Crise impulsiona amizade entre clubes? | Relvado

Crise impulsiona amizade entre clubes?

 

mingos diz: "nesta época os clubes deixaram de comprar jogadores por catálogo, os desconhecidos pagos a peso de ouro diminuíram, e passaram a contratar mais pela certa. Poderão os grandes, através de trocas de jogadores ou mesmo empréstimos, continuar esta nova tendência? Ou as rivalidades continuarão a ser um entrave à união e solidariedade? Seria possível assistir, pacificamente, a trocas de atletas entre Sporting e Benfica, ou Porto e Boavista?"

I Liga:

Comentários [5]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Trcas como os cromos de cadernetas :)

Sim,eu concordo que todos os clubes não deveriam ter as rivalidades a esse ponto.
Se um clube não está interessado num jogador x porque não esse jogador ir a jogar para um clube onde poderá ter melhores rendimentos independentemente que seja o maior rival.

Trocas?

Penso que o termo troca não será o ideal numa altura em que os Grandes do nosso futebol pretendem é aliviar-se do encargo financeiro que é ter contrato com 100 jogadores, sendo que 30 estão no plantel principal, 30 nas equipes B, 20 a jogar noutros clubes, e 20 nem eles (dirigentes) sabem onde param.

Em tempos de vacas gordas come-se lagosta, na altura de apertar o cinto procuram-se-lhes as cascas.

Cumprimentos

Poderia ser benéfico para ...

Os grandes clubes poderem trocar, ou contratar os jogadores do clube rival,pois estarão a concretizar um encaixe financeiro com um jogador que não rende ou estarão a trocar um activo considerado pouco util por outro que tem lugar na equipa .
Penso que o Sporting e o Porto podem este defeso ser protagonistas, devido às boas relações entre ambos e ao Porto ter quanto a mim dois jogadores que poderiam interessar ao Sporting,que são o lateral direito Hugo Ibarra, e o central Ricardo Silva.

Sinceramente não...

Sejamos claros, o que tem toldado o futebol português não tem sido falta de "amizade". Na verdade, os clubes não necessitam de ser "amigos" uns dos outros. Devem, contudo, respeitar-se mutuamente, facto que tende a escapar a muitos dirigentes da nossa praça.

      Não creio que as escolhas de jogadores sejam mais criteriosas que antigamente. Havia era mais dinheiro para gastar. Situação que desbaratou muito do património possuído pelos clubes, abolutamente vilipendiado por dirigentes sem visão nem responsabilidade.

      Hoje há que contar os tostões e pensar com muito cuidado a realização das aquisições. Não vejo grande viabilidade a grandes trocas entre os clubes portugueses. A excepção ocorrida há anos entre Porto e Sporting não teve continuidade e não me parece que essa tendência seja invertida durante o próximo defeso...

É sempre possível...

Desde que os dirigentes desses clubes sejam civilizados e olhem mais aos interesses dos clubes que dirigem, do que aos interesses pessoais.