Conteúdo e Forma | Relvado

Conteúdo e Forma

 

Sobre o Conteúdo, o vogal João Carrajola Abreu disse o seguinte: «o recurso do Boavista não foi aceite, não existe na FPF, pela simples razão de que não estava assinado por um advogado, que é uma exigência formal dos papéis que vão para o CJ».Não, não é uma brincadeira, uma provocação ou uma piada. São os argumentos de facto invocados pelo vogal sobre o qual o presidente do CJ considerou ser procedente o pedido de escusa.O outro caso em análise, relativo a Pinto da Costa, não deixa de ser igualmente estranho perante a falta de informação sobre os motivos da não apreciação do recurso, já que o autor do recurso foi condenado a uma pena acumulada de dois processos distintos e com base nas certidões extraídas desses processos. Ora um desses processos foi arquivado (estando pendente recurso do MP), e a principal testemunha foi acusada de perjúrio, pois as escutas telefónicas demonstravam claramente que prestou falsas declarações.Sobre a matéria de facto o último dos acórdãos é completamente omisso e não se conhecem declarações como a primeira aqui mencionada.O que acreditam os Relvas, estamos perante um novo caso Mateus, em que um inocente (assim o disse o Tribunal Civil) foi erradamente condenado? Ou o importante é mesmo condenar, não interessa como nem porquê, desde que seja rápido?Rumará o Boavista ao mesmo destino que o Gil Vicente? Quem deu as garantias de que o presidente do Paços de Ferreira falava de que o caso iria ser decidido a seu favor?ee95104

I Liga:

Comentários [97]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Como relva

pronuncio-me desta forma: O Dias da Cunha é que tinha razão. Isto é o sistema caros relvas. Se calhar na altura, se o homem referisse nomes era de certeza linchado em praça publica por pôr em causa a honestidade e o bom nome de todos estes senhores, e processado por difamação! Mas tal como acontece com a fruta (fruta a sério, não daquela que aparece nas escutas), estes srs. estão todos a cair de podre. Bastou esperar. Bem fez o Dias da Cunha! e o Octávio Machado. E um aviso à navegação, bem dizia o LFV, o importante era ter lugares na liga e na federação. É com processos como este que se nota a importância de ter lacaios como este Gonçalves Pereira, ou de ter a vitória do Sr. Madaíl sempre garantida na federação. Torna tudo mais fácil, não é? Mas azar dos azares, desta vez o processo é público e os intervenientes já têm mais cautelas com o que fazem. Triste triste é saber que isto é só uma pequena amostra do que se passa na nossa sociedade.

E outra coisa

As declarações que têm vindo a público dos vogais cada vez me fazem mais acreditar que o que lhes interessava ter uma decisão a todo o custo, sem olhar a regulamentos ou à posição de imparcialidade que deviam ter, apenas para poderem impingir as suas deliberações, sabendo que ninguém se quereria meter depois neste assunto. Se o que eles fizeram foi correcto porque não o justificaram logo e porque é que ninguém deu a cara, chegando a recusar porpostas das TV? Ao menos, Gonçalves Pereira deu logo a cara e a sua versão, apresentando justificação ao nível dos regulamentos. Os vogais só vão dizendo insinuações, dando a sua versão às pinguinhas. Isto dá a ideia que precisavam de ouvir a versão de outros presentes e de ainda procurar algo que consegui-se justificar o que fizeram. Ora, se tudo o que fizeram foi correcto e justo não deviam precisar deste tempo. Vendo este caso da falta de assinaturas do Boavista, na reunião parece que não preocupou ninguém pois deliberaram sobre o assunto e decidiram manter o castigo do CD. Agora não existe sequer, no que ficamos? Quanto às insinuações sobre Pereira, porque é só se lembraram de o afastar quando este legalmente afastou Abreu e ninguém o convenceu a levar este caso a plenário, algo que não existe? Se ele já fazia estas pressões já á tanto tempo, este não devia ter sido logo o 1º ponto da reunião? Não foi porquê? Davas-lhes jeito que Abreu ficasse não era? Ainda, se os vogais acharam que quando o Presidente saiu a reunião não tinha acabado porque é que sairam também?! Porque é que só continuaram mais tarde, esperando que o presidente e o vice fossem embora? Porque é que ninguém avisou o vice, interessava-lhes dizer que a competências do presidente ficavam a cargo de um deles nessa reunião? Porque é que Abreu não diz porque é que recusou uma ordem legal do seu presidente e em vez disso se põe a falar da hora a que o recurso do PC do castigo do CD chegou ao CJ, algo que não tem nada a ver com o motivo porque foi impedido? Porque é que na sua versão digna de Hollywood, Abreu diz que mandou Pereira ao "raio que o parta" quando este ia a sair depois de ter dado a reunião por terminada? Se GP já não tinha poderes para a terminar, para quê é que abreu ficou tão exaltado? Afinal o que Pereira fez não tinha significado nenhum, ou será que tinha? Já agora, se os animos ficaram tão exaltados ao ponto de Abreu ter dito aquilo ao presidente, como é que foram vistos todos a sair todos juntos e aparentemente sem problemas. Ficam calmos de repente, estes membros do CJ...

Algumas notas sobre conteúdo e forma...

CONTEÚDO & FORMA 1. Acho piada falar-se da "presunção de inocência" de Carolina Salgado justificando que o MP recorreu em seu nome. O PC não foi condenado de coisa nenhuma nos tribunais civis e nos desportivos é a história que se conhece, e mesmo assim já foi condenado na praça pública há muito tempo. 2. Ainda sobre o conteúdo, é irreal querer separar o processo desportivo do processo que decorre nos tribunais, pois o CD serviu-se única e exclusivamente dos dados fornecidos pelos tribunais para decidir. De um lado continua-se a investigar e a apurar o sucedido, enquanto que do outro rapidamente se chegou a uma conclusão. 3. É por isso preciso muita presunção do CJ para ignorar que o processo que originou o Apito Final, foi baseado em declarações que o juiz considerou falsas. O tal conselheiro Abreu que muitos dizem ser neutro e sportinguistas, é considerado por outras fontes benfiquista fanático, lojo também poderemos deduzir que já tinha a lição bem estudada. 4. Relativamente ao presidente do CJ pode ter igualmente uma inclinação para o FCP. O que eu também ainda não vi negado é que só ele tinha poderes para excluir (com ou sem razão) o conselheiro Abreu, com ou sem consenso dos restantes membros. Algo que não foi respeitado e que por isso desvirtua as "regras do jogo". 5. O Tribunal Administrativo será o orgão que esclarecerá várias questões relativas á forma e conteúdo. Segundo o que tenho lido nos diversos orgãos de CS por parte de vários juristas, é praticamente impossível considerarem-se as decisões de 6ª feira válidas, confirmando-se assim a criação de um novo "caso mateus" tal como nos diz o artigo. 6. Ainda sobre as investigações da PGR sobre o presidente do CJ, seria de salutar que estas se alargassem aos restantes membros para se perceber aa verdadeira dimensão do tráfico de influências... 7. Eu há já vários meses que digo que não considero a justiça desportiva credível e esta semana tivemos mais uma prova disso. Da minha parte só considero o meu presidente/clube condenado e culpado de alguma coisa, quando assim for provado num tribunal e não por um clube de amigos que se rege por interesses e em função das suas cores clubísticas. 8. Para finalizar relembro o que eu escrevi aqui há uns tempos onde citando o jornal record, afirmei que Pinto da Costa já tinha conhecimento da tendência desfavorável do CJ e que por isso não fazia qualquer sentido recorrer em nome do FCP. Tal como ele disse, era o que os rivais desejavam e não tinhamos que lhes dar esse prazer e vantagem. Agora nós estavamos com menos 6 pontos e continuariamos a ser alvo de tentativas de achincalhamento, por isso comprovou-se a sua acertadíssima decisão.

Re: Algumas notas sobre conteúdo e forma...

AH AH AH AH AH AH NEM OS MALUCOS DO RISO

Re: Algumas notas sobre conteúdo e forma...

Sobre o tal "Abreu", vi um debate na tv interactivo, com chamadas telefónicas. Uma pessoa da Amadora, identificou o "ABREU", os seus escritórios e onde mora, e disse: " é um fanático Benfiquista, vai para o café com caxecol a rigor". Disse inclusivamente o nojo e repulsa pelas mentiras instrumentalizadas na comunicação social sobre o "ABREU", para o não colarem ao SLB. Mais disse que, tinham o número de telefone dele, pois dá a cara pelo que o diz e está enojado com semelhante montagem dos média, que deviam ter decoro, propagando semelhante mentira. Ou seja, este ABREU Sportinguista , deve ser alguma metamorfose !Tá bonito está.. Cumps.

Re: Algumas notas sobre conteúdo e forma...

Eu ainda nem vi a cara do homem. Ele só dá entrevistas a rádios e jornais. Terá medo?

Re: Algumas notas sobre conteúdo e forma...

Lol, fica sempre bem dizer que cicrano ou fulano é sportinguista quando é para decidir contra o FCP, pois dá um ar de pseudo-imparcialidade..

Re: Algumas notas sobre conteúdo e forma...

Exactamente.Sem tirar nem pôr . Das duas uma: Ou os jornais, escrevem o que lhes dizem, e não procuram verificar..ou... Obviamente« quem disse tal, se arrisca a processo em cima por prejurio...pelos vistos , até no café ele se confessa ,o tal Abreu "Sportinguista ". Parece propaganda militar ...a ideia suscita, é de um estrebuchar pela absoluta necessidade de apanharem o lugar do FCP( e respectivos €€ , e/ou perspectivas desses e mais). Muito me cheira que há contabilidades com o nó na garganta, para tanta movimentação nos corredores. Cumps.

espécie de off-topic

Ontem o Rui Moreira meteu nojo no programa da rtpn, gostei foi das respostas de um dos comentadores da rtpn... O Rui Moreira estava mesmo com cara de nervosinho, aliás a postura do homem tem mudado bastante.

Re: espécie de off-topic

Aposto que estás a falar do faccioso João Gobern, que em todas as intervenções aplaudiu as decisões que iam contra o FCP / Boavista e repudiou as restantes. Para defender o Benfica já lá estava o António Pedro Vasconcelos, não precisavam de outro. Engraçado como o Rui Moreira te meteu nojo e os outros dois não. Pontos de vista, diria eu.

Re: espécie de off-topic

Desse Gobern apenas li dois artigos no record e percebi logo as obsessões dele. Cumps

Re: espécie de off-topic

ha link ?

Lol

"Sobre o Conteúdo, o vogal João Carrajola Abreu disse o seguinte: «o recurso do Boavista não foi aceite, não existe na FPF, pela simples razão de que não estava assinado por um advogado, que é uma exigência formal dos papéis que vão para o CJ»." Então se não existe porque é que os cinco deliberaram sobre o mesmo, porque a apreciação consta da susposta acta? Se não existia simplesmente não se falava dele nem diziam que decidiram manter os castigos do CD. Mas não foi isso que fizeram, pois não?

Não há um lado certo para se estar!

A partir deste momento deixou de haver um lado da barricada que se possa considerar como certo! São tantas as confusões por parte das diferentes instâncias do nosso futebol que quem defende numa semana um determinado órgão, está na semana seguinte a criticá-lo e vice-versa... Que esta reunião conseguiu ultrapassar o cúmulo da parcialidade não me ficam muitas dúvidas! E ambos os lados acabaram por fazer o "possível" para fazer valer a sua "opção", e digo opção pois este CJ desde há muito não representa mais do que um órgão representativo dos clubes que os lá colocaram! Quando temos órgãos de "justiça" dependentes das eleições e das equipas daí resultantes... é preciso dizer mais alguma coisa? Penso não restar mais duvidas de que a justiça desportiva TEM que ser autónoma, com a criação urgente de um tribunal desportivo, dependente directamente do conselho superior da magistratura, com juízes por eles designados (curioso um CJ composto por... advogados!!! Esses símbolos da imparcialidade!!!). Assistimos agora a uma guerra aberta FCP-Benfica, utilizando todos os instrumentos e influências que ambos possuem para lhes dar vantagem nesta "liga dos campeões da justiça"! E a verdade é que ninguém, clubes nem instituições saem ilesos deste embate... É uma vergonha pegada!

Anjinhos

Não há um lado certo para se estar! Onde estão os tribunais imparciais em Portugal? Só na vossa cabeça oca.

Re: Anjinhos

Fica registada a tua total falta de confiança na competência e justiça de todo o sistema de justiça português. Fica igualmente registada a tua falta de opinião sobre o que se pode fazer para aproximar a mesma de níveis minimamente aceitáveis. Mas para avaliar dos níveis da tua descrença responde-me apenas: é te igual uma decisão de um juiz (nomeado pelo conselho superior da magistratura) num qualquer tribunal, e o de conselheiros (rico nome para advogados designados por clubes) cujos lugares dependem de clubes em momento de eleições?

Re: Anjinhos

Quando eu era aluno da U.Coimbra, 1961 a 1967 contava-se a seguinte anedota: um réu estava preso e foi nomeado um advogado para o defender. O advogado fo visitá-lo à prisão e o réu falou, falou, durante mais de muitas horas mas, chegou um momento e calou-se. O advogado, muito calmo, disse-lhe: agora vais contar-me a verdade porque, para aldrabar estou cá eu.

Re: Anjinhos

E sobre os juízes? Qual era a anedota da altura? Só para perceber se continuo a preferí-los a advogados enquanto garante isenção e justiça (... já sei... a possível de obter), ou se convém alterar a ideia que tenho!

Re: Anjinhos

Fiquei marcado, na paia da Figueira da Foz em 1958, porque já me peocupava com estas coisas, quando perguntei a um juíz amigo, se havia corrupção com os juizes. Adorei a reposta e considerei-me esclarecido quando ele disse em 1958: a 15.000 contos já resisti.(hoje 15.000.000=3.000.000.000€)

Re: Anjinhos

Vá lá... nem que seja por uma razão financeira, devo mesmo mudar a minha ideia e esquecer os juízes! É que os honorários dos advogados são muito mais acessíveis!... mais dinheiro fica para reforçar as equipas! Agora de uma forma séria: todos temos consciência que a nenhum nível das relações humanas existe pureza e verticalidade absoluta e disseminada por todos os intervenientes, mas das duas opções, qual lha dava mais garantias de alguma imparcialidade?

Re: Anjinhos

Com o nível monetário do futebol penso que não há algum que dê garantias. O futebol passou para o lado do jogo profissional; não terá concerto. Sabe que todos os bens são escassos mas quando os bens escassos atingem determinados níveis económicos passam a ser JOGOS; já nã é necessário ter necessidade do bem mas sim existe a exigência de ter o bem a qualquer preço; a partir deste momento só os verdadeiros jogadores continuam no jogo. Eu, por exemplo, bastou num jogo SLB/AAC em 1966-1967 o José Augusto meter um golo com a mão e que o árbitro sancionou, associado a outras cisas que já se haviam passado em Coimbra com o Sr. Wilson, treinador da AAC, e nunca mais fui ao futebol até hoje.

Re: Anjinhos

Isso é que é desconfiança no ser humano em geral, eu confio que existem pessoas não “vendáveis”ou “compráveis”, além de que se fosse um Tribunal do Desporto com Juízes nomeados pelo CSM e Procuradores pelo CSMP, assim o trabalho efectuado por estes Juízes e Procuradores podia e seria inspeccionado, logo a atenção e o cuidado postos nas decisões por si tomadas seriam certamente outros, além de que tinha-mos a certeza que quem lá estava era por concurso e não porque era vereador da Câmara X ou Y, ou primo ou irmão de determinado fulano, o que a mim me dava outro tipo de garantias.

Re: Anjinhos

Parabéns porque é capaz de confiar. Eu já não confio vai para muitos anos e vou repetir-me no Relvado: para mim VALE MAIS UMA NA MÃO QUE DUAS NO SOUTIEN. Ou como dizia um americano meu patrão e amigo: o produto que nós vendemos só está vendido passados o recebimento e o período de garantia.

Re: Não há um lado certo para se estar!

Toma lá um "Bem escrito" porque estou 200% de acordo, um Tribunal do Desporto resolvia a coisa, e os juízes eram colocados pelo CSM através de concurso, como em todos os outros Tribunais.

Re: Não há um lado certo para se estar!

O curioso é que me parece algo de tão lógico que apenas por uma intenção deliberada para manter este tipo de "pantano" se perceba a falta de vontade (desportiva e política) para o decidir! E nem sequer é uma situação que constitua uma excepção ou um atropelo ás regras da UEFA/FIFA: em espanha e itália existe justiça desportiva autónoma.

Re: Não há um lado certo para se estar!

Mas se até para agravar as penas alguns votam contra, agora lá iam permitir criar algo 'independente'?

Re: Não há um lado certo para se estar!

Daí ter que ser, mesmo que não queira, o governo a fazê-lo! Na proposta de enquadramento das federações tem que se prever esta situação... se não na actualmente em discussão, o mais rapidamente possível! Mas dou-te razão, obviamente... daí já ter dito que era consciente e objectiva a atitude de manter tudo como está!... é que nunca sabemos se poderemos ser nós na mó de cima na próxima volta do carrosel!!!

sem dúvida!

Este processo todo só mostra que aqui não há justiça nenhuma, há sim um conflito de interesses. Já o disse ontem e volto a dizer que a solução para o futebol, passa pela criação de um tribunal do desporto e o acabar com estes "jobs for the boys" cump.

Re: Não há um lado certo para se estar!

"Penso não restar mais duvidas de que a justiça desportiva TEM que ser autónoma, com a criação urgente de um tribunal desportivo, dependente directamente do conselho superior da magistratura, com juízes por eles designados (curioso um CJ composto por... advogados!!! Esses símbolos da imparcialidade!!!)." +5 bem escrito

A meu ver e a bem da justiça desportiva...

... penso que existe demasiadas alíneas nas regras de justiça desportiva. Por mim colocaria no mesmo "saco" de castigos a tentativa e a consomação de actos ilícitos como é a corrupção. Não haveria recursos e se os clubes sentissem lesados passariam as suas lutas para os tribunais civis. Porquê? Porque assim evitar-se-ia que clubes que cometem fraudes continuassem a colher frutos de épocas e épocas em lugares que se calhar nem deveriam serem os seus. A questão de justiça célere no desporto é por demais importante. Pode ser a diferença de milhares para muitos milhões... Imaginem o seguinte: o Porto realmente corrompeu muita gente, quem pagará aos clubes lesados os dinheiros perdidos ao longo deste tempo todo? Qual a melhor forma de compensar os lesados? Creio que não há! Uma justiça desportiva mais básica seria para além de célere muito mais robusta, não gastariamos dinheiros supérfluos em recursos e mais recursos, e teria concerteza uma função dissuasora para com quem goste de andar à margem da lei. O que acham? Cumprimentos Futebolísticos!