Cansaço: mito, realidade ou só psicológico? | Relvado

Cansaço: mito, realidade ou só psicológico?

 

Não posso acreditar que uma formação profissional esteja tão mal preparada que em Março já esteja cansada! Também não acredito que os jogadores se cansem com os jogos! É que numa equipa a sério, os jogos são menos exigentes que os treinos e os jogos divertem os atletas pelo que são menos cansativos que aqueles!Creio que há uma série de mitos que servem de desculpa a treinadores fracos! O próprio Jesualdo Ferreira, que este ano tanto fala de cansaço, na época passada, por esta altura, jogava sempre com os mesmos jogadores, excepto quando tal lhe era impossível por castigos e lesões! E não falava de estarem cansados! E foi nesta altura que estiveram melhor!Não acredito em cansaço nem em poupanças de jogadores! São os resultados e a motivação que deles vem que mais condicionam a prestação das equipas! Que pensam?dragao13

I Liga:

Comentários [30]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Muitos dos que por aqui pastam no site marado,

se alguma vez tivessem feito uma época nem que fosse nos Distritais, saberiam o que era o cansaço, agora toda a MERDA é justificada por motivos psicológicos, haja paciência...???!!! Nenhum jogador (só se fôr com bombas), consegue manter o mesmo nível de rendimento ao longo de uma época, por isso afirmo-o porque por lá "amarguçei", durante bons anos e o cansaço de mito, só na cabeça de gente (tipo "comentadeiros" da "cousa" da bola que nunca deram um chuto na dita de redondinha) e cada vez são mais a parlapiar do que não sabem, quais analfabetos futebolísticos...???!!! Jadscl

claro que as equipas estao cansadas.

Poderá haver alguem que diga que as equipas nao estao cansadas? Claro que estao cansadas. Quem jogou a bola sabe que nesta altura os jogadores que jogam duas vezes por semana estao cansados. O benfica está cansado? Claro que está cansado. Os outros Estao cansados?? Claro que estao cansados. Estao é mais cansados que o Benfica. O que é engraçado nisto tudo é como é que perguntam ao que está em primeiro se está cansado e nao aos que vão atras... É engraçado numa maratona um jornalista perguntar ao que vai a cortar a linha da meta nos ultimos metros se está cansado.. O gajo normalmente responde.... - OH cromo... eu estou cansado... mas os outros que vem lá atras devem vir mais do que eu... Atao perguntas me se eu estou cansado? Fazes cada pergunta estupida.!!! Com isto quero dizer que ha muito jornalista estupido. Digo eu!

Re: Cansaço: mito, realidade ou só psicológico?

O cansaço pode ser combatido de tanta forma: (1)através da alimentação, (2)do descanso, (3)do relaxamento, (4)da submissão dos músculos a temperaturas bastante baixas, através de (5)treinos de recuperação, existe tanta coisa bonita que se pode fazer para evitar o cansaço. Mas não sejamos uns panisgas, qual é o problema de uma equipa estar com as pernas um bocadinho mais pesadas em relação ao estado óptimo? Jogar sobre alguma fadiga é superar obstáculos, é ver os jogadores suportarem em campo os seus colegas porque estes não tiveram capacidade de chegar a uma bola que em condições normais chegariam, qual era o interesse de uma maratona se o cansaço não existisse? Os treinadores deveriam rodar a equipa para dar minutos aos suplentes, para os rotinar e premiar pelo esforço que dedicam no treino, mas o que se vê é que muitas vezes rodam a equipa para tirar minutos aos titulares em vez de dar minutos a quem não joga. Esta ideia é pesada para os que costumam jogar, falar em cansaço é um cansaço extra. Daí que a fadiga tenha uma componente psicológica muito importante, as derrotas regra geral cansam mais que as vitórias. Com tudo isto que disse acima pode parecer que estou a menosprezar a precaução do departamento médico e da equipa técnica na prevenção ao “cansaço”, mas não é isso, apenas acho que não se deve fazer publicidade…é um trabalho que é feito de forma discreta e natural ao longo da época desportiva, os jogadores quando perdem podem ficar com a cabeça num turbilhão, “porque é que não fiz isto? “porque é que não fiz aquilo no jogo?”, “a culpa é do treinador…não, não, é do central! E também do árbitro, será que também foi minha?”, quando ganha é só alegria e satisfação, existe uma maior predisposição para relaxar. Em relação ao que se passa no futebol português: Isto é que é bater no Jesualdo, o povo da bola anda a tirar a barriga da miséria, são as espinhas que ficaram encravadas com o tricampeonato que ele conquistou agora aproveitam-se que o homem está em baixo. Quando o que ele disse já Jesus e Carvalhal tinham dito uns dias antes… alguém os criticou?

Re: Cansaço: mito, realidade ou só psicológico?

"da submissão dos músculos a temperaturas bastante baixas" Achei interessante colocares esse item porque aqui á um tempo vi um documentário na Espn sobre o campeonato de futebol americano e um dos entrevistados á pergunta "Qual o melhor amigo de um jogador de futebol americano?" ele respondeu que era a banheira de gelo onde os jogadores passavam grande parte do seu treino durante a semana e horas após os jogos. Segundo ele para além de trazer benefícios musculares, reduz abruptamente as mazelas físicas. Na Nba utilizam o mesmo sistema. Cada jogador passa cerca de 10 a 15 minutos dentro de uma banheira com gelo até ao pescoço. Cumprimentos

Re: Cansaço: mito, realidade ou só psicológico?

Na Premier League tem equipas que têm uma arca frigorífica (um "pedacinho" mais cara que as normais)para os jogadores irem lá fazer uma visita após os jogos/treinos. (creio que o Everton é uma delas)

Re: Cansaço: mito, realidade ou só psicológico?

Pois são casos em que a tecnologia pode de facto melhorar o rendimento dos jogadores. Que eu me lembre penso que era Raul do real madrid que dormia dentro de uma câmara oxigenada ou uma coisa desse género.

Re: Cansaço: mito, realidade ou só psicológico?

Já ouvi também que a Vanessa Fernandes também tinha esse tipo de treino, assim como o alpinista João Garcia para habituação do corpo a uma atmosfera rarefeita de oxigénio. No caso da Vanessa tanto quanto ouvi era habituação do corpo ao mesmo mas para ter uma melhor oxigenação muscular ao nível do mar. Em relação ao gelo, há muitos anos quando o Fenómeno jogava no Barça, ouvi dizer que ele, nos treinos ia fazer picos na praia e depois fazia tratamento de gelo (principalmente joelhos) para prevenção de mazelas. Se calhar são mitos :) Mas era o que se falava por amigos meus licenciados em educação física. Just my 2 cents... Cumps

O fisico em Portugal ...

nao é o mais importante. Aqui gosta-se de trabalhar com a Bolinha. Tecnica e fintarolas é que é , depois paga-se bem caro o erro. Temos essa mania desde sempre. Jogamos com a Alemanha e logo partimos para o gozo: " Os gajos sao fortes fisicamente mas nao sabem jogar a bola ". Depois mamamos 3 e 4 nas trombas porque nos é so fintinhas e fintolas e quando damos o estoiro nem força temos para aguentar um ombro a ombro. Eles sao Tricampeoes do Mundo e sao Tricampeoes da Europa e nos somos campeoes de Bares e Cafes. Lembro-me do Materazzi quando esteve no Sporting. Os jogadores andaram 2 ou 3 semanas que nem viram bola. Isso ja os exasperava. Inacio foi campeao MUITO por culpa desse trabalho fisico que Materazzi fez na pre epoca. Os nossos jogadores sao fracos fisicamente. Ronaldo passado uma epoca no Manchester ganhou massa muscular e stamina. O condicionamento fisico é isso mesmo. Treinar as varias vertentes fisico-tecnicas sem descurar nenhuma. É normal que as equipas acumulem algum cansaço com o decorrer da epoca , mas so aqui é que se queixam disso CONSTANTEMENTE. Têm a possibilidade de melhorar esse aspecto mas nao o fazem. Os treinadores optam muitas vezes , por ser eles a administrar esse tipo de treino , o que a meu ver é errado porque a maioria nao tem competencias para faze-lo. Deixo-vos aqui um pequeno artigo , de uma entrevista a Roger Spry. Se no nosso futebol se tivesse continuado a apostar em especialistas em condiçao fisica , teriamos hoje em dia mais e melhores atletas. Spry e os jogadores: «Figo vomitava; Deco era pequeno e fraco» Roger Spry cruzou-se com vários jogadores que marcaram a história recente do futebol português. O especialista em condição física, em conversa com o Maisfutebol, recupera episódios com Jordão, Luís Figo, Deco ou Mário Jardel, recordando que todos partiram para novas e prósperas etapas das respectivas carreiras. Recuando a 1986, Spry chega ao Vitória de Setúbal com Malcolm Allison. «Quando cheguei a Portugal, vi que os jogadores eram fantásticos, a vários níveis, mas tinham um defeito quando sofriam entradas duras. Ficavam no chão a contorcer-se de dores. Não podia ser. Quando levam, têm de aguentar e sorrir, para intimidar o adversário», começa por dizer. «Tínhamos grandes jogadores no Vitória, como o Manuel Fernandes, o Jordão ou o Eurico, mas mudamos uma forma de pensar. Foi fantástico. Tinham 32 ou 33 anos e ficaram em melhor forma do que quando tinham 20. Lembro-me de um jogo com o F.C. Porto que terminou com um empate a 4 golos. O Porto tinha acabado de vencer a Taça dos Campeões Europeus. No final, Artur Jorge disse que aquele tinha sido o melhor jogo de sempre», recorda. Roger Spry apaixonou-se por Setúbal e a chama não mais se apagou: «A minha filha nasceu em Setúbal, há vinte anos, e tenho grande memórias da cidade. É o meu sítio preferido em Portugal e regresso sempre lá. A minha filha tem muito orgulho em ser de Setúbal e fala português. E eu, quando me retirar, vou para Portugal, de certeza.» De Jordão a Luís Figo Em 1991, após o sucesso em Setúbal, o preparador-físico chega ao Sporting para trabalhar com Bobby Robson, respondendo a um convite de Sousa Cintra. Para trás, ficara um exemplo do contributo prestado para a carreira de um jogador: Rui Manuel Trindade Jordão. «Nunca tive problemas com os jogadores, porque eles sempre perceberam que os métodos que utilizam não são para valorização pessoal, mas sim para os ajudar. Um exemplo: Jordão saiu do Sporting em 1986, preparando-se para dizer adeus ao futebol. Contudo, veio treinar ao V. Setúbal, trabalhamos com ele, e depois de cinco meses a treinar, assinou contrato e ainda fez grandes épocas», recorda. Já em Alvalade, onde trabalhou com Bobby Robson e Carlos Queiroz, Spry encontrou um leque de jogadores de onde se destacava Luís Figo: «Ainda me lembro de ver Luís Figo a vomitar num treino, mas o sucesso é doloroso. Quando mais dor, melhor. Na altura, ele não gostou, mas cresceu bastante. Foi e é um dos melhores do Mundo. Fizemos compreender que ele tinha uma técnica incrível, mas que ia levar muita porrada na sua carreira. Ele aprendeu que sorrir depois de levar porrada é a melhor lição.» Deco e Jardel no F.C. Porto Segue-se o F.C. Porto, com António Oliveira e Fernando Santos. Durante o seu percurso na Invicta, assistiu ao crescimento de um mágico, conhecido como Deco. «Lembro-me do Deco, que era pequeno e fraco, foi por isso que não foi aproveitado pelo Benfica. Num jogo frente ao Salgueiros, percebemos o imenso valor que tinha. Então, quando chegou, trabalhei com ele diariamente, mas o tornar mais forte, como podemos comprovar agora», frisa. «Capucho também tinha muito talento, Peixe a mesma coisa, mas às vezes o talento não basta. O Jardel, por exemplo. Com o trabalho físico, com a ajuda de ensinamentos das artes marciais, tornou-se frio da área. Levava porrada, mas ignorava. Só pensava em duas coisas: bola, baliza, bola, baliza. Estes jogadores também têm de perceber que não conta só a atitude nos treinos. Tem tudo a ver também com as horas que dormem, o que comem, etc.», explica Spry.

É uma realidade!

Não quero fazer a defesa do animal mas confesso que tenho que dar a razão ao Jesualdo. Mesmo no Benfica, que tem tido os resultados positivos no seu lado já se começa a sentir que o ritmo já não é o mesmo que tinham no fim do Novembro ou Dezembro. Ou seja, as equipas tem picos de aproveitamento físico que em função dos ritmos elevados de inicio de época se reflectem mais cedo que outras. Por exemplo, o Paulo Bento é um treinador que não dá grandes cargas físicas de inicio de época que se reflectem nalguma pujança inicial, um meio de época de falta de condição física e o retomar de forma no último terço da época. Por isso é que o Sporting era Paulo Bento fazia sempre rectas finais extraordinárias reflectindo-se ainda hoje na maior parte dos jogadores Leoninos. Uma constatação desta minha teoria foi aquele ano em que o Porto foi campeão a seis ou sete jornadas do fim e que no jogo seguinte foi massacrado pelo Nacional em casa, com o Fábio Coentrão de mota e o Lucho e companhia em triciclo! Outra teoria, muito corroborada nos anónimos dos blogues, principalmente os de má língua, é sobre o timming com o departamento do Porto gere os controles anti-doping! Logo após o Sporting-Porto, vários bloguistas, denunciavam uma investida sem aviso de recolhas análises por parte de técnicos do IDP, após denuncia anónima, que acusava os dois clubes de terem atletas que se preparavam para jogar dopados e que se tinha reflectido principalmente no rendimento do Porto. A verdade é que uma época exigente como a destas não há jogador que resista e que mantenha o mesmo ritmo. Lembro-me perfeitamente dos anos em que pratiquei um desporto federado e das férias que passava a recuperar de mazelas e do esforço físico numa modalidade que não era tão exigente como o futebol. Jogar ao frio, chuva, muito calor, viagens e jet-lag são razões mais que suficientes para desgastar fisicamente qualquer atleta, e sinceramente, não acredito que haja rigor psicológico ou teorias da conspiração que salvaguardem o desgaste de qualquer jogador. Saudações Leoninas

Quem percebe disto, anda desaparecido...:)

Voces sabem de quem eu estou a falaaaaarrrr

Eu acho que em Portugal

não se trabalha tanto fisicamente como em outros campeonatos de topo. Para além disso há momentos no campeonato nomeadamente a altura do Natal que corta com o planeamento físico dos jogadores ainda para mais uma época propícia a exageros. È importante as equipas se prepararem para o máximo de jogos possíveis numa época e não pelo mínimo que é o que acho que acontece pelo menos em alguns casos. Os jogadores igualmente devem ser responsabilizados pelos excessos e porque sendo pagos a peso de ouro têm de tratar do seu "ganha pão" com todos os cuidados para poderem sempre estar na sua melhor forma possível. Dou o exemplo do Benfica. Com a introdução do LORD desde a chegada de Rui Costa, cada jogador tem um plano específico de treino, um plano específico de alimentação. Para além disso têm treinos individualizados (pelo menos para os jogadores que necessitem) porque sabemos que nem todos os jogadores necessitam ou aguentam as mesmas cargas de treino. Juntamente a isso uma forma de serem responsabilizados remete os jogadores para multas. 50€ para quem chega atrasado aos treinos e 500€ para quem apresenta peso a mais do que o normal para o jogador. Para sermos melhores devemos trabalhar mais sobretudo para que possamos encarar as competições internacionais com reais possibilidade de ir o mais longe possível. Para mim não pode ser argumento termos de "abdicar" de determinada competição para podermos cumprir em termos físicos para o campeonato. È uma questão de mentalidade e se isso for alterado poderemos com facilidade ter as nossas melhores equipas a competir taco a taco com equipas espanholas, italianas ou inglesas. O cansaço existirá sempre, seja o físico seja o mental. Cabe aos dirigentes, técnicos e aos próprios jogadores preparem-se da melhor forma possível para fazer face aos mesmos. Cumprimentos

+1 Bem Escrito Virtual!

Re: +1 Bem Escrito Virtual!

Obrigado meu caro. Cumprimentos

Re: Cansaço: mito, realidade ou só psicológico?

O problema do "cansaço" está a ficar muito falado aqui pelo relvado... Sinceramente acho que a maior parte das vezes é exactamente usado como desculpa pelos maus resultados. Ainda à pouco tempo o Jesualdo Ferreira usou esse facto como desculpa, mesmo com mais dias de descanso que o Sporting o JF tentou desculpar a sua equipa com o dito "cansaço". Um jogador não fica cansado com dois jogos por semana, o maior problema são mesmo as lesões, a excessiva carga física pode criar problemas musculares.

O problema...

é que não é só JEsualdo a usar essa desculpa mas muitos treinadores cá do burgo, estão mal habituados... Cumps

Re: O problema...

Claro, até no meu Benfica eu estou à espera do JJ usar esse facto pela excessiva carga de jogos do Benfica. Aliás depois do jogo em Setúbal penso que referiu isso. Os clubes têm de viver com esse facto e construir planteis equilibrados para fazer face à época. É normal que durante a época as "estrelas" tenham de parar uns jogos, a equipa tem é de estar rotinada e com suplentes capazes de entrar sem compremeter. Por acaso penso que é exactamente nesse aspecto que o Benfica tem ganho vantagem esta época... O Porto por exemplo neste momento não tem avançados suplentes e a culpa disso é unica e exclusivamente da estrutura directiva do clube.

Re: O problema...

Estupidez esta moderação... Acho que JJ também já falou no cansaço mais do que uma vez, e vai em primeiro olha se não fosse LOL, os treinadores Portugueses têm que se deixar desse discurso, (Itália, Espanha, Inglaterra, França 20 equipas no campeonato), Holanda, Alemanha e Belgica(18 equipas).

Re: O problema...

Realmente as moderações às vezes são algo de muito estranho... Nem percebo o porque de gastar um ponto em algo tão banal como o meu comentário, mas não interessa. Estamos de acordo nisso. O cansaço é muitas mais vezes uma desculpa do que realmente a verdadeira causa do fraco rendimento.

Re: O problema...

Que me recorde o JJ referiu nos primórdios do campeonato para os adeptos não esperarem sempre este tipo de actuação (goleadas) devido ao cansaço natural dos jogadores que não conseguem aguentar este ritmo até ao fim do campeonato. Até aqui tudo bem, mas justificar cansaço quando se deveriam referir a incompetência e falta de planeamento/preparação... é aqui que se vê a diferença dos maus para os bons treinadores. Dias não acontece a todas as equipas, mas cansaço? Temos casos de jogadores a jogarem ao mais alto nível até aos 30 e muitos anos, tanto no futebol como noutros desportos ainda mais exigentes do que o futebol. É preciso, como o SLPaulito diz, é mudar mentalidade, os jogadores e técnicos ganharem disciplina e respeitarem o corpo. Neste ponto tiro o chapéu ao C. Ronaldo. Segundo consta ele pretende atingir o seu próprio limite... que nem ele sabe. Já chegou ao topo e parece que continua a trabalhar como se tivesse que dar provas a alguém. Surpreendente esta mentalidade. Tem o meu respeito e admiração, tinha outra ideia dele, mais negativa claro. Cumps

Re: Cansaço: mito, realidade ou só psicológico?

NO ULTIMO JOGO DI MARIA ESTAVA TÃO CANSADO QUE NÃO CONSEGUIU CONTROLAR O PSICOLÓGICO E AGREDIU UM JOGADOR DO PAÇOS COM UMA CALCADELA QUE NA PREMIER LEAGUE ERA LOGO VERMELHO DIRECTO MAS AQUI NEM AMARELO.. A SEGUIR LEVOU AMARELO POR PROTESTOS E VINHA PARA A RUA...

Re: Cansaço: mito, realidade ou só psicológico?

oi a azia........

Penso assim..

No empenho para adquirir um trabalho cooperativo (plantel e satff técnico), quando consideramos a correlação entre os conveniências e as carências de todos colegas (jogadores) num grupo existem algumas forças concebidas por posturas e comportamentos que podem conduzir tudo à ruína (perca). Algumas dessas forças tornam-se tão relevantes, que por si só podem ser responsáveis pelo insucesso de qualquer empreendimento do grupo (cooperação). De entre essas forças designadas como agentes críticos distinguem-se: inconstância; arrogância; deslealdade e ansiedade. Este género de ansiedade tem a sua génese em desejos sentimentais e pensamentos contidos. Fomenta reacções desproporcionadas (exagero/nas declarações e festejos após umas duas ou três vitórias) ou entorpecimento (paralisia, quando existe uma série de derrotas) conferindo sempre a impressão de perigo e intimação onde se podia identificar possibilidades. São relativas a inquietações/preocupações que fogem do controle do jogador e posteriormente do grupo, originando/fomentando comportamentos nocivos nos treinos e fora dos jogos nos seus apoiantes adeptos. É uma ansiedade que propende a aumentar e os alívios são transitórios. Um dos prejuízos é o declive da auto-estima, e a dúvida de si mesmo, que é acompanhada por fadiga e desmotivação. A deslealdade é a característica das pessoas (jogadores) que não conseguem conservar firmeza (constância) a algum compromisso (renovar ou alcançar o titulo) ou dever referente a grupos (adeptos/sócios), instituições (clubes).. É um entrave a qualquer intento de preservar um relacionamento e reduzir riscos de decisões irreflectidas com relação ao que se está junto por um voto de confiança (a defesa do clube). Está sempre ligada a um interesse pessoal por detrás (ex: empresários/transferências/ser titular, etc..). Por isso o desleal (jogador) não consegue fornecer auxílio e cooperação de forma independente e desobrigada de conveniências pessoais. Por tudo isto e muito mais, a deslealdade pode colocar tudo (objectivo do grupo) a perder na produção conjunta em marcha (ganhar titulos), sendo assim um agente de insucesso. A ausência de constância é não ter firmeza na produção de um objectivo (vencer), nem a habilidade para preservar alento e poder de acção. Encontra-se familiarizada com a rejeição, desistência e preguiça. A arrogância na linha de altivez (somos tetra-campeões, somos diferentes), pretensiosismo (os demais sempre fracassam sempre, são parolos e labregos), orgulho (em lideres e num passado vergonhoso) já é o bastante para complicar a cooperação e no sentido de descaramento ou atrevimento (chorar repetidamente ou clamar justiça incoerentemente) impede o desenvolvimento de qualquer tarefa do grupo (equipa/clube, conquistar os reais objectivos de forma sana). Tanto no sentido de altivez quanto da negação de modéstia, a insolência coíbe que se tenha uma óptica equilibrada de domínio diante de todas as forças e debilidades a estes clubes que se encontram marcados por o insucesso.. Saudações

Acho que existe cansaço fisico

não é um mito, mas também passa muito pelo psicológico dos jogadores... Agora foi hilariante(para não dizer outra coisa) ouvir Jesualdo falar sobre o CANSAÇO frente ao Sporting quando o Sporting é que tinha feito um jogo a meio da semana em que teve que dar o litro(frente ao Everton) e nós é que estavamos cansados? Poupem-me... Para ser sincero acho que as equipas Portuguesas estão mal habituadas, vejam a quantidade de jogos que há em Inglaterra... Cumps

Re: Acho que existe cansaço fisico

Acho sinceramente que o cansaço embora exista, nota-se mais na ausência de caparro para o aguentar... Pena que tenha sido noutro artigo que falam da "continuidade do carvalhal"? este tópico é perfeito exemplo de porque o CC deve bazar, quando estava no maritimo, defendia campeonato com mais equipas (tinha medo de descer), meteu o autocarro á frente da baliza no 1º jogo na Luz, e qual Jesualdo "ah jogamos muito bem contra uma grande equipa".. Desde que chegou ao Sporting, ele é falta de tempo para treinar, ele são os autocarros que vêm das aldeias... enfim.. backONtopic: Uma boa pré-época permite aguentar um campeonato bem mais fustigante que o nosso, a não ser verdade, nós chegavamos ao mundial e quase todas as outras selecções estavam de rastos.. era a escócia a grande potencia europeia a par connosco...

Concordo com o teu comentário...

...o cansaço existe, mas nem sempre serve de desculpa, e não se podem explicar todos os maus resultados com fadiga. Principalmente no caso que referiste, e eu cheguei a referir isso mesmo num artigo sobre as declarações de Jesualdo após o último Sporting-Porto. Cumprimentos

Re: Concordo com o teu comentário...

Vocês ganharam com mérito e essas declarações mostram que Jesualdo é bom treinador mas é um péssimo condutor de homens, seria impensável um Mourinho dizer uma coisa daquelas depois do jogo miserável que o FCP fez... Cumps

Re: Concordo com o teu comentário...

"Alguem vai ter de pagar..." Lembraste? Era esse o espirito...

Eu penso que o Jesualdo tentou defender a equipa..

...e os jogadores e ele próprio com a desculpa do cansaço, mas acabou por sair-se mal, pois além de não fazer sentido (dado o jogo do SCP contra o Everton na quinta-feira anterior, quando o Porto teve a semana toda para preparar o jogo em Alvalade), não disfarça outras lacunas evidentes na exibição da equipa, e é como tentar tapar o sol com a peneira. Mas penso que foi numa tentativa de não expor o mau jogo colectivo e individual da equipa, que optou (quase sem reflectir) pela desculpa fácil do cansaço. Mas o que passou, passou, e agora, o que será, será.

Re: Acho que existe cansaço fisico

lol, realmente essa foi de valor. Só se for cansados de fazer a viagem de autocarro, lool. O Jesualdo nunca pensou era apanhar o Sporting com aquela pica toda, e depois com o desenrolar do jogo foi o que se viu. Cumps.

Re: Acho que existe cansaço fisico

Acho que depois do jogo que eles fizeram contra o Everton era de esperar que entrassem fortes no jogo contra o FCP lá está a movitação por vezes camufla o cansaço...