Direcção da FPF quer equipas sem dívidas a empregados e ao Estado | Relvado

Direcção da FPF quer equipas sem dívidas a empregados e ao Estado

 


Direcção da FPF quer equipas sem dívidas a empregados e ao Estado
A Direcção da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) decidiu hoje apresentar uma proposta para proibir a participação nas provas não profissionais a clubes com dívidas a trabalhadores e ao Estado.




De acordo com um comunicado publicado no site do organismo, vai ser apresentada à Assembleia Geral da FPF «uma proposta na qual, entre outros requisitos, se estipula que os clubes não poderão, em nenhum momento da época, ter dívidas vencidas aos seus jogadores, treinadores e demais colaboradores, e deverão ter em dia a situação fiscal bem como as contribuições devidas à Segurança Social».

Com esta proposta, a Direcção da FPF quer «alcançar padrões mais elevados e uniformes de qualidade», através de «um processo de certificação da boa gestão dos clubes». «Creio que é urgente que os clubes tenham noção de que a sua organização interna tem que ser bem estruturada, que a sua responsabilidade é enorme e que a gestão tem que ser cada vez mais cuidada e responsável», afirmou o presidente da FPF, Gilberto Madaíl.

O líder federativo reconhece «as enormes dificuldades, nomeadamente financeiras, pelas quais os clubes passam», mas considera que «chegou o tempo de perceber que esta actividade, mesmo nos escalões não profissionais não pode ficar dependente de apoios esporádicos e voláteis».

Lusa

I Liga:

Comentários [3]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

e ao Estado?

Quanto ao salários dos funcionários acho perfeitamente justa esta medida. Agora ao Estado?? Na realidade do futebol português, as equipas andam com o orçamento nas lonas a maior parte da época, e só respiram um pouco quando jogam contra o Benfica ou outro grande. Se obrigam a ter sempre as contas todas em dia lá se vai a flexibilidade financeira toda com o galheiro. O Estado já prevê coimas, etc., etc., deixai lá aos clubes ponta por onde se pegue.

Fica só meia duzia

Caso esta lei vá para a frente certamente só deveremos de ter meia duzia de equipas a participar, e devo de dizer que não sei se os grandes iram entrar com o passivo que tem não sei não. Nisto tudo só tenho uma duvida: Será que isto vai ser aceite pelos clubes ???