Afinal, que guerra é esta?! | Relvado

Afinal, que guerra é esta?!

 

Muitos poderiam apontar a veracidade dos seus argumentos, indicando a supremacia de Lisboa relativamente ao Porto, se bem que, em humilde opinião,
a capital não fica no sul do país. Deduzo que, na mente do presidente portista, Monchique, por exemplo, seja uma zona distante na Mauritânia e que
Beja se situe na costa meridional de Marrocos. Para todos os efeitos, Portugal sofre de uma inevitável política centralizadora derivada dos
próprios condicionalismos históricos e geográficos impostos pela localização da sua capital. O aproveitamento político de tal situação, para além
de óbvio, só é criticável face à evidência de um completo abandono de outras cidades. Ora, como é certo e sabido, tal não se verifica, se bem que
os ritmos de implementação de vários projectos estatais estejam intimamente relacionados com “cores” autárquicas. Nada de estranho aqui.Noutra perspectiva, conferir importância a esta situação parece-me a mim potenciar um cunho ao presidente do FCP que, aponte-se, é algo que não tem
nem pode ter, pelo menos neste tipo de matérias. Caso o dito queira, de facto, enveredar por este tipo de discussões, porque não pronunciar-se também
sobre o “fosso” entre litoral e interior? Ou sobre a ausência de vias de comunicação para as zonas mais recônditas do nosso país? Ou mesmo
sobre a discrepância no que toca ao investimento turístico nas Beiras e Alentejo? Porquê manter-se ecumenicamente numa estéril discussão sobre uma
imaginária rivalidade entre Lisboa e Porto?Deduzo que nada tenha a ver com as cidades propriamente ditas, pois não estou a ver onde é que o Museu do Chiado ganha ao Soares dos Reis, onde é que
o Terreiro do Paço supere a Ribeira, onde é que os Jerónimos ofusquem a belíssima Igreja de São Francisco ou onde é que São Bento vença o Palácio de
Cristal ou o da Bolsa. Em muitas destas situações (e em tantas outras), até é o Porto que vence.Se estamos a falar em investimentos estatais ou orçamentos anuais, creio que aquele mito (que de tal tem pouco) de que o Porto está sempre em obras
atesta bem a atenção que lhe é dada pela administração central... E creio que é melhor nem entrar pela “derrapagem” da Casa da Música. Petróleo poderá
não haver no Porto... mas dinheiro é coisa que não lhe falta!Mas voltemos ao futebol, senão incorremos no risco de nos dispersarmos. Para todos os efeitos é isso que nos traz aqui, certo? A constante insistência do
presidente portista nesta matéria, “sabiamente” regada por fina ironia e uma eloquência superior, é transposta para o desporto, fazendo de Benfica e
Porto os maiores rivais num campeonato que há duas décadas (curioso arco temporal) é dominado pelos do Norte. Como tal, Pinto da Costa incorre
aqui não numa Santa Cruzada pela “igualdade” do Porto relativamente a Lisboa, mas sim numa incessante crispação, revelando laivos de uma
pretensão imperialista e impossibilitando uma acalmia não só em termos desportivos mas também políticos, esquecendo-se de que a “sua” cidade não é a
capital de Portugal, mas tal não a faz inferior àquela. Simplesmente diferente, tal como o são Coimbra, Évora, Viseu, Braga, Beja, Faro, etc.Face ao exposto, gostava de saber a opinião dos relvas acerca desta matéria, pedindo que tentassem ler as minhas palavras não como um ataque
(não o é) ao presidente portista, mas simplesmente como uma opinião acerca de uma posição por ele tomada.P.S: Em termos de cidade, sou muito mais adepto do Porto.
GVF

I Liga:

Comentários [131]

Seleccione a sua forma preferida de visualização de comentários e clique "Guardar configuração" para activar as suas alterações.

Porto/Lisboa

Não sei se existe uma guerra norte sul... Sei que existe no Porto uma revolta enorme em relação aos politicos que estão a ocupar lisboa, neste momento. Dou-te um exemplo, este domingo decorreu no Porto as comemorações do 31 de Janeiro, por coincidência estava a passear na baixa e vejo um enorme aparato de policias e tal... Passa o Presidente da Républica e a sequir o 1º Ministro, e o que se via era as pessoas a chegar-se á beira do passeio a insultar os ditos.(Como se fosse a camioneta do Benfica a chegar ao Dragão, ou vice versa) Há uma revolta latente no Norte, esses senhores esquecem-nos, estamos longe... Ainda hoje qual a noticia...Eh pah o TGV Lisboa/Porto e Porto/Vigo vai dar prejuízo, mas Lisboa/Madrid, vai dar lucro... Isto é para nos preparar, se quisermos TGV vamos ter de ir à capital... Bom seria era que já que dá lucro fossem os da Capital a pagar e não todo o País... Falas do REDBULL, nesse aspecto o Pinto da Costa veio criticar o Rui Rio...não meteu nenhuma farpa a Lisboa... Lisboa tem uma das principais casas do F.C.Porto, penso que o Presidente quando ataca Lisboa, não está a atacar os cidadãos de Lisboa, mas sim o Poder que Lisboa representa. Cumprimentos

Re: Porto/Lisboa

Epá, quando o primeiro ministro veio aqui a Évora foi a mesma coisa. Penso que não é por aí. A questão do TGV concordo que irá dar prejuízo a ligação a Vigo. O Alfa Pendular faz o mesmo percurso em mais meia hora. Para quê essa ligação? A ligação a Madrid é simplesmente o acesso a um dos principais ramais de comunicação à restante Europa. Contudo, nesta questão do TGV sou um pouco desconfiando, apesar de achar que a ligação ao Norte é precisamente para não isolar essa zona do "novo" meio de transporte. E concordo que é preciso uma voz activa para legitimar a descentralização do poder. Já não concordo é que se use o desporto e a localização específica de alvos para tecer considerações acerca de um assunto que tem que ser discutido noutras esferas. Cumprimentos.

Re: Porto/Lisboa

Eu até sou contra o TGV...é mais uma paneleirice, não acredito que venha a dar lucro. Hoje vamos a Madrid por 5€ de avião e chegamos lá em 45 minutos, não acredito que o TGV concorra com esses preços, se fôr para o transporte de mercadorias, Lisboa/Madrid também é um enorma erro se não tiver uma ligação a Sines por exemplo... Cumprimentos

Re: Porto/Lisboa

Eu por acaso acho que até só pode haver TGV entre Madrid e Lisboa, mas essa ligação a Sines parece-me importante. E com o que se pouparia dos restantes projectos do TGV, renovava-se a linha férrea nacional, como por exemplo, a linha do Tua, que podia cumprir o velho sonho de passar por Bragança e chegar a Sanábria, ligando-se à rede de alta velocidade espanhola.

Re: Porto/Lisboa

O problema é que se poupava esse dinheiro que seria investido, não na linha do Tua, mas em 1 ou 2 pontes sobre o Tejo... Eu não sou a favor do TGV em Portugal, porque não é necessário! Ninguém vai de TGV Madrid pagar 100€ para ir e 100€ para vir em 3 horas para cada lado, quando se tem bilhetes de avião a 5€ e demoras 45 minutos... Sou mais a favor do novo aéroporto, que irá trazer mais lowcosts e que fará ligações á Europa e não apenas a quem quer fazer de Lisboa a Praia de Madrid (esta foi paa picar) Cumprimentos

Re: Porto/Lisboa

Renovem a merda das linhas ferreas. faríamos viagens lisboa-porto em 2hrs.

Re: Porto/Lisboa

Creio que numa lógica de União Europeia unida, a ligação Lisboa-Madrid faz algum sentido, contando que apresente alguma competitividade relativamente aos low-cost e às linhas ferroviárias actuais. Não podemos olvidar que irá trazer imensos postos de trabalho, ainda para mais a uma região onde eles escasseiam. De qualquer das formas, sabe-se que o Governo pôs o desenvolvimento do processo em stand-by. A ver vamos como isto acaba. Cumprimentos.

Re: Porto/Lisboa

A mím parece-me mais um brinquedo que os outros têem e que por isso também queremos... Em relação aos empregos que falas, o problema é que vou ser e e tu e quem trabalha a pagar, com mais impostos etc. Não é desse tipo de empregos que o País necessita, necessita de empresas que produzam e exportem... Cumprimentos

Re: Porto/Lisboa

Epá, eu sei que aqui para os meus lados (Évora) já se instalaram umas quantas empresas que estão a contar com uma das paragens do TGV localizada por estas bandas. Mas concordo que ainda me parece uma coisa um pouco desgarrada, sem uma lógica de sustentabilidade definida. Em conceito, até sou levado a aceitar este grande empreendimento. Na prática, é que ainda não estou muito convencido...

O problema ...

é que foram os meninos do Sul que fomentaram esta divisao , atraves da criaçao de uma redoma divisionaria dos povos e costumes nacionais. Ao longo dos anos foi-se ostracizando o povo nortenho , incluindo o futebol nessa guerra. O mesmo se passa com o Alentejo em relaçao ao resto do pais. Para muitos aquela regiao é esquecida por todos ou quase todos. Quando se conhece um alentejano parece que estamos perante um ser de outro planeta. Evora , Beja ... ena pá que cena marada , es de Beja , es de Evora. Isso é la no Alentejo né !?!? Este tipo de frases , ditas hoje em dia , foram inumeras vezes repetidas em relaçao ao norte , nomeadamente em relaçao ao Porto. Os meninos elitistas do sul versus os cepos nortenhos. Ao falar em Lisboa e no Porto era falar entre coquetes e borgeços , fazendo uma distinçao que so por si acarretava outros tantos problemas. Pinto da Costa quando pega no Porto , leva consigo uma filosofia guerreira , de que so sendo pior que eles os conseguiria vencer. Como se vence a vaidade , a presunçao , a ma educaçao , a insolencia !? Com garra , dedicaçao , amor á causa , e sendo implacavel. Contra o poder instalado e contra o constante odio destilado pelos de Lisboa , a saida mais obvia era o contra-ataque. Com as mesmas armas seria dificil pois o monopolio continuava nas maos dos Senhores do Sul. A guerra aberta e implacavel seria a melhor soluçao. Muniu-se de pessoas da sua confiança , construir um imperio e implementou uma piramide de chefia como se de um exercito de tratasse. Quando se declara guerra a alguem , so ha 2 hipoteses : Ou se combate e se defende a causa ou nos rendemos. Para ganhar a rendiçao foi a ultima opçao. Como na guerra qualquer buraco é trincheira , o que temos vindo a assitir ate entao é um jogo sujo , corrupto e insensato porque como Abraham Lincoln disse : Se quiseres conhecer o verdadeiro caracter de alguem , da-lhe poder. A provocaçao , por muito que custe , foi levada a cabo pelo sul e o norte respondeu com um jogo , que embora nao seja limpo , foi eficaz. Saudaçoes Desportivas P.S : Eu sou do centro - norte , Figueira da Foz

Então o que temos a dizer nos...

gentes das Beiras interiores??? Não ha quem seja mais ostracizado do que nos! Aqui não temos nada que se compare com a opulencia reinante no litoral, Norte e Sul! Parem-la com essa merda!

Re: O problema ...

Os meninos de Lisboa? Os cavacos de Boliqueime? Os Guterres do Fundão? Os Salazares de santa Comba Dão? Os Eanes de Alcains?

Re: O problema ...

Eu tb sou da Figueira e não sou do centro-norte! Sou do centro!

Re: O problema ...

lol O bairro dele é mais a norte... A julgar pelos seus comments de merda anti-Benfica aqui, ele é muito mais nortenho... Cumps

Re: O problema ...

Tu nao es la muito esperto , nao te dou credito !

Re: O problema ...

Mas alguém tinha falado consigo, mystical potato!?

Re: O problema ...

Deves gostar de Satriani para mandares a boca ! Andas ha uns dias meio picado ... andas exaltado pah ! Aparece aqui no bairro mais norte que eu pago-te um copo !

Re: O problema ...

lol Por acaso gosto bastante... Quando vieres a Évora diz então...

Re: O problema ...

E eu sou alentejano adoptado há quase 7 anos, pelo que percebo o que queres dizer. Contudo, essa de ter sido o Sul o primeiro a iniciar esta "guerra" não creio que seja assim tão linear. Após a implantação da República há uma clara intenção de colocar o centro decisor na capital e estou em crer que após as revoltas sidonistas há uma crispação do país, que o Estado Novo vem a prolongar. Contudo, essa crispação já advinha da relação que o a zona do grande Porto mantinha com a Coroa da Gra-Bretanha e que, após o ultimato de 1891, levou a que os grandes latifundiários e industriais do Norte se mantivessem do lado dos ingleses. Isso criou um sentimento de desconfiança face à posição da região nas pretensões republicanas. Obviamente que isso foi sendo esbatido com o tempo...mas as raízes dessa crispação estou em crer que temos que as procurar ainda no século XIX, com culpas de ambos os lados. Cumprimentos...

Re: O problema ...

E não deixa de ser curioso que é precisamente no Porto que se dá o 1º movimento revolucionário para implantação da República em Portugal, em 1891, aliás comemorados ontem!

Re: O problema ...

Exactamente. Aliás, não faria sentido que não fosse comemorado lá... Acho inclusive que até deu azo a alguma contestação quando se consideraram outros locais...

Guerra entre norte e sul?

Por favor! Como é que pode haver guerra entre Porto e Benfica nesses termos territorialistas, entre o norte e sul, respectivamente, quando o Benfica tem tantos ou mais adeptos no norte que o Porto? Esta guerra resume-se a apenas uma coisa: DINHEIRO! É o dinheiro que permite um estilo de vida do qual o sr. Pinto da Costa, entre outros, não pretendem abdicar. Eles não estão minimamente interessados em tornar o nosso futebol nacional mais competitivo. Não, isso traria um parâmetro de incerteza nos lucros com o qual eles não podem conviver. Há uma clara tendência para a monopolização, mas o factor mais irónico é eles lutarem por isso sob o cunho da monopolização proveniente de um regime político salazarista... e já passaram mais de 30 anos do 25 de Abril... enfim, combate-se a centralização com nova centralização... é de rir, ou de chorar! Depois, neste caso concreto, o que é que o Red Bull Air Race, trás verdadeiramente para uma zona? Trará mais emprego qualitativo para as gentes das zonas onde o evento se realiza, ou apenas trará emprego temporário? Conclusões:
  • não se deve misturar política com futebol e vice-versa
  • devemos promover o futebol como desporto/espectáculo
  • devemos promover a união no desporto
  • devemos promover debates sobre como revitalizar a economia de Portugal, em canais próprios
  • Re: Guerra entre norte e sul?

    Que misturada que vai aí.. Sejamos claros: Pinto da Costa tem um lifestyle que muita gente inveja e que é difícil largar, sem dúvida. Agora, o discurso do centralismo sempre foi uma das bandeiras de Pinto da Costa que tentou sempre, ao longo dos 25 anos de presidência, lutar contra as claríssimas diferenças sociais, económicas, etc, que existem entre Lisboa e o resto do país. Quanto à conversa sobre o evento da Red Bull.. Tu certamente vives em Lisboa. É natural então que não notes diferença no impacto que este evento terá cá, é apenas mais um. Na cidade do Porto (e Gaia já agora) é raro um acontecimento desta natureza. Aliás, a importância deste tipo de acontecimentos para a cidade foi evidente aquando da nomeação da cidade como Capital da Cultura, que foi aproveitada da melhor maneira possível pela cidade.

    Lutar contra diferenças sociais...

    ... como e onde? Através de vitórias de um clube? Ah! Ok! Já percebi, és daqueles que podes não comer, mas desde que o "teu" Porto ganhe, ele alimenta-te a alma e não passas fome. Enfim...

    Re: Lutar contra diferenças sociais...

    Mas tu ao menos esforças-te por entender o que os outros te dizem? Com vitórias? Pinto da Costa tentou, com DISCURSOS, chamar a atenção para as desigualdades no país. Que têm as vitórias a ver com isto? No máximo deram mais visibilidade.

    Re: Guerra entre norte e sul?

    Na Capital da cultura tenho algumas dúvidas. Houve coisas claramente mal aproveitadas (sobretudo no domínio do urbanismo) e alguns maus planeamentos, como a Casa da Música, inaugurada com 5 anos de atraso.

    Re: Guerra entre norte e sul?

    Obviamente que houve problemas, mas foram essencialmente de planeamento, penso que concordas comigo que toda a cidade fez um esforço para fazer do "evento" uma festa, a cidade ganhou muita vitalidade nesse ano.

    Re: Guerra entre norte e sul?

    Sim, isso era notório, eu próprio fui a vários espectáculos e à exposição de inauguração, em Serralves. E ainda me lembro da enorme multidão nas margens do Douro, no fogo de artifício de abertura (no mesmo dia, por incrível e feliz coincidência, houve um Boavista-Porto, jogo em que os do Bessa ganharam a liderança do campeonato e não a deixaram mais fugir).

    resposta de um garoto.

    lol