da Liga, jogada com as equipas da 1ª e segunda liga... ou lá como se chamam!

Os campeonatos

Convêm que se compare as verbas publicitárias, Televisão , e outras fontes entre os 3 campeonatos referidos e a nossa realidade.
  Por ai se entende melhor qual o tipo de jogo , que a última equipa equipa, desses campeonatos joga.
Em Portugal, quando poucos ovos para cozinha, se faz do estrugido acompanhamento e das calorias pobres a refeição. Enche a barriga? Engana , mas a esgana vive de olho nos buracos e no jogo um autocarro à defesa, pobre logo , a todo o custo.
A única vantagem? As equipas em competições internacionais saberem jogar à defesa ou ter hábito em romper estruturas ultra-defensivas. Isto não é equilíbrio, é falta de estômago, e empates saudados como se de um campeonato se tratasse .

Isto não é uma questão de dinheiro...

Não é uma questão de população...

A existência de mais jogos abre a necessidade de gestão de plantéis, e no caso das equipas com poucos recursos abre caminho a jovens que podem ganhar ritmo competitivo numa Liga principal, em vez de andarem-se a adaptar a campeonatos muito fracos como a 2ªB...

Só isso abre espaço à afirmação de novos talentos quando se diz que não se dão oportunidades aos jovens...

As equipas grandes veriam-se também obrigadas a largar o esquema de onzes base que se repetem por jornadas e jornadas tendo mais vezes que escolher aqueles jogadores do plantel que lhes dão menos garantias, equilibrando a balança entre as equipas...

Mas se realmente é tudo uma questão de dinheiro como já referiram aqui alguns, não lhe chamem novo esquema competitivo mas sim novo esquema financeiro...

Mas tal vai originar a que os clubes da I Liga ganhem ainda mais que os da II Liga, ganhando sobre estes vantagem financeira...

O que eu vejo é que nos campeonatos que referi é normal o Arsenal perder contra o Blackburn... Aqui é a festa do pequeno que só daí a 10 anos é consiga talvez empatar...

Não são manias das grandezas...
São manias de quem gosta de sentir um nervosinho miúdo antes dos jogos... Saber que vai ser um jogo taco a taco em que as equipas lutam mais contra os grandes, porque podem achar que têm mais possibilidades...

Cumprimentos,
MrTaz

Campeonto com 12 chega e sobra.

Portugal so tem potential para um campeonato com 12 equipas.

Um primeiro campeonato a 22 voltas.

E depois os 6 primeiros jogo ainda um campeonato a 10 voltas.

Teriamos muitos mais classicos o que seria muito bom para os melhores jogadores portugueses e para os cofres dos maiores clubes portugueses. E tambem muito bom para os 3 outros clubes que estario no segundo campeonato dos 6 primeiros.

Não concordo

Primeiro, é preciso fazer uma comparação, logo a começar pela população desses países, pela sua base de recrutamento e pelo poder económico que têm, em tudo superior ao nosso país, infelizmente.
Depois, menor número de equipas significa (ou pelo menos o princípio básico é esse) uma maior concentração dos bons valores que temos a jogar no nosso país em 16 equipas, em vez de 18.
Isso deverá resultar numa maior qualidade das equipas que disputam a Liga principal e, logo, um campeonato mais competitivo.
Menos jogos também obriga a que as equipas que querem lutar pelos primeiros lugares não se possam 'distrair', dado que têm menos quatro jogos para recuperar (conta fácil, são menos 12 pontos em disputa).
Quanto à gestão dos plantéis, se pensarmos a nível externo, as nossas equipas têm, também aí, uma vantagem, com menor sobrecarga de jogos. A nível interno, é igual para todos e não me parece que haja gds diferenças, nos 'pequenos' trabalha-se tanto como nos 'grandes'.

«a emenda é pior do que o soneto»?

Sou dos que pensa que o campeonato nunca deveria ter deixado de ter dezasseis equipas. Agora que tem dezoito há já muitos anos quer se arrepiar caminho, mas por vezes a «emenda é pior do que o soneto». :|

É mais uma experiência sobe e desce.

Cumprimentos

Há sempre prós e contras

Por outro lado, por exemplo, permite a concentração de maiores riquezas a níveis de patrocínios num menor número de clubes, permitindo assim uma aproximação dos mais fracos dentro da I Liga aos mais fortes. E num país em que a economia não anda farta, concentrá-la parece-me uma boa ideia...

Quanto ao artigo

penso que existem pontos bons e maus:

Espanha, França, Inglaterra e Itália têm, no mínimo, 3 vezes mais gente que nós e é importante termos esta dimensão presente!

Se as equipas grandes têm mais tempo para preparar os jogos as equipas pequenas também. Aliás existirá (teoricamente) uma maior concentração de bons jogadores o que (teoricamente) melhorará a qualidade geral das equipas ... mas muito teoricamente. Na prática só experimentando.

Outro ponto interessante prende-se com a concentração geográfica das equipas: a distribuiçãovai melhorar ou piorar?

Cumps

Não percebo ...

Um artigo sem "colo" ... será normal?

Estou consufo ... lol

Re:Não percebo ...

e já que louvaste o artigo não ser como os de costume foi essa a contribuição que conseguiste dar?

Re:Não percebo ...

por acaso leste os comentários todos? é que 5 minutos depois deste fiz um em que dou a minha opinião sobre o assunto do artigo! Exatamente 27 minutos antes do teu ... tens rever esse refresh ...